5 comentários:
De pensorapido a 27 de Abril de 2011 às 22:55
O PRÓXIMO DIA 5 DE JUNHO É A OPORTUNIDADE DE UMA MOÇÃO DE CENSURA AO SISTEMA POLÍTICO/PARTIDÁRIO DE PORTUGAL!

Não devemos ter ilusões sobre as actuais iniciativas de consenso.
As mesmas não se destinam à defesa dos interesses de Portugal mas sim garantir que os acordos que serão formalizados com o FMI, serão cumpridos sem constrangimentos.

Se os políticos/governantes, para além da sua carreira, nunca se preocuparam com o país porque haveriam de se preocupar agora?

Se não se revê no actual espectro partidário PORQUÊ OPTAR PELO MAL MENOR?
Não temos que nos conformar com sucessivas gerações de políticos/governantes - hábeis na gestão dos seus activos e estranhamente incompetentes na defesa dos interesses públicos,  e no final somos todos nós que temos que pagar a factura.

Vivemos num estado de direito em que a democracia é representativa.
Mas afinal quem são os “nossos” representantes e a quem prestam contas?
Para uma sociedade verdadeiramente democrática os  partidos políticos são essenciais, mas por isso temos que aceitar que “parasitem” o país?

O sistema político actual lamenta o abstencionismo mas nada faz para o contrariar, de facto beneficia com isso!

Quem passa uma procuração a um representante em que não confia?
São legítimos representantes por omissão!
É tempo de dizer BASTA!!!

Ao contrário da abstenção, que é a renúncia a um direito, o voto branco tem que contar!
É a manifestação de uma vontade de mudança da qualidade da democracia no nosso país.

Como Portugueses temos o direito de ser governados pelos melhores dos nossos pares e se os partidos políticos são incompetentes, é obrigação do Presidente da República garantir que isso acontece de facto!

Com uma maioria absoluta de votos brancos será necessário um governo efectivamente de consenso, preferencialmente independente,  sem clientelas... o parlamento  reduzido à sua expressão essencial: legislar e fiscalizar a acção governativa!

Vamos por à prova a nossa democracia de 37 anos e  exigir ao Presidente da República que coloque em prática a magistratura activa e suspender a espera tranquila de mais uma reforma dourada!

NÃO HESITE, NO PRÓXIMO DIA 5 DE JUNHO VOTE EM BRANCO!


De José António Abreu a 27 de Abril de 2011 às 23:02
E exactamente em que é que votar em branco melhora a situação? O que é um «governo de consenso»? Quem são «os melhores»? O que está exactamente a pedir ao presidente? Um golpe de estado?

Votar em branco numa altura destas é, antes de mais nada, um acto de falta de coragem para tomar posição. Ainda que seja pelo «mal menor».


De pensorapido a 28 de Abril de 2011 às 00:05
Com os níveis de abstenção que houve em eleições anteriores e com os votos brancos apenas a contar para as estatísticas, o parlamento representa somente os que vão às urnas.
Porque não tornar o voto obrigatório? Quando passará a haver candidaturas ao parlamento fora do sistema partidário?

Lamento discordar quanto à tomada de posição de votar no menos mau. Seria preferível criar um partido novo ou lutar dentro de um deles para alterar o sistema.
Para mim, cidadão comum sem aspirações políticas, mas participativo e atento ao que se passa no país, não tendo confiança nas estratégias dos partidos políticos e seus   líderes, opto por exercer o meu direito votando branco!

Os melhores são  aqueles que estão afastados da governação porque não estão alinhados com os sistemas politico/partidários. Augusto Mateus por exemplo, entre tantos outros independentes. 

A nomeação do 1º.ministro é da responsabilidade do Presidente e não do Parlamento,  os partidos políticos não têm que ser os "donos" da governação.
Um governo de iniciativa presidencial é constitucional! O parlamento legislaria e fiscalizaria o governo, sob o enorme peso da desconfiança do eleitorado.
Como superar esta questão? Sendo sérios e competentes...


De José António Abreu a 28 de Abril de 2011 às 10:05
Um governo de iniciativa presidencial não resistiria seis meses, em especial numa altura em que as coisas vão ficar ainda mais difíceis.

Quanto ao voto em branco, sendo uma opção perfeitamente legítima, não deixa de ser a via mais fácil. Uma espécie de lavar as mãos, como Pilatos.


De pensorapido a 28 de Abril de 2011 às 23:59
Antes pelo contrário, é a via mais difícil!
Consegue imaginar um debate parlamentar ou uma interpelação a um governo, nas circunstâncias que referi? Seguramente com menos retórica estéril e mais objectividade! Passaria a haver mais moderação e equilíbrio porque é disso que o país precisa e não de show off político/partidário .
Este país é farto de politiquice mas pouca governação e os resultados estão à vista de todos... a nossa qualidade de vida vai retroceder, provavelmente, mais de uma década e só acredita que a culpa é da crise internacional, quem quer.
Os partidos têm que representar e defender os interesses dos respectivos grupos sociais, mas tendo sempre como primeiro objectivo o interesse nacional. É isso que acontece actualmente? É evidente que quando governam é no interesse das clientelas e das militâncias. Se são penalizados em eleições não é grande problema para as lideranças, porque   as suas carreiras estarão sempre salvaguardadas.
Não me revejo neste tipo de sistema "democrático" mas pelo que depreendo dos seus comentários se calhar é melhor deixar andar... e nem é preciso lavar as mãos...


Comentar post