como sobreviver submerso.
Segunda-feira, 29 de Junho de 2009
Viagens em lista de espera. 3: Bruges.

Ponto um: fica na Bélgica. Ponto dois: a minha vontade de visitar Bruges pode ser totalmente atribuída ao filme Em Bruges. Admitir isto deve parecer um bocado ridículo mas as coisas são assim: com frequência, as nossas motivações são ridículas, pelo menos para os outros (na nossa cabeça fazem sentido mesmo quando não o conseguimos passar a escrito). De qualquer dos modos, a minha vontade de visitar Bruges deve-se ao filme. Antes de o ver, a cidade não era sequer um blip no meu radar. Torna-se evidente que, numa circunstância destas, o risco de desilusão é enorme. Afinal, as coisas nem sempre são como no cinema. E, assim de repente, na Bélgica pouco mais há que me interesse. (A não ser as tabletes de chocolate Guylian com 56% de cacau e avelãs inteiras mas isso arranjo por cá.)

 
A Bélgica é um país curioso. É grande, bilingue, está no centro da Europa, e, no entanto, surge como irrelevante. E não é de agora. Pensem lá em quantos episódios significativos da história belga conhecem. (No improvável caso de algum belga, ou descendente de belgas, estar a ler isto, é favor abster-se.) Existem também muito poucos produtos ou pessoas que se associem à Bélgica. Como fã de ténis, não posso passar por cima (é uma maneira de dizer…) da Kim Clijsters e da Justine Henin. A primeira porque tinha (vamos ver se ainda tem, quando regressar este Verão) um estilo espectacular e cheio de garra, a segunda porque tinha um estilo perfeito e cheio de garra. Como fã de automobilismo devo também mencionar o circuito de Spa-Francorchamps, um dos mais espectaculares do mundo. Ouço dizer que os benfiquistas ainda relembram com emoção um guarda-redes qualquer mas as emoções dos benfiquistas dizem-me pouco (excepto quando estão tristes na sequência de derrotas com o Sporting) e não me fazem ter vontade de ir à Bélgica. Os franceses contam anedotas sobre os belgas (pergunta: o que se faz se um belga nos atirar uma granada? resposta: tira-se a cavilha e devolve-se a granada), mas parece-me que isso diz mais sobre os franceses que sobre os belgas. E, como sucede quando o resto de Portugal conta piadas de alentejanos, até pode indiciar alguma ternura. (OK, no caso dos Franceses provavelmente não.)
 
Depois do filme vim à net pesquisar um pouco mas, para ser franco, nada de muito relevante surgiu. A história da cidade é interessante mas não mais que a de muitas outras cidades pela Europa fora. (Foi um importante porto e centro comercial na Idade Média mas entrou em declínio quando perdeu essa posição para Antuérpia por volta do século XV, na sequência do assoreamento do canal de ligação ao oceano.) A zona histórica é belíssima e património da humanidade mas isso também a do Porto. (A de Bruges é medieval mas não será difícil que se encontre em melhor estado de conservação…) Parece que, por ter canais, é conhecida como a “Veneza do Norte” mas isso também uma mão-cheia de outras cidades do norte da Europa. Assim sendo, a vontade de lá ir continua a poder ser totalmente atribuída ao filme. O que pode realmente parecer um bocado ridículo mas é a única explicação sincera que, mesmo depois deste texto todo, continuo a conseguir arranjar.
 
(Apercebo-me agora que, para quem se deu ao trabalho de o ler, mais que um incentivo para visitar Bruges, este post poderá servir de incentivo para ver Em Bruges. Se assim for, já fico bastante satisfeito.)
 

É sempre recomendável ler as letras pequeninas: não sei se este clip de vídeo incitará alguém a ver o filme ou a visitar Bruges mas sei que pessoas sensíveis a linguagem obscena devem abster-se de clicar no botão Play.

(Fotos retiradas daqui.)



publicado por José António Abreu às 13:34
link do post | comentar | favorito

3 comentários:
De pirata a 29 de Junho de 2009 às 14:44
Não conheço o filme, vou alugar, obrigado pela recomendação.
Vou devolver o favor. Conheço bem Bruges, vá visitar, garanto que não ficará desapontado. Palavra de pirata.
abraço


De José António Abreu a 29 de Junho de 2009 às 18:45
Obrigado.


De alfacinha a 8 de Setembro de 2009 às 17:51

Como belga gostei de ler o seu comentário sobre Bruges mas para conhecer uma cidade tem de regressar mais que  só uma vez .
A vez primeira  que visitei Lisboa tinha a mesma ideia  , uma capital como as outras  mas o dia que voltei de novo já comecava olhar lisboa com outros olhos .

cumprimentos


Comentar post

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Janeiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


à tona

Speaker do parlamento bri...

Imagens recolhidas pelas ...

Com o Douro por cenário: ...

Paisagens bucólicas: 105

Momentos com significado

Imagens recolhidas pelas ...

Imagens recolhidas pelas ...

Imagens recolhidas pelas ...

Paisagens bucólicas: 104

Imagens recolhidas pelas ...

Imagens recolhidas pelas ...

Imagens recolhidas pelas ...

Paisagens bucólicas: 103

Imagens recolhidas pelas ...

Imagens recolhidas pelas ...

Das formas e cores: 48

Imagens recolhidas pelas ...

Imagens recolhidas pelas ...

Das formas e cores: 47

Imagens recolhidas pelas ...

Das formas e cores: 46

Imagens recolhidas pelas ...

Cães e gatos pela cidade:...

Paisagens bucólicas: 102

Como Douro por cenário: 8...

Paisagens bucólicas: 101

Imagens recolhidas pelas ...

Imagens recolhidas pelas ...

Paisagens bucólicas: 100

Imagens recolhidas pelas ...

30 comentários
22 comentários
reservas de oxigénio
tags

actualidade

antónio costa

blogues

cães e gatos

cinema

crise

das formas e cores

desporto

diário semifictício

divagações

douro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

música recente

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
subscrever feeds