como sobreviver submerso.

Segunda-feira, 26 de Novembro de 2012
Apelo público ao CDS

Vá lá, arranjem alguém que se oponha a Luís Filipe Menezes na corrida à presidência da Câmara Municipal do Porto. Pode ser Rui Moreira (excessivamente portista para os meus gostos mas, enfim, nem eu estou isento de defeitos), pode ser outra pessoa – não caiam é na asneira de se deixarem colar a um dos símbolos da irresponsabilidade orçamental que assolou este país nos últimos (muitos, demasiados) anos.

E, aproveitando estar com a mão na massa, peço-vos que façam o mesmo em Vila Nova de Gaia se o candidato do PSD for o... o... (caramba, nem tenho adjectivos)... Marco António Costa. Evitem-me um comportamento que detesto: votar em branco.

Muito obrigado.



publicado por José António Abreu às 12:49
link do post | comentar | favorito

Domingo, 11 de Outubro de 2009
Notas rápidas, escritas entre dois bocejos

Ciao, Fátima Felgueiras e Avelino Ferreira Torres.

 

Ciao, Elisa Ferreira e Ana Gomes. Apreciam o Manneken Pis.

 

Não suporto o Macário Correia (é uma coisa epidérmica) mas o homem fez um bom trabalho em Tavira e merece os parabéns.

 

Luís Filipe Menezes, em êxtase, não se coíbe de enviar mensagens para o interior do PSD com base num resultado que não foi obtido apenas com votos de simpatizantes do PSD.

 

Passos Coelho já chateia e ainda nem sequer é líder do PSD.

 

Quantos discursos de vitória é que vamos ter esta noite a partir da sede do BE? Não estamos habituados a que sejam menos de três.



publicado por José António Abreu às 22:21
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Resultados autárquicos: 2

Fátima Felgueiras perdeu.Isaltino Morais e Valentim Loureiro ganharam.



publicado por José António Abreu às 21:26
link do post | comentar | favorito

Resultados autárquicos



publicado por José António Abreu às 20:49
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 9 de Outubro de 2009
Cromos

Durante estas duas semanas de campanha autárquica não escrevi uma só vez sobre o assunto. Tenho dificuldades com a política local. Cromos como Avelino Ferreira Torres, Fátima Felgueiras, Isaltino Morais, Mesquita Machado, Narciso Miranda, Nuno Cardoso e Valentim Loureiro deviam poder trocar-se mesmo sem estarem repetidos. E – claro – estes são apenas os mais mediáticos. Há por aí paletes de gente igual e até pior. Gente tacanha, interesseira e pouco inteligente (mas esperta). Uma combinação tão explosiva quanto a mistura de glicerina, ácido nítrico e ácido sulfúrico (dá exactamente aquilo em que estão a pensar mas, por favor, não se ponham com experiências). É verdade que a campanha para as legislativas não foi brilhante. Mas, ainda assim, há diferenças. Se me permitem uma analogia (sou tão bom em analogias que elas são frequentemente recebidas com expressões de incredulidade, o elogio máximo para uma analogia): a luta entre os principais candidatos ao Parlamento é como uma disputa entre gestores workaholics por um lugar na administração (com os indispensáveis golpes baixos de elevado nível que permitem a pessoas como eu arriscar comentários que, por vezes, até parecem inteligentes), enquanto a luta pelas Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia tem frequentemente o nível do confronto entre arrumadores disputando um pedaço de rua. E que me desculpem os arrumadores.



publicado por José António Abreu às 22:23
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 22 de Julho de 2009
Parque pago

Considero o parque da cidade do Porto um pequeno milagre. Escrevi-o aqui. Quando saiu da Câmara, Nuno Cardoso legou a Rui Rio uma situação armadilhada. Por um lado, Rio encontrou direitos de construção numa das frentes do parque cedidos a privados. (A cedência foi assinada por Cardoso nos últimos dias do mandato, o que levanta a eterna questão "onde é que já vimos este filme?") Por outro, Rio prometera durante a campanha não deixar construir no parque. Cumpriu a promessa e, em troca, obteve uma longuíssima batalha jurídica, com custos ainda não totalmente contabilizados. Hoje, Elisa Ferreira atacou-o pela opção feita. Na minha opinião, é um erro e um acto de descaramento. Os portuenses sabem que quem criou a situação foi o PS de Elisa (e deixemo-nos dos eufemismos da "independência" da candidatura; uma senhora que se fez eleger para o Parlamento Europeu e é candidata à presidência da segunda mais importante Câmara do país, sempre pelo mesmo partido e com tanta gente possuidora de cartão de mão estendida, é do menos independente que pode haver). Sabem também que Rio pode ter um estilo rebarbativo que nem sempre o leva aos melhores resultados da forma mais rápida possível mas é honesto e está a procurar cumprir a palavra. Mais importante, visitam o parque da cidade e percebem que defendê-lo é um dever colectivo. Mesmo que algumas críticas de Elisa possam ser, pelo menos em parte, verdadeiras, tudo empalidece perante estes factos. E afinal, que solução preconiza Elisa? Permitir a construção? Que o afirme claramente. Deve assegurar pelo menos os votos dos promotores imobiliários e dos construtores civis.



publicado por José António Abreu às 18:46
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 15 de Julho de 2009
Movimento "Cidadãos por uma Lisboa Socialista"

Helena Roseta cedeu. O movimento "Cidadãos por Lisboa", que lidera, concorre às eleições para a Câmara de Lisboa integrado nas listas do PS. Esta coisa dos movimentos de cidadãos tem alguma lógica. Mas não quando as suas convicções são tão firmes (ou tão distintas) que rapidamente aceitam a integração num dos principais partidos em troca do proverbial prato de lentilhas. A ideia que ficou é que nas últimas horas Roseta e Costa andaram a discutir assuntos tão fundamentais como o lugar em que ela concorreria (segundo), se substituiria ou não Costa em caso de impedimento deste (a resposta é não), quantos elementos do movimento estariam em lugares elegíveis (dois, num total de quatro que integrarão as listas). Políticas para a cidade? Não ouvi nada. Aliás, não sei mesmo quais as diferenças fundamentais entre Costa e Roseta, pelo que esta coligação é capaz de fazer sentido. O movimento "Cidadãos por Lisboa" é que talvez não. Ah, esperem, vão concorrer autonomamente a algumas freguesias porque, segundo Roseta, é aí, no nível mais próximo dos cidadãos, que o movimento mais tem razão de ser. Suponho que ela ainda não leu a opinião da Maria Filomena Mónica sobre as Juntas de Freguesia (just for the record, eu também não sei quem é o presidente da minha). Assim como assim, Costa está de parabéns. Depois do "Zé", a Helena. Paulatinamente, está a aglutinar à sua volta todos os valorosos espíritos "independentes" que a cidade de Lisboa tem para oferecer. Com jeitinho, ainda vai buscar a Maria José Nogueira Pinto só para entalar o Santana e o Portas...



publicado por José António Abreu às 17:52
link do post | comentar | favorito

Domingo, 12 de Julho de 2009
A independência de Elisa e a inteligência do PS

À partida, a escolha de Elisa Ferreira para candidata à Câmara Municipal do Porto nem era má. Portuense, com imagem de seriedade, de independência de espírito (que os portuenses apreciam), e de alguma competência executória (vá-se lá saber porquê, e com excepção do actual que ninguém conhece, os Ministros do Ambiente tendem a ficar com boa imagem), Elisa também não é vista como demasiado intelectual, o que, para os prosaicos portuenses, só podia ser positivo.

 
Estas características eram adequadas para combater um Rui Rio aparentemente impoluto (nem o PS nem outras “forças” da cidade alguma vez conseguiram descobrir uma brecha na sua imagem de honestidade) mas que continua a manter fortes opositores nos sectores culturais e futebolísticos da cidade, que tem tiques de autoritarismo (que os portuenses, como os portugueses, parecem apreciar) e cujo segundo mandato foi parco em resultados visíveis.
 
O lançamento da candidatura foi feito com pompa e circunstância e incluiu um José Sócrates laudatório (ele que abomina Elisa desde os tempos em que foi secretário de Estado dela) e um Carlos Magno (essa reserva da moral jornalística nacional) armado a estratega. Foi quase o único momento em que tudo pareceu correr bem. A famosa declaração “o dinheiro é do PS” acabou cedo com a imagem de seriedade. Elisa, que reclama agora insistentemente o seu estatuto de “independente”, mostrou aí quão independente – pelo menos de espírito – é.
 
Depois chegou a questão da acumulação das candidaturas ao parlamento europeu e à Câmara. Vou escrevê-lo a bold para memória futura, uma vez que, mesmo após tantas provas de que os resultados são maus, o erro continua a ser cometido: os portuenses não suportam sentir-se a segunda escolha. Não gostam que quem lhes pede o voto o faça tão convictamente que tenha tratado de proteger a retaguarda com um cargo principescamente remunerado. Nem que quem lhes pede o voto os abandone à primeira oferta de um cargo melhor. Fernando Gomes aprendeu-o há anos, o PS parece que ainda não.
 
Elisa Ferreira nunca se livraria deste estigma mas a recente decisão socialista (correcta mas tardia e oportunista) de impedir a acumulação de candidaturas à Assembleia da República e a órgãos autárquicos veio tornar as coisas ainda mais difíceis para ela, ao chamar de novo a atenção para a sua duplicidade (e para a de Ana Gomes). Saíram também as primeiras sondagens, catastróficas. A concelhia do Porto do PS apressou-se a instá-la a desistir, numa demonstração de falta de unidade interna que – nunca aprendem – só piora as coisas. Admitamos que Elisa abandonava. A três meses das eleições, quem iria o PS buscar para contrapor a Rio? Segundo o JN (jornal que ataca Rio há anos e onde Elisa escreve uma coluna propagandística aos domingos), dois nomes encontravam-se em cima da mesa da concelhia: Manuel Pizarro, actual Secretário de Estado da Saúde, e Nuno Cardoso. O primeiro é quase desconhecido e, sensatamente, terá recusado de imediato. O segundo é um desastre ambulante, ligado à polémica autorização de construção nos terrenos do parque da cidade e à confusão (evitemos termos demasiado fortes) em torno das permutas de terrenos com o FCP antes da construção do novo estádio, recentemente condenado por favorecer o Boavista enquanto era Presidente da Câmara. Revelador da capacidade de renovação e de preocupação com a comunidade que floresce nas estruturas partidárias locais, não?
 
O melhor que o PS tem a fazer – e parece que Sócrates o entendeu – é aguentar estoicamente. As eleições estão perdidas. Aprendam com os erros, se tiverem capacidade para o fazer, e tentem fazer melhor da próxima vez. Se calhar não era má ideia correr com as pessoas que mandam na concelhia. Mas isto é só uma sugestão e provavelmente nada fácil de pôr em prática.
 
Adenda (segunda-feira, 13 de Julho): Sócrates dá raspanete à concelhia. Aleluia!


publicado por José António Abreu às 15:59
link do post | comentar | favorito

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Janeiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


à tona

Apelo público ao CDS

Notas rápidas, escritas e...

Resultados autárquicos: 2

Resultados autárquicos

Cromos

Parque pago

Movimento "Cidadãos por u...

A independência de Elisa ...

reservas de oxigénio
Clique na imagem, leia, assine e divulgue
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
tags

actualidade

antónio costa

blogues

cães e gatos

cinema

crise

das formas e cores

desporto

diário semifictício

divagações

douro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

música recente

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
Fazer olhinhos
subscrever feeds