como sobreviver submerso.

Quarta-feira, 5 de Agosto de 2009
Em Agosto, o frio

Berlim levou-me a reler O Espião que Saiu do Frio, de John Le Carré, do qual a D. Quixote lançou recentemente uma nova edição. Tinha-o lido pela primeira vez há vinte e tal anos, numa adolescência em que devorava histórias policiais e de espionagem. Na altura, e em comparação com livros de Frederick Forsyth, de Ken Follett ou de Robert Ludlum, achei-o muito parado, com uma claustrofobia estranha e ligeiramente repulsiva. A claustrofobia continua lá, a repulsão transmutou-se em fascínio, mas a estranheza decorre agora da circunstância de aquele ser um mundo que não parece ter acabado apenas há vinte anos. É um mundo a preto e branco, como Martin Ritt percebeu quando adaptou o livro ao cinema, ameaçador, uma espécie de Transilvânia política, que encaixa mal na Berlim estival e luminosa onde fui ver os U2. Já o notara e escrevera mas depois de reler o livro tudo se torna ainda mais forte, mesmo quando (apercebo-me na releitura) a maioria do livro não se passa em Berlim (mas o muro e a lógica distorcida que ele reforçou estão sempre presentes). Como imaginar Alec Leamas (um qualquer Alec Leamas real) assistindo à tentativa de fuga de Riemeck (um qualquer Riemeck real) num Ceckpoint Charlie nocturno e desolado? No mesmo Ceckpoint Charlie dos turistas, das fotos nos taipais, do sol? Ou o final, perfeito, sombrio, inevitável, agora que restam apenas pedaços do muro cobertos por horrorosos graffti tornados arte?

 

Em O Espião que Saiu do Frio, Le Carré ainda não atingira o ponto mais elevado dos seus dotes de escritor mas apenas um adolescente inconsciente poderia preferir O Quarto Protocolo ou Triple (histórias cheias de suspense mas sem alma, quais blockbusters de Hollywood) a O Espião que Saiu do Frio. Porque este, sendo ficção, ajuda a relembrar uma era com a estranheza e o horror que se impõem, agora que já poucos indícios físicos restam dela. Há outros casos, claro. Outros livros (a trilogia A Gente de Smiley, do mesmo Le Carré, por exemplo) e vários filmes (veja-se o recente A Vida dos Outros). Apesar de um par de diálogos mais filosóficos sobre as diferenças e semelhanças entre estados totalitários e democráticos quando o jogo é por natureza sujo, O Espião que Saiu do Frio não pretende ser mais que uma história de espionagem e tem uma trama até pouco plausível. Mas recorda bem as lógicas distorcidas (as tais que obrigam todos os intervenientes a sujar as mãos) que se implantam em momentos de tensão política. Como Le Carré escreve no prefácio: o muro era puro teatro, e também um perfeito símbolo da monstruosidade de uma ideologia enlouquecida. Esquecemo-nos com demasiada facilidade do terror.

 



publicado por José António Abreu às 21:56
link do post | comentar | favorito

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


à tona

Em Agosto, o frio

reservas de oxigénio
Clique na imagem, leia, assine e divulgue
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
tags

actualidade

antónio costa

blogues

cães e gatos

cinema

crise

das formas e cores

desporto

diário semifictício

divagações

douro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

música recente

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
Fazer olhinhos
subscrever feeds