como sobreviver submerso.
Quinta-feira, 2 de Junho de 2011
Dívida privada e visão de curto prazo

Introdução. Estando-se quase no rescaldo da campanha, este post pode vir um bocadinho fora de tempo mas não resisto à oportunidade de fingir por uns minutos que sou economista (não sei porquê, em criança optei sempre por imaginar-me outras coisas). Há por aí opiniões segundo as quais, sendo privada a maioria da dívida externa nacional, mais do que o governo deveriam ser responsabilizados pela situação a que chegámos indivíduos e empresas. É pena que, sendo a premissa verdadeira, a conclusão não o seja, uma vez que tal significaria pelo menos que o papel do Estado era menos fulcral na tomada de decisões de qualquer entidade neste país. Quatro passes e um remate:

 

1. Ainda que a dívida privada seja realmente superior à pública, foi o crescimento exponencial desta nos últimos anos a criar os actuais problemas de financiamento e a obrigar-nos a fazer o pedido de resgate. Se os bancos tiveram dificuldades não ligadas à acção do Estado (enfim, pelo menos directamente) na sequência da crise financeira de 2008, os problemas actuais têm tudo a ver com a crise da dívida pública.

 

2. À dívida pública é necessário acrescentar a dívida das empresas e institutos públicos e os encargos com as parcerias público-privadas. O tema tem sido discutido até à exaustão mas ninguém parece saber qual o valor exacto em causa, especialmente no caso das PPP. Usando dados da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças, o professor Álvaro Santos Pereira indica no seu recentemente publicado livro Portugal na Hora da Verdade (edição Gradiva, 2011) encargos com as PPP rondando os 1,2% a 1,5% do PIB anuais entre 2011 e 2021. Mas será só isto? (Enfim, ...) A propósito das cartas de Eduardo Catroga, o governo garantiu que sim, que as contas são transparentes e estão disponíveis online. Excelente. Para ter exigido uma auditoria externa, a «troika» devia estar com dificuldades de acesso à net.

 

3. Uma parte significativa da dívida das empresas privadas resulta de decisões (ou talvez fosse mais correcto chamar-lhes incentivos) governamentais. Como Santos Pereira explica aqui e demonstra de forma mais aprofundada no livro, muitas empresas (como aliás, muitos particulares) contraíram créditos para acorrer às privatizações (a maioria das quais ocorreu antes da governação Sócrates, é certo, mas no tempo de outro socialista, menos dado a queimar calorias) e outras (ou as mesmas, que vivemos num país em que tudo passa por meia dúzia de grupos) fizeram-no para aproveitar os projectos de investimento público (obviamente, o vencedor do concurso para a construção de uma auto-estrada necessita de recorrer a financiamento para concretizar o projecto – aliás, não é acaso que os consórcios costumem incluir bancos). Deve ainda considerar-se que a aposta governamental em determinados sectores também gerou dívida privada: as empresas que se lançaram em projectos ligados às energias renováveis, por exemplo, muitas vezes em estreita colaboração com o governo (cof, cof, Martifer, cof, cof), endividaram-se alegremente.

 

4. Por fim, quanto ao nível de endividamento de famílias e indivíduos, já se discutiu bastante como a inacção do governo ao nível da lei do arrendamento (é irónico lembrar que, naqueles quatro meses caóticos do final de 2004, o governo de Santana Lopes tinha pronto um projecto de lei de arrendamento que talvez tivesse ajudado a estimular o mercado) e a concessão de benefícios fiscais no crédito imobiliário (usados pelos promotores para subirem preços) levaram muita gente a comprar casa em vez de a arrendar. Um pormenor de delicioso humor negro é verificar como, em 2008, Portugal estava em quarto lugar na lista de países europeus com mais elevada percentagem de proprietários: cerca de 75% dos agregados familiares possuía casa própria. Onde está o humor negro? Aqui: à nossa frente, com ainda mais elevadas percentagens, estavam a Irlanda, a Itália e a Espanha; imediatamente atrás de nós, a Grécia. Pode ser apenas coincidência, é claro. (Dados da European Mortgage Federation, retirados do livro do professor Santos Pereira.) E nada impedia o governo (em teoria, vá) de ter aumentado os impostos que incidem sobre a compra de casa (afinal, aumentou os que incidem sobre tudo o resto). Mas suponho que ninguém se lembrou.

  

Conclusão. Independentemente de acharmos que as privatizações eram inevitáveis (eram, e também geraram efeitos positivos ao aumentar a eficiência das empresas), de que a aposta nas energias renováveis terá retorno no longo prazo (esperemos que sim) ou de que é melhor viver em casa própria do que em casa arrendada (talvez mas, para além da questão do endividamento, isso aumenta a rigidez do mercado laboral, ao prender as pessoas a um sítio), um governo – qualquer governo – deveria ter como uma das suas principais preocupações a análise dos factores de risco da economia a médio e longo prazo. É em grande medida para isso que ele existe. Para, directamente ou através da criação de entidades reguladoras eficazes, contrabalançar os interesses de curto prazo que tendem a dominar indivíduos e empresas privadas. Os nossos governos (não apenas os de Sócrates mas especialmente os de Sócrates – em 2002, Durão Barroso, num esforço para implementar algumas tímidas mudanças, falou num «país de tanga» e foi crucificado, tendo-se aliás constatado, sete anos mais tarde, que quase quarenta por cento dos portugueses continuava a recusar-se a acreditar nele) não só não o fizeram como andaram a dar exactamente os estímulos errados. Sabemos, porque ele no-lo tem dito uma e outra vez, que Sócrates fez o seu melhor. É possível. Teria então... bah, acrescentem vocês a punch line. É tão óbvia.

 

(Em complemento, leiam os seguintes textos no blogue do professor Santos Pereira: dívida externa, dívida das empresas públicas, consumos intermédios do Estado, parcerias público-privadas. E comprem o livro, que vale a pena: tem tantos gráficos espectacularmente assustadores que até apetece 'scanerizá-los' e montar uma espécie de filme-catástrofe em Powerpoint.)



publicado por José António Abreu às 17:14
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De MRG PPP a 10 de Agosto de 2011 às 12:56
As PPP 's são benéficas tanto para o Estado como para as construtoras, o que há a saber é a clareza dos negócios, se realmente são honestos ou não. Vejam o exemplo da MRG PPP http://www.mrg.pt/noticias/2010/3/mrg_da_conhecer_experiencia_ppp/


Comentar post

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Outubro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

23
24
25
26
27

28
29
30
31


à tona

Momentos com significado

Imagens recolhidas pelas ...

Imagens recolhidas pelas ...

Imagens recolhidas pelas ...

Paisagens bucólicas: 104

Imagens recolhidas pelas ...

Imagens recolhidas pelas ...

Imagens recolhidas pelas ...

Paisagens bucólicas: 103

Imagens recolhidas pelas ...

Imagens recolhidas pelas ...

Das formas e cores: 48

Imagens recolhidas pelas ...

Imagens recolhidas pelas ...

Das formas e cores: 47

Imagens recolhidas pelas ...

Das formas e cores: 46

Imagens recolhidas pelas ...

Cães e gatos pela cidade:...

Paisagens bucólicas: 102

Como Douro por cenário: 8...

Paisagens bucólicas: 101

Imagens recolhidas pelas ...

Imagens recolhidas pelas ...

Paisagens bucólicas: 100

Imagens recolhidas pelas ...

Imagens recolhidas pelas ...

Paisagens bucólicas: 99

Das formas e cores: 45

Paisagens bucólicas: 98

30 comentários
22 comentários
reservas de oxigénio
Clique na imagem, leia, assine e divulgue
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
tags

actualidade

antónio costa

blogues

cães e gatos

cinema

crise

das formas e cores

desporto

diário semifictício

divagações

douro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

música recente

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
Fazer olhinhos
subscrever feeds