como sobreviver submerso.

Sexta-feira, 9 de Setembro de 2011
Rentes de Carvalho e a amizade na política
Rentes de Carvalho sobre a nossa ideia da amizade na política. Brilhante, como sempre. Permito-me – o desplante! – apenas uma achega: nós acreditamos que a amizade (ou aquilo que lhe faz as vezes) é importante na política por estarmos habituados a que seja importante para tudo. Por estarmos habituados a que, neste rectangulozinho deprimido e tantas vezes deprimente, as coisas se resolvam (e a formulação é propositada, já que resolver é especialidade da casa enquanto prever e planear são verbos remetidos a utilização retórica) através da relação pessoal (do favorzinho, do jeitinho, da cunha) e não da competência nem da assumpção de responsabilidades. Já era tempo de crescermos.


publicado por José António Abreu às 12:52
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Segunda-feira, 18 de Abril de 2011
A passada elástica das raparigas e a moleza dos rapazes de cuecas
Ou Rentes de Carvalho à porta da Bertrand do Chiado.


publicado por José António Abreu às 17:08
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

Quarta-feira, 3 de Março de 2010
Era assim

Ernestina, de J. Rentes de Carvalho, é a história dos avós, dos pais, e do próprio Rentes de Carvalho até ao momento em que, com quinze anos de idade e por acção de uma segunda Ernestina (a primeira é a mãe), se tornou, no sentido carnal da expressão, um homem. É um livro de memórias que se lê exactamente como um livro de ficção. Talvez alguns acontecimentos até tenham sido moldados às conveniências da narrativa. Ou não. Não sei e não importa. De resto, interessam menos os acontecimentos individuais (por fortes que alguns sejam) do que o efeito de conjunto, de recriação de uma época, que se obtém ao ler o livro.
 
A acção decorre entre Estevais (perto de Torre de Moncorvo), a terra de origem da família, e Vila Nova de Gaia, onde Rentes de Carvalho nasceu e cresceu. O isolamento, a dureza e a pobreza de Estevais fazem com que esteja sempre presente no espírito dos seus habitantes o desejo de uma vida melhor se não para eles próprios, ao menos para filhos e sobrinhos. Porque em Estevais «morriam da malária e da cólera, do tifo, da tuberculose, do antraz, do vómito-negro, mas também do desejo e do isolamento. Levavam-se os doentes a cavalo ou de liteira para Moncorvo, viagem dum dia inteiro por maus caminhos e, chegados lá, o único médico ou não estava ou dizia-lhes para esperar. (...) No Verão, porque a pouca água se tornava salobra, havia mais doenças e sobretudo os pequenitos morriam como passarinhos: levava-os o sarampo, as «bexigas», a soltura; acontecia fenecerem dum momento para o outro e dizia-se então que era um bem, uma caridade de Deus que os chamara a si para lhes poupar o sofrimento de viver» (pág. 36).
 
Eu lia e não conseguia deixar de pensar nas fotografias de Trás-os-Montes de George Dussaud. Cheguei a retirar o livro da estante e a folheá-lo. A maioria foi tirada na década de oitenta do século passado. Há cerca de trinta anos, portanto. Os acontecimentos descritos em Ernestina são bastante mais antigos: vão do início do século XX ao Verão de 1945. Mas as fotos de Dussaud e as palavras de Rentes de Carvalho combinam excepcionalmente bem. A Natureza é agreste numas como nas outras e as condições de vida não lhes ficam atrás. Por seu turno, os humanos são rudes mas voluntariosos, com uma tenacidade que tanto consegue gerar admiração como desconforto (e, muitas vezes, ambas as sensações em simultâneo).
 
E depois há Porto e Gaia, cidades onde o rio mantém um intenso movimento de barcos, onde as cheias inundam ruas e forçam deslocações em bote, onde no tabuleiro de cima da Ponte Luís I «era o vaivém de eléctricos amarelos, camionetas de carreira, camiões, automóveis, grupos de gente» enquanto «sem eléctricos e com curvas apertadas a cada extremo, a ponte de baixo era mais sossegada, com o seu trânsito de carrejões, vareiras, leiteiras e padeiras, carvoeiros, carros de bois. De longe a longe, um camião com pipas, um táxi com pressa, mas buzinar não adiantava, porque quem ia pesado de carregos caminhava pelo meio do tabuleiro, sem ceder um palmo» (pág. 136). Douro, Faina Fluvial e Aniki Bobó, de Manoel de Oliveira, vêm à mente nos capítulos passados em ambiente citadino.
 
A ligação entre os dois mundos faz-se por um lento comboio a vapor, que se apanha de madrugada na Estação de S. Bento e chega a ter de parar dentro do túnel mais longo do percurso para recuperar fôlego, deixando os passageiros à beira da asfixia e de um ataque de pânico. Vai a abarrotar de gente carregada de presentes para toda a família e de farnéis para o caminho, porque a viagem dura quase todo o dia e o restaurante da Régua é demasiado caro para a maioria. O resto do percurso até Estevais realiza-se em cima ou ao lado de burros, por montes e vales onde «crescia a hortelã, a macela, o manjericão, e os seus olores, misturados com o sem-número de perfumes dos pomares e do mato, entonteciam as abelhas que revoavam à nossa volta» (pág. 226). O capítulo descrevendo a viagem é um dos vários no limiar do prodígio.
 
Como já deve ter ficado claro nos excertos acima, a escrita de Rentes de Carvalho é indiferente a modas e tendências e, à imagem das personagens e das situações que descreve, até ligeiramente anacrónica para os tempos que correm. (Mas não mais do que ligeiramente, como as fotografias de Dussaud mostram bem.) É uma escrita delicada, evocativa, sem pejo de utilizar construções («às mãos ambas», por exemplo) e termos caídos em desuso (em alguns casos, porque a actividade que descrevem já não existe).
 
Ernestina é um grupo de personagens reais (porque existiram mas também porque bem delineadas), que exigem do leitor mais do que a posição simplista de aceitação ou rejeição. É um conjunto de eventos hilariantes (a tentativa de construção do carro com motor a jacto; os esforços para curar um eczema, que incluem receitas incríveis de bruxas e curandeiros, e um mergulho nas águas geladas do Douro), tristes (morre-se e adoece-se muito), ou apenas tocantes. É, acima de tudo, um livro com uma capacidade de evocação e de criação de ambientes absolutamente excepcional.
 
Ernestina, de J. Rentes de Carvalho.
Edição Quetzal.  


publicado por José António Abreu às 08:39
link do post | comentar | favorito

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Janeiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


à tona

Rentes de Carvalho e a am...

A passada elástica das ra...

Era assim

reservas de oxigénio
Clique na imagem, leia, assine e divulgue
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
tags

actualidade

antónio costa

blogues

cães e gatos

cinema

crise

das formas e cores

desporto

diário semifictício

divagações

douro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

música recente

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
Fazer olhinhos
subscrever feeds