como sobreviver submerso.

Quinta-feira, 1 de Dezembro de 2016
O ponto em que as boas intenções passam o limiar do bom senso

Blogue_homensMortos_2.jpg

 

Numa parede do Porto.

 

 

Na série britânica Love, Nina, adaptação de Nick Hornby de um livro de memórias de Nina Stibbe, há um momento em que alguém pinta desenhos obscenos nos passeios do bairro onde decorre a acção. Várias personagens reúnem-se em torno de um deles e debatem identidade e possíveis motivações do autor. George, a editora literária a que Helena Bonham Carter dá corpo, defende que, obviamente, terá sido um homem, porque as mulheres não andam por aí a fazer desenhos no pavimento; pelo menos, acrescenta, não em número estatisticamente relevante.

Olho para a frase acima e pergunto-me se George estaria certa - e, nesse caso, que diabo se passa na cabeça de um homem capaz de a escrever.

Claro que Love, Nina decorre no início da década de 1980. Talvez hoje em dia mais mulheres pintem coisas no chão e nas paredes. Não daria um grande sinal do rumo da evolução feminina (há actos tipicamente masculinos que, podendo remeter para instintos antigos de marcação do território, são hoje apenas estúpidos) nem faria com que esta mensagem ficasse aceitável, mas sempre a tornaria um pouco menos ilógica.

 



publicado por José António Abreu às 18:47
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 11 de Março de 2016
Meia-idade

No que me diz respeito, chegar perto dos cinquenta e começar a apreciar raparigas com idade para serem minhas filhas gera uma perturbação não mais do que ligeira. Pior é perceber que algumas delas são filhas de amigas e/ou colegas que fizeram - e, em muitos casos, ainda fazem - parte das minhas fantasias.



publicado por José António Abreu às 10:06
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 26 de Janeiro de 2016
A música pop e a idade

O meu consumo de música pop começou a declinar por volta dos vinte anos e qualquer coisa, cerca de meados dos anos oitenta, e aos trinta a minha ignorância na matéria já atingia proporções cósmicas. Uma desgraça para alguém que, em tempos de pré-adolescência, sabia de cor os nomes de todos os membros de muitos grupos rock, inclusive alguns que, por pudor, não ousaria hoje nomear. Ainda tentei algumas vezes, sem muita convicção, e a conselho de amigos, ouvir coisas novas, mas, tirando uma vez ou outra, não percebi ou não me interessou. Continuei a ouvir, é claro, de tempos a tempos, música que ouvia em tempos passados (os Beatles ou os Kinks, ou os RoxyMusic, por exemplo) e certas coisas novas feitas pelas pessoas que eu costumava ouvir: Leonard Cohen, Zappa, LouReed às vezes, algum Dylan – e David Bowie, em primeiro lugar. Não se nasce impunemente em 1960.

Suponho que, com estes ou outros nomes, é uma experiência comum. As pessoas crescem, esquecem, envelhecem, e depois já é tarde demais para voltar a aprender um entusiasmo ou outro.

Paulo Tunhas, no Observador.

 

Será uma experiência comum mas baralha-me há muito. Estou ciente do poder da inércia mas estranho a capitulação. Percebo que se vão adquirindo outros gostos (raras pessoas ouvem A Love Supreme, de John Coltrane, ou a oitava sinfonia de Mahler aos dezoito anos) mas confunde-me que isso suceda através de um processo de substituição. Para mais, quando este é incompleto: não se abandonam os gostos da juventude, apenas se prescinde de ganhar outros.

Nada disto ocorre no cinema: muitos podem preferir os filmes do tempo em que cresceram, ou mesmo os «clássicos», mas nenhum fã de cinema se recusa a assistir e, quando entende adequado, a elogiar os actuais. (Pelo contrário: ficar preso a filmes «antigos» é visto com estranheza.) Não ocorre também na literatura: mesmo quem pensa que todas as grandes histórias já foram escritas não se sente impelido, por desagrado ou inércia, a evitar as obras de autores contemporâneos. Em qualquer arte, conhecer trabalhos do passado (e, em particular, os que marcaram a evolução dessa arte) evita gritos extemporâneos de originalidade mas não obriga ao desinteresse. As obras que descobrimos na juventude são com frequência as mais marcantes mas não têm o poder de se impor como exclusivas. Excepto na música pop/rock.

Precisamente: falamos de música pop/rock, argumentarão alguns. Por já não constituírem desafio suficiente, filmes e livros de certos géneros também se vão abandonando com a idade, mantendo-se apenas uma relação cúmplice com aqueles que nos encantaram na juventude. Talvez. Mas será a boa música pop/rock assim tão simples e evidente? Eu arrisco dizer que pelo contrário. Que há nela uma dificuldade especial, maior do que a existente na literatura e no cinema contemporâneos, que a torna problemática para todos aqueles a quem (desculpem lá) a idade entorpece. A melhor música pop/rock recusa-se não por ser básica e repetitiva mas por - de forma algo similar à música «clássica» contemporânea - ainda conseguir ser estranha. No cinema e na literatura, a estranheza instintiva, quase epidérmica, já é rara. Tristam Shandy tem um quarto de milénio. O monólogo de Molly Bloom (depois dele, será possível estranhar alguma coisa na literatura?) aproxima-se do século. No cinema, Un Chien Andalou surgiu há quase noventa anos e depois do surrealismo de Buñuel tivemos muitos outros, incluindo o de David Lynch. O minimalismo e o grau de exigência de Bergman e Dreyer prepararam-nos para quase todos os filmes «lentos» que vieram depois e a sequência final do 2001: Odisseia no Espaço não nos permite grande surpresa quando assistimos a The Tree of Life, de Terrence Malick. Mas a música pop/rock tem uma história relativamente curta e a estranheza ainda é frequente. De tal modo que, muitas vezes, a renúncia é temporária: há bandas que são postas de lado à primeira audição mas que, anos depois, mais ou menos entradas na consciência colectiva (para não escrever no cânone do pop/rock), já se apreciam. No fundo, o que os Animal Collective (novo álbum dentro de dias) faziam por volta de 2010 não era substancialmente diferente do que David Bowie ou os Velvet Underground levavam a cabo por volta de 1970, os Joy Division por volta de 1980 ou os Nirvana por volta de 1990: moldavam sons e palavras em canções que primeiro se estranham e depois se entranham. Todavia, embora certamente recordados de quão incompreensível lhes era na adolescência a indiferença (quando não a hostilidade) dos seus pais em relação à música que ouviam, poucos «adultos» actuais se dispuseram a prestar-lhes atenção. Talvez dentro de mais uns anos.


tags: ,

publicado por José António Abreu às 15:46
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2016
«Querida, vamos voltar a falar daquela minha fantasia, agora que sei que está de acordo com a tua natureza...»
Estudo conclui: não há mulheres heterossexuais.


publicado por José António Abreu às 18:39
link do post | comentar | favorito

Sábado, 28 de Novembro de 2015
Os blogues e a vida real

Começa-se sem saber bem no que vai dar. Mantêm-se imensas ilusões mas temem-se a indiferença e o desprezo, bem como a incapacidade de estar à altura da tarefa. Responde-se de forma desajeitada às primeiras - e memoráveis - pessoas que estabelecem relação. Quem chega mais tarde obtém uma realidade parcial. Tentar descobrir o que ficou para trás pode reforçar - ou fazer desvanecer - a atracção mas dá trabalho e poucos o fazem. Quase sem dados concretos elaboram-se imagens e verdades, que permanecem apesar de serem desmentidas uma e outra vez. Há quem fique pouco tempo e, desinteressado quando não desiludido, logo desapareça. Há quem se empenhe - aconselhe, critique, procure moldar - e resista durante períodos surpreendentemente longos. Há o cansaço que, de um lado e do outro, se instala e as pausas que urge introduzir. Há os erros, as hesitações, as desilusões, os entusiasmos repentinos, as discussões estimulantes e as discussões cansativas - pelo momento, pelo tom mas, acima de tudo, por já terem ocorrido inúmeras vezes. Há afinidades que se referem com frequência e ódios de estimação que também se referem com frequência mas em tom completamente diferente. Há a passagem do tempo e a ideia de que se tem afinal menos controlo, menos originalidade e menos relevância do que era suposto.

Os blogues não são a vida real mas arranjamos sempre forma de tudo parecer a vida real. Talvez por a consciência - esse factor que nos diferencia dos restantes animais - nos permitir intuir que, em grande medida, a vida real é uma ficção.

 



publicado por José António Abreu às 16:16
link do post | comentar | favorito (1)

Terça-feira, 22 de Setembro de 2015
Amor e água limpa

O que é que nos fazia pensar que, se alguém não nos consegue amar, é porque está magoado, deficiente, com algum tipo de disfunção? E nos casos em que nos substituem por um deus, ou uma virgem em pranto, ou o rosto de Cristo num pano sagrado - aí tratamo-los por doidos. Iludidos. Regressivos. Estamos tão convencidos da nossa própria bondade, e da bondade do nosso amor, que não suportamos acreditar que haja algo que seja mais digno de amor do que nós, mais digno de devoção. Os cartões de felicitações dizem muitas vezes que toda a gente merece amor. Não. Toda a gente merece água limpa. Nem toda a gente merece amor a toda a hora.

Zadie Smith, Dentes Brancos. Edição D. Quixote (2002), tradução de Manuel Cintra.

 

Pois não. Mas dói, aceitá-lo. E recusar fazê-lo talvez constitua parte do que nos faz humanos. Como, de resto, desejar amar.


tags: ,

publicado por José António Abreu às 12:54
link do post | comentar | favorito

Domingo, 26 de Julho de 2015
Olhares
Pode ser apenas a minha leitura (uma distorção que, adiantada a ressalva, julgo coerente com o meu tipo de pessimismo) mas as crianças parecem-me ter um olhar cada vez mais adulto. Ou antes: cada vez mais parecido com o de muitos adultos actuais, começando pelo dos progenitores. Um olhar onde o desejo se cristaliza, se torna permanente em vez de intermitente, e a ameaça da tristeza é submergida pelo pânico do aborrecimento.

 

Adenda: Leiam esta entrevista a Carlos Neto, professor da Faculdade de Motricidade Humana, no Observador; não tem directamente a ver com o olhar das crianças mas, ainda assim, tem tudo a ver.

tags: ,

publicado por José António Abreu às 12:52
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 15 de Julho de 2015
Admissão

Gosto de pensar que sou pessimista. Na realidade, como a maioria dos portugueses, sou apenas um optimista envergonhado.


tags:

publicado por José António Abreu às 13:39
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 8 de Julho de 2015
Contraste

No centro comercial: homem e mulher com aspecto gótico levam pela mão uma miúda (quatro, cinco anos no máximo) vestida como uma princesinha de conto de fadas.

Fico a vê-los afastarem-se. Por instantes, sinto estar a observar uma cena de um filme dos bons velhos tempos de Tim Burton. Há ternura no contraste. Como se a miúda lhes tivesse caído no colo de surpresa, vinda de um universo paralelo ao deles, e procurassem ainda a forma adequada de reagir. Ou, melhor, como se tanto ela como eles viessem de universos paralelos a este e se tivessem juntado para tentar navegá-lo.

Depois de abandonarem o meu campo de visão ponho-me a pensar mais a sério. Será possível que uma miúda daquela idade já tenha capacidade para recusar o exemplo dos progenitores e impor um aspecto tão distinto do deles? Neste caso, quão desconcertante (todos os pais se imaginam modelos para os filhos) será para eles? Ou será desejo dos pais mantê-la num mundo de encanto e inocência, em que claramente não acreditam, até tão tarde quanto possível? E constituirá o exagero uma tentativa de compensar essa falta de crença?

Ou então - a minha faceta racional e mais do que um nadinha cínica estraga-me sempre as divagações - são apenas tios e sobrinha.



publicado por José António Abreu às 14:21
link do post | comentar | favorito

Sábado, 20 de Junho de 2015
Geografias do desejo

Os noruegueses eram idolatrados. Mais do que ele realmente queria ser, porque eram idolatrados não pelo seu valor enquanto indivíduos mas pela sua desejada nacionalidade.

Dag Solstad, Novel 11, Book 18. Tradução minha partir da versão inglesa de Sverre Lyngstad.

 

O narrador do livro refere-se à sensação que encontrou na Lituânia mas julgo que ela pode ser estendida a vários outros países. Sendo que, em pelo menos um deles, quando se debate o assunto é obrigatório esconjurar a ameaça de depressão com um comentário imediato sobre as vantagens do Sol e das temperaturas amenas.

 

 

(A lista mais recente de países felizes demonstra - novamente - que o Sol não apenas não dá felicidade como até pode ter o efeito contrário. Algo que, acrescente-se, não me surpreende.)

tags: ,

publicado por José António Abreu às 14:22
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 8 de Junho de 2015
Beleza interior

Só pode. Montes dela. Um autêntico Hugh Jackman por dentro. Ou, pelo menos, fica a esperança. Porque, exteriormente, trinta graus de temperatura deixam-me com o aspecto (e, suspeito, com o odor) de uma camisola do Benfica logo após um jogo decidido no último minuto do prolongamento. Ainda por cima, o que diabo se passa com o meu cabelo? (Está comprido e tem vontade própria, é isso que se passa.) E por que raio comprei esta roupa?

 

 

(Tanta coisa inconstitucional e temperaturas destas são permitidas...)

 

(Vem um tipo viver para o Porto porque Lisboa é que é quente...)

 

(Quando é que chega o Inverno, carago?)


tags: ,

publicado por José António Abreu às 14:19
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Sexta-feira, 27 de Março de 2015
Da indignação
O aspecto mais curioso na sociedade que busca incessantemente motivos para se indignar (aquela onde vivemos) é ser cada vez mais difícil prever quais os temas que gerarão maior desagrado. Como seria de esperar, a política, especialmente em anos de crise, funciona bem. A religião, evidentemente, também é quase sempre óptima a catalisar ódios reprimidos (um paradoxo?). O futebol, claro, permanece excelente a fazer com que opiniões contrárias ou pequenas provocações pareçam ataques pessoais indesculpáveis. Mas existe uma miríade de outros temas que, na sequência de uma piada seca ou de um adjectivo dúbio, têm um inesperado potencial para desencadear fúrias quase homicidas (o advérbio pode não passar de optimismo deslocado). Que num dado momento todos se afirmem Charlie não passa, evidentemente, de reacção condicionada pelo horror, pela força da opinião dominante e por défice de auto-análise. Dias, horas depois, regressa a indignação por tudo aquilo que não parece bem ter sido dito, ou feito, ou até pensado. Na política, isto tem consequências preocupantes: como já foi escrito, Churchill (inconveniente, irónico, fumador, gordo)  nunca seria eleito nos dias que correm. Em contrapartida, Hitler ou Estaline (convictos, sem pinga de humor inconveniente - quase um pleonasmo -, tão indignados quanto a generalidade da população) poderiam muito bem ganhar eleições. Paulo Tunhas escrevia no Observador há um par de semanas: A seguir ao futebol, o desporto da indignação é certamente o desporto mais noticiado em Portugal. É também o mais praticado, mesmo fora das redes sociais e dos meios de comunicação (em ambiente familiar ou laboral, por exemplo). E podia ao menos servir de catarse (J. G. Ballard defendia que não se procurasse eliminar a violência associada ao desporto porque fazê-lo levaria a explosões menos previsíveis) mas creio que nem isso sucede. Revela-se apenas esgotante, para todas as partes envolvidas, e faz com que muitos prefiram não se expor. Subsistem, por um lado, os clichés e, por outro, o ruído e os especialistas no mesmo.


publicado por José António Abreu às 20:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 26 de Março de 2015
A sina da modéstia

Agora já bem entrado nos setenta, o mestre da Morávia sentia-se mais divertido do que intimidado pela cultura dos festivais; gostava de contar a história de como, ao tentar encontrar o caminho do palco para agradecer os aplausos no festival ISCM de 1925, abrira a porta errada e achara-se na rua.

Alex Ross, em The Rest is Noise, sobre o compositor checo Leoš Janáček (há uns anos escrevi um texto acerca dele). Edição Farrar, Strauss and Giroux, tradução minha.


publicado por José António Abreu às 20:33
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 25 de Março de 2015
Intolerâncias

Alastram, são cada vez mais assumidas, tornam-se moda. Quem, há vinte ou trinta anos, ouvira falar da intolerância à lactose ou ao glúten?



publicado por José António Abreu às 16:51
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 9 de Março de 2015
C'est la vie (ou trajectos que se partilham durante poucos metros)
A mulher sai de uma loja quando estou quase a passar junto à porta. Acabamos praticamente lado a lado. Vinte graus, céu limpo e - presumo - vontade de libertar atributos que a chuva, o frio e o vento oprimem (em mais do que um sentido, o Inverno é a estação dos encantos ocultos) levaram-na a envergar um vestido curto e um casaco leve, complementados por uns sapatos cujos saltos me provocam vertigens (as pernas que levam a eles também podem desempenhar um papel na sensação). Deve ser seis ou sete anos mais nova do que eu mas suspeito que qualquer pessoa lhe daria menos uns quinze, constituindo a diferença tanto um elogio à boa forma em que ela se encontra como uma crítica aos efeitos da minha inércia. Ainda assim, pergunto-me se o vestido curto não será da filha de quinze anos. Seguimos a par durante vários metros no passeio estreito. A certa altura, começa a ser-me difícil ignorar a situação. Pergunto-me se devo acelerar e deixá-la para trás, se abrandar e deixá-la adiantar-se (a minha faceta competitiva faz-me pender para a primeira hipótese, o aspecto dela para a segunda). Outra opção, claro, seria meter conversa. Abrando ligeiramente mas ainda não tomei uma decisão definitiva quando chegamos à esquina. Ela vai dois palmos à minha frente, do lado da parede, mas não está com meias medidas: vira à esquerda para atravessar a rua na passadeira (o semáforo está verde) e faz-me travar a fundo. Depois de a evitar, recrimino-me. Tamanha desconsideração (será possível que não tenha reparado em mim?) justificava que não tivesse parado. Mas depois digo-me quão chato seria fazê-la cair do alto daqueles sapatos e esfolar os joelhos, ademais quando ontem até foi Dia da Mulher. Arriscava-me a ser abertura de noticiários. De resto, estou consciente de que nunca faria tal coisa. Por um lado, seria como vandalizar uma obra de arte (não sei se é necessário acrescentar que também não o faria se ela fosse menos atraente porque, nesse caso - é mesmo preciso explicá-lo? -, doeria menos que ela me tivesse ignorado); por outro, até estou habituado a que as mulheres mudem de direcção sem sinalizarem a intenção - mas quando se encontram ao volante. Fico parado um instante, observando-a a atravessar a rua, e depois viro à direita e sigo pelo passeio, ponderando esta coisa dos encontros fortuitos que por vezes não passam de fantasias na cabeça de uma única pessoa e recordando uma cena do início de Vivement Dimanche, o último filme de François Truffaut. Nela, a personagem interpretada por Fanny Ardant segue pelo passeio (vestindo uma saia de cabedal não particularmente curta, uma blusa escura e um casaco branco às bolinhas pretas de estilo muito parisiense) quando um homem se coloca ao seu lado. Ele nada diz mas mantém-se junto dela, claramente a apreciá-la.  No momento em que ela se desvia para atravessar a rua, ele pára, surpreendido, e pergunta: «Então, vai por aí?». Ela roda e sorri. «Sim, vou por aqui.» «É pena», diz ele. O sorriso dela alarga-se (e como é largo o sorriso de Ardant). Responde: «Oui, c'est la vie!» Não obstante levar ao mesmo resultado (a personagem interpretada por Ardant não volta a encontrar o homem durante o resto do filme), lembrar-me da cena apenas torna a minha falta de capacidade de interacção mais evidente. Mas depois penso que, não obstante poderem conter o todo o simbolismo do mundo, cenas nas quais as pessoas se comportam com esta leveza irresistível não passam de tentativas dos argumentistas reescreverem - e assim esconjurarem - os seus próprios desencontros e oportunidades perdidas. C'est la vie.

tags: ,

publicado por José António Abreu às 19:05
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2015
Realidade e perfeição

Blogue_Photocopy.jpg

 

Como ainda não está em francês pós-acordo ortográfico, permito-me comprar a Photo de Janeiro com as fotos enviadas pelos leitores. E confirmo novamente. O digital fez com que criar imagens perfeitas se tornasse irresistível. Apagam-se linhas eléctricas cruzando o céu e pacotes de batatas fritas caídos no chão, torna-se o céu mais azul, eliminam-se (ou amplificam-se) rugas e sinais. Porém, a realidade não é perfeita. Nela, as linhas, os pacotes de batatas fritas e as rugas existem, o céu nem sempre está azul. Não interessa. A realidade é uma maçada. Na fotografia, como em tudo o resto (até na política), já só apreciamos a perfeição. Por isso, corta-se, apaga-se, alisa-se. E a realidade torna-se-nos cada vez mais insatisfatória.



publicado por José António Abreu às 10:22
link do post | comentar | favorito

Sábado, 14 de Fevereiro de 2015
Ressaca do vitorianismo

 

Lytton Strachey, o amigo de Woolf com quem ela esteve comprometida a certo ponto, teve numerosas relações homossexuais, muito embora também ele tenha assentado num arranjo de longa duração, no seu caso com Dora Carrington, uma jovem mulher que o adorava, e o marido dela, Ralph Partridge, que ele adorava.

Sandra M. Gilbert, introdução a Orlando, de Virginia Woolf, edição Penguin Classics. Tradução minha.

 

Resta a questão: quem adorava a Dora? Desde que Ralph a adorasse, era o triângulo perfeito.



publicado por José António Abreu às 23:22
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 12 de Fevereiro de 2015
O mundo está mesmo perdido ou coisas que me fazem sentir uma relíquia arcaica

Entro numa casa de banho usada quase exclusivamente por um rapaz de vinte e três anos de idade. Enquanto lavo as mãos (com sabonete em barra) conto os frascos, as bisnagas e os boiões que se alinham junto ao lavatório e à banheira: vinte e três. Mesmo admitindo que algumas embalagens contêm o mesmo tipo de produtos, não consigo perceber como se pode usar tanta coisa. Entre o fascínio e a repulsa, suspiro e saio.

(A sério: sabonete líquido, champô, amaciador, creme da barba, after shave, desodorizante, água de colónia, gel para o corpo, gel para o cabelo, creme para as mãos... Raios, ainda nem cheguei a metade!)


tags:

publicado por José António Abreu às 20:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sexta-feira, 6 de Fevereiro de 2015
Instituições
Ele pedia a Deus que os ateus estivessem certos. Porque a existir uma vida para além da morte seria institucional porque alguém teria de a gerir e ele não conseguia passar por aquilo outra vez. E a única coisa pior seria a reencarnação e o regresso ao oceano de instituições humanas.

Norman Rush, Mortals. Edição Jonathan Cape. Tradução minha.


publicado por José António Abreu às 07:51
link do post | comentar | favorito

Sábado, 17 de Janeiro de 2015
Desperdício

Diz-se que muitos homens ouvem «sim» quando as mulheres dizem «não». Sem dar azo a violência física (excepto, talvez, autoflagelações), o problema oposto é menos grave mas causa certamente inúmeras mágoas. Às vezes desconfio que sofro dele. Que passei a vida a ler «nãos» onde afinal estavam «sins».

(E depois fico sem saber o que é mais patético: ter desperdiçado as oportunidades ou estar agora a inventá-las.)


tags: ,

publicado por José António Abreu às 23:27
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2014
Formas de vida

A fúria é uma estranha forma de vida, mas não mais estranha do que o fado, talvez um fado virado do avesso.

Alexandra Lucas Coelho, O Meu Amante de Domingo. Edições Tinta-da-China.

tags: ,

publicado por José António Abreu às 13:05
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 11 de Dezembro de 2014
Das relações não desejadas

Desconheço que características minhas despoletaram a atracção. No que me diz respeito, nem me apercebi do início do processo. Actos conscientes e deliberados, penso que não tive. Ainda assim, algo terá sido. Química. Uma afinidade cósmica. Sorte ou, mais precisamente, azar. É curioso como relações tão intensas e íntimas podem nascer sem que uma das partes tenha consciência da sua existência até ser tarde demais. Até já não poder escapar às consequências, a uma luta feroz, sem quartel – suja. O corpo humano é uma coisa estranha, simultaneamente fascinante e assustadora. De uma tremenda força, física e mental; de uma absoluta fraqueza. Capaz de resistir aos maiores ataques, cedendo perante o invisível. E é verdade que, a determinada altura, cedi. Fui fraco. A partir desse momento o recuo era impossível - havíamos ido longe demais. (Quando a carne é fraca, corpo e espírito têm sofrimento assegurado.) Também já não era possível uma solução que nos deixasse incólumes. Há consequências, haverá mais. Terei de passar das palavras aos actos. Terei que ser duro, demonstrar que não me encontro disponível para continuar. Julgo poder escapar sem grandes marcas (preciso de optimismo). A longo prazo, serei até a parte menos afectada. Isso não me perturba. Nunca quis esta relação. É doentia.

Desculpem-me só um momento.

Atchim!

Está a dar cabo de mim.


tags: ,

publicado por José António Abreu às 12:03
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Sábado, 29 de Novembro de 2014
Pós-química

Nos tempos actuais - e ainda que a ciência o tenha validado -, a química é um conceito pouco exacto para descrever o mecanismo de atracção entre duas pessoas. As reacções químicas tendem a alterar significativamente os elementos que as sofrem. Mais correcto e moderno será ver as relações como redes Wi-Fi, nas quais se saltita entre hotspots consoante a força do sinal.



publicado por José António Abreu às 11:52
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 11 de Novembro de 2014
Pit bull

Blogue_BullTerrier_p.jpg

 

Oito e meia da manhã. Na Praça da Galiza, no Porto, uma senhora de setenta e muitos ou, mais provavelmente, oitenta e poucos anos de idade passeia um bull terrier pela trela. O cão (ou cadela, que não pude descer a esses pormenores e hoje em dia, quando em dúvida, um tipo tem de ser politicamente correcto e mencionar ambos os sexos... perdão, géneros) não usa açaime e parece tão feliz da vida quanto os cães desta raça costumam parecer, pelo menos a quem não lida com eles de perto (digamos Vasco Pulido Valente num dia bom). A senhora, pelo contrário, parece aborrecida ou talvez apenas com sono (pensando bem, o «pelo contrário» não se aplica porque não existe grande diferença - o que até tem lógica quando é sabido que os donos de animais tendem a começar a parecer-se com eles, circunstância especialmente chata para possuidores de serpentes, tartarugas ou peixinhos de aquário). Talvez por gostar de cães, por, como já referi noutro texto qualquer, o único que alguma vez me mordeu ter tamanho e aspecto geral de pulga alimentada a esteróides anabolizantes, e por encarar com cepticismo todas as histerias geradas pela televisão, o cão não me inspira receio. Ainda assim, pergunto-me o que aconteceria se, repentinamente, ele se passasse. Não a mim - neste tipo de coisas, um tipo começa por imaginar-se espectador. É mais o que aconteceria à senhora, idosa e pequenina. Imagino-a a ser arrastada pelo pavimento ou a largar a trela e ficar imóvel, em pânico. Depois digo-me que há outras possibilidades. Que ela escolheu aquela raça e traz o cão sem açaime porque gosta do risco; porque, pequenina e idosa que seja, frágil e cansada que pareça, teve uma vida preenchida por aventuras e actos de desafio, por um desfile de prazeres que eu nem consigo imaginar e que, agora, passear um pit bull pela trela é dos poucos que lhe restam: uma última provocação a quem com ela se cruza e uma forma de manter algum suspense na vida. Depois penso que ainda há outra hipótese, uma versão-limite da anterior: que ela traz o cão não apenas pela emoção de passear pela trela um animal que os noticiários televisivos garantem poder passar-se a qualquer instante e que ela nunca conseguiria segurar se tal acontecesse mas porque deseja realmente que ele ataque alguém. Ou seja, por desejar o acto e não a emoção de o antecipar. Por querer surgir na televisão, declarar que o animal lá teria as suas razões, que a maioria das pessoas merece ser estraçalhada, que o cão nunca se enganava nos seus instintos. Sempre com ar sereno e - passe o paradoxo, nada incomum em pessoas baixas - ligeiramente altivo. Isto faz-me olhar para ela com outros olhos, com - deve haver algo de doentio em mim - um respeito renovado. Depois percebo que, em qualquer das hipóteses, de momento sou a pessoa mais próxima e que, tanto quanto o meu ponto de vista limitado e parcial me permite avaliar, não mereço ser estraçalhado. Começo por isso a caminhar mais depressa e durante cinquenta metros resisto à tentação de olhar para trás. Mantenho-me contudo atento à possibilidade de ouvir passos de cão em corrida.

 

(Moral da história que, adaptada às suas próprias circunstâncias, várias pessoas tão dignas quanto eu de não serem estraçalhadas certamente subscreverão: nem cães nem notícias televisivas em registo histérico conseguem assustar-me tanto como outros humanos, ainda que pertençam à subcategoria das velhinhas pequeninas, ou como, acima de todas as hipóteses anteriores, consegue assustar-me o raio deste cérebro com tendência para elucubrações despropositadas.)


tags: ,

publicado por José António Abreu às 16:47
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sábado, 18 de Outubro de 2014
O que resta

Tem vinte e poucos anos. Ainda que apenas se dirija à janela para ver se chove, tende a caminhar em passo rápido, ligeiramente inclinada para a frente, como que guiada por uma ideia súbita que receia ter tido demasiado tarde. Pergunto-lhe: «Alguma vez viste um filme de Jacques Tati? Monsieur Hulot?» Reage com uma expressão de espanto. Desconhece os nomes. «Era muito mais velho, muito menos bonito e muito mais desastrado do que tu mas lembrei-me dele, ao ver-te caminhar.» A expressão de confusão no rosto dela intensifica-se. Está desconfiada. Sorrio. Digo: «Hei-de trazer-te o ‘Mon Oncle’.»

Quando já não se tem idade para acalentar esperanças de desempenhar outros papéis, resta o de Pigmalião. Ou parte dele. A parte, ligeiramente inglória, ligeiramente ridícula, que exclui a recompensa final.


tags:

publicado por José António Abreu às 10:32
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 12 de Agosto de 2014
Catalisador de desencanto

A rapariga, provavelmente ainda adolescente, caminha pelo passeio na minha direcção. É bonita mas pesa no mínimo vinte quilos mais do que as normas estéticas em vigor recomendariam. Veste uma blusa roxa com duas palavras escritas na zona do peito, em letras formadas por pontos brilhantes: Love Sucks. Sei que a adolescência é um período complicado para toda a gente mas, enquanto passamos um pelo outro, não consigo evitar perguntar-me se, pesando menos os tais vinte quilos, ela a teria comprado. Tão cedo.

 

(Por outro lado, a juventude é o tempo das proclamações rápidas e definitivas. Apenas mais tarde se percebe que, sim, love sucks, de muitas e diferentes maneiras - mas nem sempre. Love sucks tantas vezes quantas parece maravilhoso. Ou, com sorte e talvez saber, menos uma.)



publicado por José António Abreu às 17:05
link do post | comentar | favorito

Sábado, 2 de Agosto de 2014
Barreiras

Costumávamos acreditar que o ecrã existia apenas para nos ajudar a ver as imagens, a história, e a ilusão de vida. Mas agora estamos mais desconfiados e supomos que todos estes ecrãs são coisas reais, ferramentas fabulosas, é claro, mas barreiras subtis entre nós e a vida.

David Thomson, The Big Screen - The Story of the Movies. Edição Farrar, Straus and Giroux. Tradução minha.

tags: ,

publicado por José António Abreu às 18:27
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 25 de Julho de 2014
A beleza da pele

Há uns tempos, um cartoon na New Yorker mostrava um indivíduo sendo exibido ao estilo daquelas feiras antigas que tinham como atracções principais animais exóticos, mulheres barbudas e homens deformados. Um cartaz junto dele anunciava: «Veja o extraordinário homem sem tatuagens!»

As modas têm destas coisas. Transformam-se facilmente num exagero, depois numa praga, mais tarde num embaraço. No que me diz respeito, como em quase tudo, a minha rejeição surge com o excesso. Não tanto com o excesso de pessoas tatuadas (embora também um pouco; rebanhos confundem-me) mas com o excesso de área tatuada. É simples de explicar: gosto de pele. Branca, preta, castanha, cor-de-rosa; lisa, enrugada, arrepiada, gretada; uniforme, pontilhada por sardas ou sinais, mapeada com veias e artérias. Detesto tatuagens quando escondem a pele. Até gosto de tatuagens quando realçam a pele.

 

 

P.S.: O grau de anonimato será o mesmo mas decidi abandonar o 'jaa' e passar a assinar os textos com o meu nome - que sempre esteve no perfil. Evidentemente, vê-lo no ecrã pode ser tão embaraçoso que eu acabe por mudar de ideias ('jaa' dá-me uma certa distância em relação a algumas baboseiras que escrevo). Mas logo se verá.


tags:

publicado por José António Abreu às 10:54
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

Quinta-feira, 13 de Março de 2014
O ennui do verdadeiro malvado

Na crítica a The Fury, o filme de 1978 realizado por Brian De Palma, Roger Ebert escreveu: Cassavetes faz sempre um adequado vilão detestável (representa os maus como se eles estivessem permanentemente distraídos por pensamentos de coisas ainda piores que poderiam estar a fazer).

 

Fiquei a pensar que se trata de uma atitude bastante similar à de inúmeros políticos e gestores, ao anunciarem medidas desagradáveis. Não existindo pesar genuíno, que exista convicção. Enfado é das coisas mais detestáveis com que se pode deparar. Se bem que, ainda assim, talvez não seja tão detestável como o seu reverso, a piedade insincera.



publicado por José António Abreu às 22:40
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 18 de Fevereiro de 2014
Eu, Gene Kelly, ou como se fica mais são com o avanço da idade.

Por estes dias quase toda a gente anda com auriculares enfiados nos ouvidos. Até eu, de vez em quando. É bom ter música na cabeça. Mas, como naquelas brincadeiras antigas em que se imaginava ser cowboy ou índio, um pedaço de terreno baldio era uma pradaria e se disparava contra colegas de rua ou de escola com espingardas de plástico (entretanto banidas porque estamos todos muito mais pacíficos) ou pedaços de madeira fazendo as vezes de espingardas de plástico, em vez de escolher ser cowboy ou índio no menu da consola de jogos, ver a pradaria no ecrã e disparar contra inimigos sentados noutros sofás olhando para outros televisores (se bem que, em vez de cowboy ou índio, é mais soldado ou alien, que cowboys e especialmente índios são aparições raras nos jogos de vídeo, por estarem pouco de acordo com os mesmos critérios que levaram à abolição da espingarda de plástico), muitas vezes é mais interessante cantarolar o que não se ouve. Ou – tentemos ser exactos – o que se ouve mas não de fora para dentro. Enquanto estudante universitário em Coimbra, descendo sob chuva da alta da cidade para a estação de autocarros, saco de roupa ao ombro, guarda-chuva tão frequentemente fechado como aberto, por défice de chuva digna do termo, excesso de vento ou consciente insensatez, cantarolei muitas vezes Singin’ in the Rain, esboçando mesmo uns passos de dança em raras ocasiões. (Claro que isto foi antes de Kubrick estragar tudo: apanhei uma reposição de A Laranja Mecânica no Gil Vicente ou no São Teotónio, já não sei ao certo, e em vez da imagem de Gene Kelly, feliz da vida, chapinhando nas poças da rua passou a surgir na minha cabeça a de Malcolm McDowell, feliz da vida, pontapeando o cônjuge da senhora que violaria logo a seguir.) Felizmente tal sucedia nas noites de sexta-feira, com as ruas quase desertas, porque, como é fácil de perceber, cantar o que quer que seja sem auriculares nos ouvidos poderia à época e pode ainda hoje ser classificado como loucura. Caso em que o avanço da idade me tornou inegavelmente mais são porque hoje já quase não canto ao calcorrear passeios. Muito menos sem auriculares nos ouvidos. Ou(,) só de longe a longe, As Time Goes By.



publicado por José António Abreu às 22:43
link do post | comentar | favorito

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13
15
16
18

20
22
24
25

26
27
28
29
30
31


à tona

O ponto em que as boas in...

Meia-idade

A música pop e a idade

«Querida, vamos voltar a ...

Os blogues e a vida real

Amor e água limpa

Olhares

Admissão

Contraste

Geografias do desejo

Beleza interior

Da indignação

A sina da modéstia

Intolerâncias

C'est la vie (ou trajecto...

Realidade e perfeição

Ressaca do vitorianismo

O mundo está mesmo perdid...

Instituições

Desperdício

Formas de vida

Das relações não desejada...

Pós-química

Pit bull

O que resta

Catalisador de desencanto

Barreiras

A beleza da pele

O ennui do verdadeiro mal...

Eu, Gene Kelly, ou como s...

11 comentários
10 comentários
9 comentários
9 comentários
reservas de oxigénio
Clique na imagem, leia, assine e divulgue
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
tags

actualidade

antónio costa

blogues

cães e gatos

cinema

crise

das formas e cores

desporto

divagações

douro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

futebol

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

música recente

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
Fazer olhinhos
subscrever feeds