como sobreviver submerso.

Sexta-feira, 28 de Agosto de 2009
Afinando os instrumentos

Última semana de Agosto. A cidade já não parece abandonada. Antes no momento de calma que precede a tempestade. Um palco aguardando o início do espectáculo. O equipamento está pronto, meia dúzia de técnicos e figurantes afadigam-se em ensaios de última hora. Alguns não conseguem evitar sentir pena de que o período em que tiveram o palco inteiramente à disposição esteja a terminar e até algum ressentimento por saberem que, a partir de Segunda-Feira, muitas das pessoas que o vão ocupar agirão como se tivesse sido preparado exclusivamente para elas e lhe encontrarão imensos defeitos.



publicado por José António Abreu às 08:42
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 18 de Agosto de 2009
A cidade em Agosto

Estar a trabalhar durante o mês de Agosto é uma experiência estranha, especialmente de manhã. Às oito e um quarto a cidade tem uma paz irreal. Há menos pessoas que o costume caminhando pelos passeios e parecem fazê-lo em ritmo mais descontraído. Os carros são poucos mas, paradoxalmente, também parecem mover-se mais devagar. Há espaço e tempo, e consegue-se respirar. É uma cidade em modo pausa.

Tanto que por vezes surge-me a dúvida se não terá sido anunciada uma catástrofe iminente que levou quase toda a gente a fugir e apenas eu e mais uns quantos não o sabemos. E pergunto-me ainda se não o sabemos por distracção nossa ou por deliberação dos que fugiram. Se terão sido escolhidas as pessoas mais capazes e deixadas para trás as mais fracas. Mas depois, ao arrancar num semáforo em que o meu carro é o único da não-fila, vejo uma rapariga com roupas de Verão e fico mais sossegado porque ninguém a deixaria para trás se fosse importante salvar os mais aptos e propagar a espécie.



publicado por José António Abreu às 08:38
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Quarta-feira, 6 de Maio de 2009
Taxas e impostos.

Um artigo no último número da revista Prospect propõe a criação de uma taxa sobre as mensagens de correio electrónico. O autor defende a medida como meio para reduzir o spam. Recentemente, no blog Outras Margens (e de novo na Segunda-Feira passada no jornal Público, em texto acessível online apenas a assinantes), Pedro Magalhães apresentou argumentos a favor da introdução de uma taxa sobre a entrada de veículos no centro das cidades. Percebo o ponto de vista de ambos mas faz-me um pouco de confusão que tudo passe por taxas e impostos. É curioso pensar como, numa época em que cada vez mais mais as pessoas fogem a pagar bens que durante décadas possuíram um valor indiscutível (música, filmes, livros, informação), sejam ou estejam prestes a ser forçadas a pagar serviços e actos até agora vistos como naturalmente gratuitos. E isto acontece ao mesmo tempo que a tendência também é para aumentarem as taxas que nos habituámos a pagar (p. ex., de rádio e TV, de saneamento, de acesso aos sistemas de saúde, de educação ou judicial), já para não falar dos impostos, que, ao contário do que disse Vital Moreira com ar ingénuo, têm subido paulatinamente.

 
Em princípio, nada tenho contra o pagamento dos serviços que se utilizam mas há uma questão que niguém parece verdadeiramente considerar. Ao introduzir taxas, aumenta-se a probabilidade de exclusão das pessoas com menos recursos. Afinal, se custar dinheiro entrar nas cidades com um automóvel, quem o deixará em casa? Um quadro superior para quem a taxa for irrelevante (ou a quem a empresa pagar o custo extra) provavelmente até agradecerá a maior facilidade de chegada ao local de trabalho. Já uma pessoa de recursos mais limitados, que usa habitualmente o automóvel porque tem que deixar e recolher os filhos, ou porque os transportes públicos de que dispõe não são uma verdadeira opção, será gravemente prejudicada. Uma lógica similar pode aplicar-se à taxa sobre a circulação nas scuts (quem passará a circular menos?), à taxa sobre os e-mails, à taxa sobre o acesso ao sistema judicial (quem evitará – na realidade, quem evita já – utilizá-lo?), e a muitas outras. Num esforço para combater este efeito, poderiam aplicar-se taxas de acordo com o rendimento de cada indivíduo mas isso debilitaria bastante o efeito dissuasor.
 

Certas taxas terão pontos válidos e serão até inevitáveis. São sem dúvida uma forma eficaz de resolver alguns problemas.  Mas a sua introdução excessiva (em número e/ou montante a pagar) pode acabar por servir como uma forma de controlar as vontades individuais (logo, as liberdades) das pessoas e em especial das mais pobres (que, na prática, já têm menos direitos), ajudando ao aumento de tensões sociais. E depois há ainda o factor discutido aqui: a possibilidade de que sociedades cada vez mais controladas tenham explosões de violência "injustificada" cada vez mais frequentes.



publicado por José António Abreu às 08:11
link do post | comentar | favorito

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


à tona

Afinando os instrumentos

A cidade em Agosto

Taxas e impostos.

3 comentários
reservas de oxigénio
Clique na imagem, leia, assine e divulgue
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
tags

actualidade

antónio costa

blogues

cães e gatos

cinema

crise

das formas e cores

desporto

diário semifictício

divagações

douro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

música recente

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
Fazer olhinhos
subscrever feeds