como sobreviver submerso.

Sexta-feira, 4 de Outubro de 2013
Chefias

Sem ilusões de que o atraso seja de algum modo fashionable, ando a ver The Wire (vou na quinta e última série de episódios e, sim, trata-se provavavelmente da melhor série televisiva de todos os tempos*). No início da terceira temporada, a polícia não consegue obter resultados das escutas porque, para além de trocarem de telemóvel com regularidade, os traficantes de droga, em especial nos níveis médios e elevados da organização, são extremamente cuidadosos acerca do que dizem ao telefone. Numa tentativa de contornar o problema, a polícia arranja forma de prender uma chefia intermédia, na esperança de ver promovido ao seu posto um familiar de um tipo importante, com tendência para falar demais. Quando o plano é apresentado, um dos polícias pergunta: «Mas porque hão-de eles promover um incompetente?» A resposta é: «Porque não? Nós fazemo-lo todos os dias.»

O plano acaba por não dar certo porque os traficantes são afinal mais espertos do que a hierarquia da policia (ou das muitas outras organizações onde a cunha vence o mérito) e não promovem o idiota. Mas, para mim, este nem é o ponto mais curioso. O ponto mais curioso é eu contar isto à frente de chefias e elas esboçarem trejeitos de compreensão e rirem-se com um prazer que parece genuíno.

 

* O início do primeiro episódio, para quem nunca tiver visto (ou, tendo visto, quiser relembrar):



publicado por José António Abreu às 14:44
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 26 de Setembro de 2011
Despedimento colectivo

É a pessoa que tratou das minudências de um despedimento colectivo. No final do processo viu-se incluída no grupo de despedidos. Ficou surpreendida. Não devia. Qualquer empresa de média dimensão (nas pequenas nem se conhece o conceito de gestão de recursos humanos enquanto nas grandes o ambiente está de tal modo impessoal que ninguém conhece realmente ninguém) tem interesse em evitar que o rosto de um despedimento colectivo permaneça nos quadros. Trata-se de um elemento em quem os restantes trabalhadores jamais voltarão a confiar. Despedi-lo permite aos verdadeiros responsáveis arranjar alguém para quem medo e raiva podem ser canalizados e marcar um ponto de viragem na empresa. É como se dissessem aos que ficam que também acharam mal o que se passou e garantissem que não voltará a acontecer. E quem fica esforça-se por acreditar porque precisamos sempre de acreditar em alguma coisa, por muito ilógica que seja.

 

Ingenuidade excessiva é estupidez e eu tenho dificuldade em sentir empatia por esta pessoa. Especialmente quando sei que tratou do assunto com um entusiasmo raiando a insensibilidade. Acreditando genuinamente estar a fazer o melhor para a empresa. Talvez estivesse. Tal como quem a despediu.



publicado por José António Abreu às 18:34
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito

Segunda-feira, 22 de Março de 2010
Espanha, Espanha, Esp... Líbia, Líbia, Líbia.

O nosso Primeiro-Ministro gosta de visitar países liderados por gente «amiga»: Líbia, Angola e Venezuela, por exemplo. E gosta também de arranjar negócios por lá para umas quantas empresas portuguesas que tenham revelado merecê-lo. O gesto é de utilidade indiscutível para elas: afinal, nos países capitalistas e liberais é necessário ser melhor do que a concorrência; naqueles, tudo se revela fácil depois dos líderes, cultores dum mais ou menos doce autoritarismo (por que diabos Sócrates se entenderá tão bem com eles?), estarem convencidos. Ajudando a evitar que as empresas nacionais tenham de exportar para países capitalistas, Sócrates alivia a pressão sobre elas e, ao mesmo tempo, expõe o carácter selvático da economia de mercado. Não percebo como podem acusá-lo de ser pouco socialista.



publicado por José António Abreu às 20:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sábado, 20 de Fevereiro de 2010
Os gestores e crise: 16
«A responsabilidade social também se aplica aos funcionários», disse o director de recursos humanos.
O administrador pareceu surpreendido. «Ah, sim? De que modo?»
«É suposto as empresas ajudarem-nos a melhorar os conhecimentos e a forma como se inserem na sociedade.»
«A sério? Ridículo. Já lhes damos emprego. Nos dias que correm podem considerar-se com sorte.»


publicado por José António Abreu às 10:00
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 9 de Fevereiro de 2010
Medo e produtividade
No meu departamento, há seis pessoas que têm medo de mim, e uma pequena secretária que tem medo de todos nós. Tenho uma outra pessoa a trabalhar para mim que não tem medo de ninguém, nem sequer de mim, e eu despedi-la-ia rapidamente, mas tenho medo dela.
 
Joseph Heller, Pânico (Something Happened no original)
Edição D. Quixote, Tradução de J. Teixeira de Aguilar
 
Raramente se admite que é o medo que faz funcionar as empresas. Mal, mas faz. O medo das represálias. O medo de perder o emprego. O medo das capacidades alheias. O medo de ser acusado de falta de espírito de equipa. O medo de falhar e ser exposto como uma fraude. É o medo que leva subordinados a calar o que gostariam de dizer. É o medo que leva chefias a promover quem não contesta, mesmo que em detrimento da competência. O medo origina uma variante do princípio de Dilbert: os funcionários mais incompetentes são promovidos porque são os menos capazes de colocar a nu a incompetência de quem os promove. Se ninguém o tiver enunciado antes, chamem-lhe o «princípio de jaa» (soa melhor em inglês).


publicado por José António Abreu às 08:33
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Quinta-feira, 4 de Fevereiro de 2010
Duas categorias
Noventa por cento (apesar de tudo, há que fazer um esforço para ser optimista) dos empresários e gestores portugueses enquadram-se em duas categorias: os que se fizeram pelas próprias mãos e não sabem evoluir, e os que se fizeram em excelentes escolas de gestão e não sabem lidar com a realidade.


publicado por José António Abreu às 19:38
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Domingo, 13 de Dezembro de 2009
Os gestores e a crise: 15

«Este Natal vamos dar coisas a pessoas necessitadas», disse o administrador. «E no futuro podemos alargar a medida a outras épocas do ano.»

O director de marketing disse: «Excelente. Acções dessas dão uma óptima imagem. As pessoas gostam das empresas que se preocupam com os mais desfavorecidos. Vamos potenciar o efeito ao máximo. Que orçamento temos para comprar os bens?»
O administrador franziu o sobrolho. «Orçamento? Nenhum. Vamos dizer aos nossos funcionários para trazerem coisas de casa.»

«Ah, brilhante. Brilhante.»



publicado por José António Abreu às 21:01
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Segunda-feira, 7 de Dezembro de 2009
Os gestores e a crise: 14
«A nova moda é a responsabilidade social das empresas», disse o administrador. «O que é que fazemos nesse campo?»
O director de recursos humanos hesitou. «Como costuma jogar lá, patrocinámos o torneio de golf da Quinta dos Buracos Verdes.»
«Óptimo. Isso tem relevância social, não tem? Arranje mais umas quantas coisas do género e encomende um relatório bonito.»


publicado por José António Abreu às 10:38
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 25 de Novembro de 2009
Conforto

Primeiro as pessoas complicadas atraem, depois assustam. Numa relação laboral, poucos chefes gostam de subordinados exigentes e vocais, mesmo quando produzem excelente trabalho. Podem tê-los contratado porque eram os mais inteligentes, mais autónomos e mais inovadores mas, sempre que têm oportunidade, avisam-nos de que não apreciam o modo como apresentam as ideias e a crítica lhes sai tão fácil. Quando os subordinados deixam finalmente de manifestar inconformismo, respiram de alívio e orgulho por terem conseguido criar mais um colaborador de confiança. Mas (a vida é lixada; há sempre um mas), em simultâneo, estranham que a qualidade do trabalho pareça ter diminuído. Alguns chefes (os mais inteligentes) desconfiam ter algo a ver com o assunto. Quase todos, percebendo-o ou não, preferem a paz podre. Os longos silêncios. Os sorrisos falsos. As declarações de circunstância.

 

Quem diz relação laboral diz relação sentimental. Queremos quase sempre moldar os outros à imagem que nos é mais confortável (com frequência – mas nem sempre – à nossa). Mas a noção de conforto raramente é partilhada e, para mais, o conforto é traiçoeiro: torna-se chato. (É quase sempre uma rotina, mesmo quando inclui actos à primeira vista muito excitantes.) Acabamos a estranhar a falta de chama. Ou, se tivermos sorte, a ruptura.



publicado por José António Abreu às 21:25
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Sexta-feira, 20 de Novembro de 2009
Estamos assim
É este o país que criámos. Fomos assistindo passivamente enquanto seres ignóbeis assumiam cargos decisivos. Até aplaudimos alguns. É por isso que talvez também seja este o país que merecemos.
 
(Cheguei ao caso através do Corta-Fitas.)


publicado por José António Abreu às 08:34
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 28 de Outubro de 2009
Os gráficos dos chefes

Os chefes gostam de gráficos. (Também gostam de tabelas mas gostam mais de gráficos.) A realidade só é real quando expressa em gráfico. Não vale a pena avisar um chefe de algo. Enquanto um gráfico não lhe transmitir a informação, ele não acreditará ou, pelo menos, nada fará. E quando o gráfico lhe mostrar que tem de agir, ele fá-lo-á porque o gráfico não lhe parece bem. Não tem a curva certa. Na verdade, a realidade por trás da curva é quase irrelevante. Por exemplo, quebras nas vendas são chatas não por gerarem menos receitas mas por inverterem a curva ideal que – aprendem os chefes nas melhores escolas de gestão ou por osmose logo que assumem cargos de chefia – os gráficos de vendas devem ter. Alguns, e não tão poucos assim, sentem certamente uma enorme vontade de pedir aos subordinados que lhes invertam as curvas desagradáveis de certos gráficos, após o que tudo ficaria bem outra vez. Quem não é chefe e tiver que escolher entre fazer algo importante para a empresa ou um gráfico para o chefe, não deve hesitar porque ele nunca terá dúvidas acerca das prioridades: o gráfico terá sempre precedência. Nas empresas modernas, os gráficos são a coisa mais bonita que existe.

 

(Gráfico retirado daqui. E eu gosto mais de laranjas.)



publicado por José António Abreu às 21:54
link do post | comentar | favorito

Sábado, 17 de Outubro de 2009
Os gestores

Os suicídios na France Telecom colocam a nu a evidência: na maior parte das empresas de média e grande dimensão o ambiente é hoje frio e agressivo. O orgulho de pertencer à organização desvaneceu-se (ou, para ser mais exacto, foi destruído). Quase ninguém «veste a camisola». Os gestores actuais, que ainda fazem discursos apelando a vários «espíritos» (de grupo, de sacrifício, de luta), não percebem o óbvio: são eles os grandes responsáveis pela situação. Têm sido eles a desprezar os recursos humanos das empresas que lideram, pressionando-os para além do admissível, tratando-os como peças dispensáveis, insultando-os com frequência, antes de voltarem aos tais discursos de circunstância em que tudo soa idílico mas nos quais ninguém acredita. É, de resto, irónico que eles falem, do alto das suas cátedras feitas de cintilante teoria, de «fidelizar clientes», de levá-los a escolher por factores que não o preço, de «criar relações de parceria e confiança». Por que esperam dos clientes aquilo que eles próprios não estão dispostos a dar?

 
Passamos uma enorme fatia da nossa vida em ambiente laboral. Não é por isso surpreendente que, cada vez mais, o estejamos a trazer para as ruas e para dentro da família. O curto prazo impera. Não há paciência para esperar. Queremos tudo, já. E as regras só se aplicam aos outros.
 

Muitas empresas actuais não são lideradas por gestores. São lideradas por meninos (independentemente da sua idade real) mimados que aprenderam a viver no INSEAD, na McKinsey ou nos bastidores da política mas estão a conseguir moldar a sociedade. E  última ironia – que, se se excluírem os tais discursos, parecem cada vez mais apenas «patrões». 



publicado por José António Abreu às 11:55
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sábado, 12 de Setembro de 2009
Os Gestores e a Crise: 13

A reunião estava a terminar. O administrador apresentara em detalhe o plano de reestruturação proposto pela empresa de consultoria. Calou-se finalmente e perguntou se alguém desejava fazer comentários. Por momentos, pareceu que ninguém iria falar. Então, o director que falara antes disse: «Se vamos descentralizar algumas operações e a maioria dos processos de decisão, depois de termos feito o oposto há três anos, não seria mais lógico aguentarmos dois ou três anos e evitarmos os custos da centralização que teremos de fazer nessa altura?»

Os restantes directores olharam para os blocos de notas que tinham à frente como se, de súbito, lá tivesse surgido escrito algo inesperado. Mais uma vez a irritação foi visível no rosto do administrador. Quando parecia prestes a responder, o director que colocara a pergunta sorriu e disse: «Estou só a brincar.»
Os outros directores entreolharam-se e depois focaram a atenção no administrador, que, após um instante de hesitação, soltou uma gargalhada: «Ah-ah. Boa piada.»

Todos os directores riram abertamente.



publicado por José António Abreu às 17:34
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 19 de Agosto de 2009
Os Gestores e a Crise: 12

«Os consultores recomendam a descentralização de operações», disse o administrador.

Os directores sentados em torno da mesa entreolharam-se. Um disse: «Isso é o contrário do que eles recomendaram há três anos, na última reestruturação. Que já tinha sido o contrário do que recomendaram há sete, na penúltima reestruturação. Que tinha sido o contrário do que recomendaram há doze, na reestruturação anterior.»

O administrador fuzilou-o com o olhar. Disse, em tom peremptório: «Há diferenças.» Calou-se. Caiu um silêncio que ameaçou prolongar-se. O administrador acrescentou: «Estamos ou não a reagir cada vez mais depressa?»



publicado por José António Abreu às 17:02
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 10 de Agosto de 2009
Os Gestores e a Crise: 11

«Os consultores precisam de mais dados», disse o administrador.

«Enviámos tudo o que tínhamos», disse o director comercial.
«É insuficiente. Como eu pensava, o nosso sistema de informação tem falhas graves. Ponha gente a tratar do assunto.»
«Não temos pessoal disponível.»
«Tire-os de outras coisas.»
«Por que não são os consultores a recolher os dados? Assim já não havia dúvidas quanto ao que realmente pretendem. E afinal para alguma coisa estão a ser tão bem pagos…»

O administrador estava excepcionalmente bem disposto e limitou-se a suspirar. «Não seja assim. Não os contratámos para que fizessem o nosso trabalho. Há coisas que devemos ser nós a fazer. Porque a empresa é nossa, meu caro. Nunca esqueça isso. Nós é que somos importantes. Eles apenas nos devem dizer o que devemos fazer depois de nós lhes dizermos o que estamos a fazer. Nada mais.»



publicado por José António Abreu às 18:52
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 30 de Julho de 2009
Pescadinha de rabo na boca

Em muitas grandes empresas as únicas pessoas indispensáveis são administradores e directores. A presença de todas as outras é um grave problema que administradores e directores se esforçam afincadamente por resolver. É também o problema que os torna indispensáveis.



publicado por José António Abreu às 19:21
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 15 de Julho de 2009
A realidade em papel, com gráficos coloridos

O i de hoje informava-nos* que analistas do banco de investimento Morgan Stanley na Grã-Bretanha pediram a Matthew Robson, um estagiário de 15 anos, para elaborar um relatório sobre a relação dos adolescentes com os media e que, ao recebê-lo, ficaram tão impressionados que decidiram publicá-lo.

 
O relatório do miúdo tinha descobertas fantásticas: os adolescentes não ouvem rádio, na televisão vêem essencialmente desporto e séries, não lêem jornais, preferem jogos de consola a jogos de computador, não gostam de anúncios, adoram música mas não compram discos nem gostam de pagar os downloads, usam as idas ao cinema como experiência social, não gostam do twitter mas estão viciados no Facebook. Robson chegou a estas conclusões analisando o seu comportamento, o dos amigos e pesquisando na internet.
 

Ao acabar de ler a notícia, eu pensava em duas coisas. Primeiro, na proposta de Miguel Portas durante a campanha para as eleições europeias: está visto que, com jovens como estes, baixar a idade de voto para os dezasseis anos é um acto de sensatez e justiça. Depois, e mais importante, que esta história nos permite confirmar a noção de que gestores e analistas financeiros são absolutamente incapazes de ver a realidade a menos que esta lhes seja colocada à frente num relatório. E que depois adoram mostrar no-la para que possamos perceber as fantásticas descobertas de que são capazes.

 

* A notícia está online numa versão mais curta do que a que foi publicada em papel.



publicado por José António Abreu às 21:16
link do post | comentar | favorito

Os Gestores e a Crise: 10

«Os consultores precisam de dados», disse o director comercial.

«Todos os nossos dados já foram disponibilizados», disse o adjunto.
«Foi o que eu disse ao administrador.»
«E ele?»
«Disse-me para não arranjar desculpas e para disponibilizar mais.»
«Ah. Se calhar o que eles não têm é os dados certos para chegarem às conclusões a que querem chegar...»
O director sorriu. «Os dados são quase irrelevantes. Eles chegam lá na mesma.»
«Sim, isso é verdade. O que se pretende que se faça?»

«Envie tudo outra vez numa ordem diferente e tão confusa quanto possível.»



publicado por José António Abreu às 17:16
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 29 de Junho de 2009
As pessoas dinâmicas e inteligentes são estúpidas

Há uns anos, no Expresso da Meia Noite da SIC Notícias, o presidente da Novabase (creio) afirmou ser política da empresa contratar pessoas inteligentes e dinâmicas, sendo que tinha perfeita consciência de que estas são exigentes e colocam mais problemas à gestão. Não sei se era (ou é) verdade. Sei que, na esmagadora maioria das empresas portuguesas, ser-se inteligente (logo, exigente e sedento de evolução*) é a melhor forma de garantir o fracasso profissional. Não é sequer difícil perceber porquê: os chefes destes trabalhadores, eventualmente dinâmicos e esperançosos aquando do início de carreira, acomodaram-se e funcionam agora by the book (embora muitos não o admitam). Qualquer sinal de inovação e exigência é uma ameaça. Por essa razão é tão frequente ver departamentos (no sector público mas também no privado) onde as estrelas são os yes-men e as yes-women (muitas vezes admitidos com cunhas, que sabem não precisar de trabalhar e que, por mais quotas que se estabeleçam, terão sempre uma excelente nota na avaliação de desempenho) mas quem trabalha são as cavalgaduras que quando entraram fizeram um esforço para mudar o status quo e rapidamente se queimaram, continuando no entanto a ser indispensáveis porque alguém tem que assegurar o serviço.

 

E, verdadeiramente, não há muito que se possa fazer a não ser talvez começar instituições novas, com pessoas novas. O que equivale a dizer um país novo.

 

*Evolução ≠ promoção.



publicado por José António Abreu às 08:48
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 26 de Junho de 2009
Os Gestores e a Crise: 9

O administrador disse: «As coisas estão a piorar. É preciso reavaliar a situação e reduzir custos. Cortar gastos supérfluos e gastar dinheiro apenas no que é absolutamente essencial. Não há alternativa. Reduzir, reduzir, reduzir, meus senhores.»

Os directores sentados em torno da mesa evitaram olhar-se nos olhos. Alguns rabiscaram a folha do bloco que tinham à frente mas pararam logo a seguir, receosos de que isso pudesse ser interpretado como falta de motivação. Um arriscou um aceno de concordância que animou o administrador e irritou os colegas.
O administrador continuou: «Para nos ajudar a cortar nos custos vamos contratar um consultor externo.»

Todos os directores olharam fixamente para os blocos de papel.



publicado por José António Abreu às 08:38
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 17 de Junho de 2009
Os Gestores e a Crise: 8

«Informação completa é essencial nestes tempos de crise», disse o administrador. «Quero relatórios diários.»

O director comercial hesitou uma fracção de segundo e depois disse: «Com certeza.» Seguiu para o gabinete. Chamou o adjunto. Disse-lhe: «Quero relatórios duas vezes por dia.»
Após um instante de silêncio, parecendo pesar as palavras, o adjunto disse: «Isso vai custar tempo. O pessoal já anda apertado. Se calhar era preferível usarem o tempo que vão gastar a recolher e a enviar os dados duas vezes por dia a vender produtos.»

«Informação completa é essencial nestes tempos de crise. Quero relatórios duas vezes por dia.»



publicado por José António Abreu às 18:00
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 1 de Junho de 2009
O futebol português, esse excelente retrato do país.

Detesto o ambiente asfixiante e truculento do futebol nacional. Lamento que quase não se fale de outros desportos, com excepção de momentos improváveis em que atletas de outras modalidades, contra todas as expectativas, conseguem resultados assinaláveis. Por não gostar do tema (não é o mesmo que não gostar do jogo) ainda não o abordara neste blogue. Mas esta notícia leva-me a fazê-lo. As SADs dos três grandes - Benfica, Sporting, Porto, pela ordem que preferirem - estão numa situação financeira assustadora. A causa é a de muitos problemas do país (e do mundo): vida acima das possibilidades. Os causadores são também portugueses típicos: fala-baratos, megalómanos, pouco cultos. As semelhanças entre o típico presidente de clube de futebol - de âmbito nacional ou local, com poucas excepções, entre as quais talvez o Sporting mas apenas nos últimos anos -, o autarca característico ou o empresário tradicional são flagrantes; há, aliás, muitos casos em que pessoas foram as três coisas em pouco tempo. Os adeptos são iguais. Como na política, apoiam quem lhes promete os melhores resultados a curto prazo. A exequibilidade é secundária. Perante este cenário não há solução. A correcta seria a falência ou uma gestão financeira draconiana, que colocaria inevitavelmente em risco os sucessos desportivos. Duvido que haja coragem. Desgraçadamente, o futebol é a única coisa que importa neste país. Num caso-limite, os políticos não terão coragem para assumir decisões pouco populares. Os três grandes não são o Boavista. E, nesta questão, qualquer um dos três verá com bons olhos a ajuda pública a um rival por garantir que também a terá. Não me surpreenderia que, de forma clara ou encapotada, acabássemos todos a pagar os luxos desta gente. A sorte pode ser que, como entretanto o país também vai ficando cada vez mais endividado, quando a crise estalar a sério no futebol já não exista dinheiro nem meios de financiamento para acudir aos clubes.



publicado por José António Abreu às 22:02
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 27 de Maio de 2009
Os Gestores e a Crise: 7

O administrador encarou o director comercial. «Os resultados estão a baixar.»

«A concorrência é maior, cortámos pessoal nas vendas e no desenvolvimento, a crise retrai o consumo.»
«Isso não pode servir de desculpa.»
«Os nossos preços estão fora do mercado.»
«Esta é uma empresa que não pode vender com base apenas no preço. Tem uma imagem forte que as pessoas têm que pagar»
«Não podemos obrigar as pessoas a comprar.»

«Hmmm, talvez. Mas podemos – aliás, é a sua missão – obrigar o nosso pessoal a vender.»



publicado por José António Abreu às 11:58
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 11 de Maio de 2009
Os Gestores e a Crise: 6

O administrador estava sozinho no gabinete examinando folhas com gráficos que mostravam a evolução dos resultados da empresa. As coisas não andavam bem. Passado algum tempo levantou-se e foi até à casa de banho privativa. Olhou-se no espelho. Compôs o nó da gravata. Murmurou: «Esta empresa iria ao fundo sem mim.»



publicado por José António Abreu às 12:09
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 30 de Abril de 2009
Os Gestores e a Crise: 5

O director de recursos humanos pensou no administrador por um instante e depois concentrou-se no homem sentado do lado oposto da secretária. Como o director, estava na casa dos cinquenta. «Diga-me», pediu o director de recursos humanos, «o que é que o torna indispensável?»

O homem foi apanhado de surpresa. Hesitou. Pensou na questão, parecendo não saber o que responder. Parecendo sentir que qualquer resposta seria errada e que, quanto mais demorasse, mais errada seria. Finalmente disse: «Não sei.»
«Devia saber», disse o director de recursos humanos. «Todos temos que saber.»

E despediu-o.



publicado por José António Abreu às 08:28
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 23 de Abril de 2009
Os Gestores e a Crise: 4

«Temos pessoal a mais», disse o administrador.

«Já reduzimos muito», disse o director de recursos humanos. «E os directores andam a queixar-se de que o trabalho se acumula e que nunca é possível cumprir prazos e objectivos.»
«Então temos que melhorar a produtividade. Despeça alguém.»


publicado por José António Abreu às 20:44
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sábado, 18 de Abril de 2009
Tráfico de influências ou o barato sai caro.

Resposta de um empresário da construção civil cuja empresa trabalha bastante para uma Câmara Municipal, a uma proposta de fornecimento de um serviço que implicava deixar de fora uma determinada entidade intermediária:

«Lamento. É mais barata mas ficava-nos mais cara.»



publicado por José António Abreu às 14:27
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 15 de Abril de 2009
Os Gestores e a Crise: 3

O director de recursos humanos disse: «A chefe da Divisão D pediu a demissão.»

O administrador disse: «E então?»

«Temos o novo projecto a começar. Pode ser complicado.»

«Temos que tirar partido a fundo dele - dela - enquanto ainda cá estiver. Vamos aguentá-la tanto tempo quanto a lei nos permitir fazê-lo.»

«A motivação não vai ser a mesma.»

«Ora! Se a motivação fosse realmente importante, esta empresa já teria ido à falência.»



publicado por José António Abreu às 18:59
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 14 de Abril de 2009
A crise, os gestores e as empresas enquanto grupos de pessoas.

Este artigo da New Yorker foca um ponto válido (não particularmente original) mas voltado para a relação das empresas com o exterior durante épocas de crise. Há outra área que me parece oportuno abordar: em momentos de crise, as empresas em que existe uma identidade colectiva, um espírito de grupo, estão melhor preparadas para resistir. As empresas em que ninguém se sente parte de uma entidade com objectivos comuns; em que os níveis mais baixos da hierarquia não acreditam que os níveis superiores partilham as suas preocupações mas que os vêem apenas como mais um custo, a eliminar tão cedo quanto possível; em que a noção de mérito não está verdadeiramente implantada; em que se substituem benefícios por mais e mais pressão; essas empresas terão piores resultados que aquelas que conseguirem manter (porque é conveniente que já exista antes do período de crise) um espírito de grupo – de missão, mesmo. E isto pode ser conseguido reduzindo custos – desde que de forma transversal e transparente. Infelizmente, poucos gestores o percebem verdadeiramente. E a actual leva de gestores de topo, com os seus brilhantes currículos com passagens pelo INSEAD ou por consultoras de prestígio (entidades que lhes ensinaram quase tudo aquilo de que necessitaram para nos mergulhar na crise*) mas parca experiência de terreno (e de vida), é, com as excepções que sempre existem, das piores de sempre (como, aliás, também o é a actual leva de políticos, o que cria uma conjugação explosiva).

 

*Acredito que parte das capacidades seja inata.



publicado por José António Abreu às 22:17
link do post | comentar | favorito

Sábado, 11 de Abril de 2009
Os Gestores e a Crise: 2

«O chefe da secção D tem uma oferta de emprego», disse o director de recursos humanos.

O administrador não levantou os olhos do papel que estava a ler. «Deixe-o ir.»

«Na realidade, é uma mulher.»

A informação despertou a atenção do administrador. «A sério? Deixe-a ir.»

«Precisamos dela.»

«Arranjamos outra pessoa. Um homem. As mulheres faltam demasiado.»

«Vai-nos ficar mais caro.»

«Não interessa. É uma questão de princípio.»

«Mas ela é boa. E já tem experiência. Além disso, o pessoal gosta dela.» O director de recursos humanos hesitou. Depois acrescentou: «Nós prometemos-lhe um bom aumento no ano passado e não cumprimos o acordo.»

«Os tempos estão difíceis para toda a gente.»

«Mas acabou de dizer que não importa termos que pagar mais ao substituto dela...»

O estado de espírito do administrador mudou de aborrecimento para exasperação. «Já chega. Pessoas ingratas não têm lugar nesta empresa. Deixe-a ir.»

O director de recursos humanos não disse mais nada.



publicado por José António Abreu às 16:38
link do post | comentar | favorito

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Janeiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


à tona

Chefias

Despedimento colectivo

Espanha, Espanha, Esp... ...

Os gestores e crise: 16

Medo e produtividade

Duas categorias

Os gestores e a crise: 15

Os gestores e a crise: 14

Conforto

Estamos assim

Os gráficos dos chefes

Os gestores

Os Gestores e a Crise: 13

Os Gestores e a Crise: 12

Os Gestores e a Crise: 11

Pescadinha de rabo na boc...

A realidade em papel, com...

Os Gestores e a Crise: 10

As pessoas dinâmicas e in...

Os Gestores e a Crise: 9

Os Gestores e a Crise: 8

O futebol português, esse...

Os Gestores e a Crise: 7

Os Gestores e a Crise: 6

Os Gestores e a Crise: 5

Os Gestores e a Crise: 4

Tráfico de influências ou...

Os Gestores e a Crise: 3

A crise, os gestores e as...

Os Gestores e a Crise: 2

10 comentários
4 comentários
4 comentários
reservas de oxigénio
Clique na imagem, leia, assine e divulgue
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
tags

actualidade

antónio costa

blogues

cães e gatos

cinema

crise

das formas e cores

desporto

diário semifictício

divagações

douro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

música recente

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
Fazer olhinhos
subscrever feeds