como sobreviver submerso.

Terça-feira, 6 de Novembro de 2012
Entre a traição e a falta de alternativas
Entre os que vêm alertando para os perigos de se insistir que não existem alternativas à actual política destaca-se Pacheco Pereira (alguém que gosto de ler e ouvir há muito tempo). A sua coluna de opinião no penúltimo número da Sábado, por exemplo, era inteiramente dedicada ao tema (disponível no Abrupto em prestações suaves mas não muito práticas: 1, 2, 3, 4, 5). Pacheco Pereira estaria certo se o que se dissesse fosse mesmo isso: que não existem alternativas. Mas pouca gente afirma tal coisa. O que se afirma – que eu afirmo – é que quem critica as políticas actuais deveria explicitar as alternativas que propõe. E isto apenas Bloco de Esquerda e Partido Comunista fazem, ao defender que se rasgue o memorando de entendimento. Eu próprio consigo pensar em várias alternativas, das dolorosas e quase certamente inconstitucionais (mas que alterariam o modo de funcionamento do Estado e seriam por isso menos efémeras do que a correcção através de impostos) a algumas sem custos para os portugueses: por exemplo, uma redução das taxas de juro associadas ao empréstimo da Troika (apesar de tudo, não tão elevadas como muita gente pretende, residindo essencialmente o problema nos montantes sobre os quais elas incidem: isto é, precisamos de demasiado dinheiro emprestado). O busílis da questão é que as menos dolorosas não dependem apenas de nós. E isto leva muita gente a dizer que é preciso negociar abertamente com a Troika melhores condições de juros, prazos, montantes, e a criticar o governo por não mostrar estar a fazê-lo. Pacheco Pereira faz parte deste clube. Acha que é preciso negociar. Mais: acha que é preciso mostrar que se está a negociar. E, porque o governo português não dá indícios de negociar, acusa: «o Governo português aí trai Portugal. A palavra é mesmo essa: trai.» Não é. Para existir traição tem de existir consciência de se estar a cometê-la. Este constitui, aliás, o único elemento que pode ser usado para desculpabilizar a teimosia no investimento público por parte de José Sócrates e respectiva trupe (considerações ético-legais à parte): não há traição quando se acredita estar a seguir a melhor via disponível. De resto, se errar fosse traição, quase todos os ex-governantes deste país seriam traidores. Não são. São (foram) apenas incompetentes. Como talvez Passos Coelho e Vítor Gaspar o sejam – mas traidores, não. Ou então, considerando que todas as soluções disponíveis implicam dor (como o próprio Pacheco Pereira reconhece) e que ninguém pode garantir taxativamente qual a menos dolorosa (ver post anterior acerca dos cenários de negociação dura com a Troika), há tantas traições quanto alternativas.

 

Na verdade, poucos sabem o que se passa nos bastidores. Em Setembro, o governo obteve mais um ano para efectuar o ajustamento. No último Conselho Europeu, Passos Coelho defendeu para Portugal o mesmo regime de financiamento bancário que vier a ser aplicado a Espanha. Para um governo tão radical, são indícios de que há disponibilidade para aproveitar as oportunidades. É pouco? Para a maioria da opinião pública e, mais ainda, da publicada, parece que sim. Mas nem Passos nem qualquer outro membro do governo pode (deve) entrar em desafios pueris. Este governo (e o mesmo se passaria num liderado pelo Partido Socialista) não tem margem para se dedicar a bluffs destinados à satisfação da auto-estima de meia dúzia de portugueses – ou mesmo da totalidade dos portugueses. O que socialistas e muitos comentadores ligados ao PSD e ao CDS (incluindo, aparentemente, Pacheco Pereira) defendem não passa da tentativa de aplicar um bluff conhecido ab initio por ambas as partes – o que, obviamente, o condenaria ao fracasso: vejam-se os braços de ferro (permitam-me o eufemismo) esboçados pela Grécia.

 

Que existem alternativas, existem. A nível externo e a nível interno. Resta saber – e era isto que convinha discutir – se, em termos de efeitos imediatos e riscos para o futuro, são melhores do que as opções actuais. Para mim, algumas são; desconfio – e não consigo evitar repetir-me – é que nem todas são constitucionalmente exequíveis. O que me leva a concordar com Pacheco Pereira num ponto importante: devia ter-se começado por uma Revisão Constitucional. Em abono da verdade, refira-se que Passos Coelho a propôs ao chegar à liderança do PSD, numa época em que o PS ainda governava, tendo as críticas chovido de todos os lados, incluindo do interior do próprio PSD (mas não de Pacheco Pereira). Que desde então ele tente evitar o assunto surpreende pouco. De qualquer modo, sendo impossível regressar ao passado (dar-nos-ia muito jeito, apesar de provavelmente nem assim aceitarmos fazer tudo o que seria necessário para evitar a situação em que nos encontramos), temos que analisar as opções que ainda são possíveis. Incluindo – por que não? – a da Revisão Constitucional. Infelizmente, Pacheco Pereira, como tantos outros (com António José Seguro à cabeça), evita avançar com ideias concretas. O que até se compreende, visto esse ser um jogo de elevado risco: no limite, se aplicadas com maus resultados, ainda alguém poderia vir falar em traição.

 

 Mas talvez o que mais me tenha incomodado no artigo de Pacheco Pereira seja a pequena batota em que ele o baseou. Atente-se na primeira frase: «O principal argumento governamental usado e abusado pelos seus defensores e parodiado pelos seus propagandistas» (quando é que receberei o cartão de sócio?), «e um must da pauperização do debate parlamentar, é a pergunta 'então quais são as alternativas?'»; só que, logo a seguir, Pacheco Pereira esquece a sua própria afirmação e dedica-se a rebater o tal outro ponto que, parecendo quase igual, é afinal bastante diferente: que «defensores» e «propagandistas» do governo afirmam não haver alternativas. Para além de ligeiramente desonesto, acaba por se revelar muito menos produtivo.


publicado por José António Abreu às 13:35
link do post | comentar | favorito

Domingo, 21 de Junho de 2009
Pacheco Pereira na Fonte di Trevi

Luís Filipe Menezes deu esta entrevista ao i, onde compara Pacheco Pereira à loira de La Dolce Vita, de Fellini, na famosa cena da Fontana di Trevi. A comparação prova quão obcecado por JPP é Menezes: já vi a cena uma data de vezes e não há maneira de conseguir olhar para Anita Ekberg e pensar em Pacheco Pereira.

 

 

P. S.: Pacheco Pereira reagiu mal ao título de primeira página do i. Tsk, tsk...



publicado por José António Abreu às 18:35
link do post | comentar | favorito

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Janeiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


à tona

Entre a traição e a falta...

Pacheco Pereira na Fonte ...

reservas de oxigénio
Clique na imagem, leia, assine e divulgue
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
tags

actualidade

antónio costa

blogues

cães e gatos

cinema

crise

das formas e cores

desporto

diário semifictício

divagações

douro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

música recente

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
Fazer olhinhos
subscrever feeds