como sobreviver submerso.

Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2017
Girls, Fleabag, Roth, Steiner e sexo
 

Há uns anos, ao ver os primeiros episódios da série Girls (tão recente e já tão imitada que até fica difícil recordar quão inovadora foi), lembrei-me de O Animal Moribundo, de Philip Roth. A certa altura, o professor David Kepesh afirma:

Enquanto cresci, o homem não era emancipado no reino sexual. Era um homem de segunda apanha. Era um ladrão no reino sexual. Surripiávamos uma apalpadela. Roubávamos sexo. Adulávamos, suplicávamos, lisonjeávamos, insistíamos - todo o sexo exigia luta, tinha que ser disputado aos valores, senão à vontade da rapariga.

Mais tarde, referindo-se à actualidade (de 2001), acrescenta:

Aparecem antigas namoradas de há vinte e trinta anos. Algumas já se divorciaram numerosas vezes e outras têm andado tão ocupadas a afirmarem-se profissionalmente que nem tiveram a oportunidade de casar. As que ainda estão sós telefonam-me para se queixarem daqueles com quem se encontram. Os encontros são detestáveis, os relacionamentos são impossíveis, o sexo é um risco. Os homens são narcisistas, não têm sentido de humor, são doidos, obsessivos, autoritários, grosseiros, ou então são muito bem-parecidos, viris e cruelmente infiéis, efeminados, ou são impotentes, ou são simplesmente demasiado estúpidos. (*)

 

A abordagem da revolução sexual ocorrida na década de 1960 é quase sempre feita partindo da perspectiva feminina. Antes de qualquer outra análise, salienta-se o modo como a pílula e a evolução dos costumes libertaram as mulheres para o sexo sem (demasiados) receios. Mas a liberdade feminina também representou o fim da submissão masculina a qualquer tipo de compromisso. O facto de, ao longo das últimas décadas, as mulheres terem exigido e obtido não apenas o mesmo estatuto no que respeita ao sexo, mas poder total sobre os seus corpos - incluindo o de terminar gravidezes indesejadas - foi extraordinariamente libertador para os homens. O esforço de cortejar, apoiar, assumir responsabilidades tornou-se-lhes opcional, em especial quando favorecidos pelo sorteio genético (i.e., quando atraentes). Nem sequer as regras do politicamente correcto - em muitos sentidos, a prisão dos tempos actuais - os forçam ao que quer que seja: adquirida a igualdade, as mulheres perderam o direito a queixarem-se de terem sido iludidas. Durante séculos, no mundo «civilizado», os homens viram-se obrigados a conjugar instintos e convenções sociais. Agora, estão livres para dar largas ao egoísmo. Às acusações de insensibilidade, podem responder que se limitam a «dar espaço» às mulheres; que estão a «respeitar» a «autonomia» delas.

 

Nos primeiros tempos de Girls, esta realidade saltava à vista. Hannah desesperava com a passividade de Adam. Para ele, a relação apenas parecia existir enquanto decorria o acto sexual. Em todos os outros momentos, Hannah sentia-se esquecida: ele não telefonava, não respondia às mensagens, demonstrava indiferença quando a encontrava. Fleabag, uma série de 2016 produzida pela BBC e pela Amazon, escrita e interpretada por Phoebe Waller-Bridge, atinge um novo extremo. Apresenta uma mulher que parece vogar entre relações sexuais sem significado (mas não sem consequências), nas quais se submete (sem ser explicitamente forçada) a actos que tem dificuldade em racionalizar. Tudo estaria bem se não as usasse como forma de evitar enfrentar o vazio e a infelicidade que a dominam. Fleabag vai tão longe que se permite incluir um indivíduo nada atraente e bastante irritante no séquito de homens que não têm qualquer dificuldade em ir para a cama com ela.

 

 

Sejamos francos: nas últimas décadas, o sexo tornou-se um produto de consumo como qualquer outro; mais uma forma semidescartável de sentir algo, totalmente desligada de sentimentos profundos. Em 1975, Woody Allen afirmava: «O amor é a resposta, mas enquanto se espera pela resposta, o sexo coloca perguntas interessantes.» A resposta continuará a mesma, mas as perguntas parecem ter vindo a perder interesse. Se a consequência óbvia de tanto desejo de independência (por parte das mulheres como por parte dos homens) é a solidão, a consequência óbvia de tanto sexo (real, imaginado, visualizado em ecrãs e na rua) só pode ser a banalização do acto e dos termos que se lhe referem. Em Os Livros que Não Escrevi, George Steiner dedica um capítulo à linguagem do erotismo. Considera-a - como ao próprio acto - cada vez menos subtil, mais baseada nos códigos instituídos pelo cinema, pela televisão, pela publicidade. Escreve ainda: Será fascinante descobrir os novos factores de complexidade e os contributos enriquecedores que poderão vir das correntes feministas. Produziram já uma poesia poderosa e uma prosa acusadora. Poderá a sua política da sensibilidade ser causa de novas orientações e de uma criatividade nova nos dialectos do amor? Até ao momento, os indícios nesse sentido são marginais. O que parece prevalecer entre as mulheres emancipadas é a adaptação, quase desdenhosa, do que eram a obscenidade e a licenciosidade clandestina do discurso masculino.(**)

Talvez não apenas do discurso. Talvez de todo o comportamento. Sexualmente, as mulheres parecem-se cada vez mais com os homens. Mas isso - a acreditar em exemplos como Girls e Fleabag, eles próprios, será conveniente ressalvá-lo, provenientes da cultura cinematográfica e televisiva - não parece torná-las felizes. À liberdade, que neste campo tende a equivaler a quantidade, contrapõe-se a estandardização (nada é novo, pouco permanece tabu), e o novo poder masculino: um egoísmo assumido, que a igualdade torna inatacável.

Sobra a desilusão. Ou a busca de uma «novidade» cada vez mais extrema. Para mulheres, como para inúmeros homens, quando nada no sexo nem na linguagem do e sobre o sexo for misterioso, talvez actos como o que encerra o filme O Império dos Sentidos ou o que encerrou a vida do actor David Carradine (as referências do entretenimento são afinal úteis e variadas) constituam a única solução lógica.


____________________

 

(*) Edição Dom Quixote, 2006, p. 61 e 91, tradução de Fernanda Pinto Rodrigues.

(**) Edição Gradiva, 2008, p. 132, tradução de Miguel Serras Pereira.



publicado por José António Abreu às 11:01
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 24 de Julho de 2015
Política-(mau)espectáculo

Blogue_EntrevistaTVI.jpeg

 

De pé em frente a um palanque vazio. Perguntas de eleitores que divagam e se repetem antes de chegarem ao ponto de interrogação. Vídeos e musiquinhas com letras tão profundas quanto aforismos de telenovela. Deslocação do entrevistado para vários pontos do cenário, sem justificação aparente, de que resultam problemas com a iluminação. Bloqueio da imagem do entrevistado por colocação do entrevistador diante da câmara. Acompanhamento do entrevistado «à saída», com mais uma pergunta e uma resposta a meio do caminho, em posição totalmente forçada. Questões extra no cenário habitual dos noticiários, antecedidas da transmissão da entrada do entrevistado no estúdio e da colocação do microfone na sua roupa. Cumprimentos pouco naturais para aqui, despedidas artificiais para ali.

Só me conseguia lembrar do gestor do canal televisivo na série Borgen que insistia em transformar as entrevistas e os debates políticos em espectáculos. Com uma diferença: na ficção dinamarquesa, alguém tinha o bom senso de recusar o ridículo; na realidade portuguesa, ele é abraçado entusiasticamente.

 

(Imagem recolhida no site da TVI24.)


publicado por José António Abreu às 10:51
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 18 de Março de 2015
Excertos do Graham Norton Show (7)

Star Wars contra Star Trek.



publicado por José António Abreu às 15:47
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 17 de Março de 2015
Excertos do Graham Norton Show (6)

Seth MacFarlane explica a origem das vozes de algumas personagens da série Family Guy e adapta a mensagem do filme Taken, na qual a personagem interpretada por Liam Neeson ameaça os raptores da filha, à voz do sapo Cocas, dos Marretas.



publicado por José António Abreu às 15:26
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 16 de Março de 2015
Excertos do Graham Norton Show (5)

Anne Hathaway ensina como fingir o efeito de gravidade zero. Decididamente, os filmes têm efeitos especiais cada vez mais complexos.



publicado por José António Abreu às 14:50
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 13 de Março de 2015
Excertos do Graham Norton Show (4)

Keira Knigthley e Samuel L. Jackson falam de expressões e cenas de sexo. Gosto do momento em que ele refere ser conveniente pedir antecipadamente desculpa às actrizes para a eventualidade de se ficar excitado e também para a eventualidade de não se ficar excitado.



publicado por José António Abreu às 14:12
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 12 de Março de 2015
Excertos do Graham Norton Show (3)

Emma Thompson desafia Lenny Kravitz a provar que o corpo que surge na capa do álbum é mesmo o dele. Hugh Grant mantém a fleuma.



publicado por José António Abreu às 14:47
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 11 de Março de 2015
Excertos do Graham Norton Show (2)

Meryl Streep («I was looking for an excuse all night») reage a elogio de Mark Ruffalo.


publicado por José António Abreu às 12:53
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 10 de Março de 2015
Excertos do Graham Norton Show (1)

Sir David Attenborough, 88 anos de idade bem conservados, flirtando com Jessica Chastain (como o entendo).


publicado por José António Abreu às 13:18
link do post | comentar | favorito

Domingo, 22 de Fevereiro de 2015
Chamam-lhe informação...
Há pouco mais de uma hora, no Jornal da Tarde, a TVI noticiou que Fernando Alonso sofreu um acidente esta manhã, nos treinos para o Grande Prémio de Espanha. Isto quando o campeonato de Fórmula 1 ainda nem começou (trata-se de uma sessão de testes de pré-temporada). Talvez seja preferível os canais de televisão generalistas limitarem-se a falar de futebol, tema para o qual parecem dispor de várias centenas de especialistas.


publicado por José António Abreu às 14:27
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 20 de Janeiro de 2015
Perigo

Sabes, Raylan, eu aprendi a pensar sem discutir comigo mesmo.

Boyd Crowder, vilão da série televisiva Justified.



publicado por José António Abreu às 22:44
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 4 de Outubro de 2013
Chefias

Sem ilusões de que o atraso seja de algum modo fashionable, ando a ver The Wire (vou na quinta e última série de episódios e, sim, trata-se provavavelmente da melhor série televisiva de todos os tempos*). No início da terceira temporada, a polícia não consegue obter resultados das escutas porque, para além de trocarem de telemóvel com regularidade, os traficantes de droga, em especial nos níveis médios e elevados da organização, são extremamente cuidadosos acerca do que dizem ao telefone. Numa tentativa de contornar o problema, a polícia arranja forma de prender uma chefia intermédia, na esperança de ver promovido ao seu posto um familiar de um tipo importante, com tendência para falar demais. Quando o plano é apresentado, um dos polícias pergunta: «Mas porque hão-de eles promover um incompetente?» A resposta é: «Porque não? Nós fazemo-lo todos os dias.»

O plano acaba por não dar certo porque os traficantes são afinal mais espertos do que a hierarquia da policia (ou das muitas outras organizações onde a cunha vence o mérito) e não promovem o idiota. Mas, para mim, este nem é o ponto mais curioso. O ponto mais curioso é eu contar isto à frente de chefias e elas esboçarem trejeitos de compreensão e rirem-se com um prazer que parece genuíno.

 

* O início do primeiro episódio, para quem nunca tiver visto (ou, tendo visto, quiser relembrar):



publicado por José António Abreu às 14:44
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 16 de Abril de 2013
Estatísticas e televisão
No Delito de Opinião, Patrícia Reis aconselhou a série televisiva House of Cards. Ainda não vi qualquer episódio mas acredito que seja uma boa série: afinal, inspira-se noutra, excelente, que a BBC produziu há cerca de vinte anos, tem Kevin Spacey, que vale quase sempre a pena, e David Fincher, que raramente falha. Ainda assim, suscita-me reservas. Num artigo surgido na Salon em Fevereiro, explicava-se como ela nasceu. A Netflix é um serviço de fornecimento de conteúdos televisivos, por cabo e internet (um pouco como o videoclube dos operadores portugueses), que também produz conteúdo próprio. Parece ter como modelo e alvo a HBO, o que, reconheça-se, é apontar ao sítio certo. Os seus canais de distribuição permitem-lhe recolher estatísticas detalhadas do que os espectadores consomem (evitei propositadamente o verbo “ver”) e da forma como o consomem. Nada de novo, dir-se-á: estudos de mercado e focus groups são realidades antigas. Correcto. Mas a Netflix obtém muito mais do que é possível obter através desses processos que em breve serão arcaicos: obtém o que as pessoas vêem, a que horas o vêem (por exemplo, nos EUA os espectadores do cabo gostam de ver séries aos sábados à tarde, em pacotes de vários episódios), em que cenas desistem, fazem pausa ou primem o botão de avanço rápido, que cenas revêem, que actores as mantêm a assistir, e por aí fora.
 
Recorrendo ao artigo da Salon (mantive os links no texto): The scope of the data collected by Netflix from its 29 million streaming video subscribers is staggering. Every search you make, every positive or negative rating you give to what you just watched, is piped in along with ratings data from third-party providers like Nielsen. Location data, device data, social media references, bookmarks. Every time a viewer logs on he or she needs to be authenticated. Every movie or TV show also has its own associated licensing data. The logistics involved with handling every bit of information generated by Netflix viewers — and making sense of it — are pure geek wizardry.
Netflix doesn’t just know that you are more likely to be watching a thriller on Saturday night than on Monday afternoon, but it also knows what you are more likely to be watching on your tablet as compared to your phone or laptop; or what people in a particular ZIP code like to watch on their tablets on a Sunday afternoon. Netflix even tracks how many people start tuning out when the credits start to roll.
 

E depois, claro, quando os números recolhidos formam uma tendência, a Netflix sabe o que fazer:

For almost a year, Netflix executives have told us that their detailed knowledge of Netflix subscriber viewing preferences clinched their decision to license a remake of the popular and critically well regarded 1990 BBC miniseries. Netflix’s data indicated that the same subscribers who loved the original BBC production also gobbled down movies starring Kevin Spacey or directed by David Fincher. Therefore, concluded Netflix executives, a remake of the BBC drama with Spacey and Fincher attached was a no-brainer, to the point that the company committed $100 million for two 13-episode seasons.

 

Bem-vindos pois à versão moderna de House of Cards. Mas qual o problema, se de tudo isto resultou uma excelente série? O problema é a tendência para se formar um círculo vicioso, em que cada vez mais é fornecido às pessoas aquilo de que elas já gostam, sendo escritores, realizadores, actores, editores, etc, obrigados a trabalhar de acordo com guias bem estabelecidos. Onde fica a criatividade de quem faz e os prazeres inesperados de quem vê? Onde fica o risco de quem produz e o alargar de horizontes de quem assiste? Não sei. De qualquer modo, sejamos francos: há uma parte da população que há muito (talvez desde sempre) recusa qualquer esforço no consumo de televisão, alimentando-se de novelas, todas iguais, todas recheadas de clichés, de concursos e de talk shows básicos. Nesse sentido, que as estatísticas da Netflix a tenham conduzido a House of Cards, a Spacey e a Fincher até pode ser considerado um sinal positivo do nível de exigência médio dos espectadores dos serviços de TV por subscrição. E em muitas séries da HBO também existem, de forma nada inocente, temas recorrentes: a nudez, a violência. Mas nada disto elimina completamente o risco de uniformização excessiva, de formatação. E depois há outros riscos: desde logo, o de manipulação – e não somente por parte de canais televisivos:

The Obama campaign used the same kind of number crunching to target voters with more accuracy than any political campaign had ever accomplished before. Online advertisers are also gathering vast amounts of detailed information about us from our smartphones, our Facebook likes and our Google searches.

[…]

The companies that figure out how to generate intelligence from that data will know more about us than we know ourselves, and will be able to craft techniques that push us toward where they want us to go, rather than where we would go by ourselves if left to our own devices. I’m guessing this will be good for Netflix’s bottom line, but at what point do we go from being happy subscribers, to mindless puppets?

 
É um receio antigo e talvez infundado. É possível que não sejamos mais iludidos e condicionados no futuro próximo do que já hoje somos. Mas apetece-me terminar com um rumor sobre a nova consola XBox, a lançar no final do ano: que será um media hub com o dispositivo Kinect integrado, o qual permitirá analisar as acções dos utilizadores ao ponto de poder colocar a emissão em pausa se eles desviarem os olhos do ecrã. O admirável mundo novo chegou e é fascinante.

 

P.S.: Os possíveis riscos do excesso de tecnologia e de mediatização da sociedade são abordados de forma excelente na série Black Mirror, do Channel 4 britânico. Esta cena pertence ao segundo episódio da primeira série, 15 million merits (que pode ser visto aqui).


publicado por José António Abreu às 13:40
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 30 de Agosto de 2012
RTP (2)

1. Ajudada pela restante comunicação social, pouco interessada no aumento da concorrência, e pelo Partido Socialista (já lá vamos), a RTP tem-se esforçado por passar a ideia de que dá lucro. Não dá. A RTP, cuja situação financeira na última década melhorou muito mais à custa de transferências obscenas de dinheiro público do que por mérito próprio (ainda que algum seja de admitir), exige anual e directamente (isto é, sem as transferências do orçamento do Estado) 140 milhões de euros aos contribuintes. Uma empresa que necessita de injecções anuais de dinheiro dos accionistas não dá lucro. Aliás, seguindo esta lógica, seria sempre possível fazer com que a RTP desse lucro: bastaria ir ajustando a taxa do audiovisual na proporção adequada.

 

2. Politicamente, a actuação do governo tem sido desastrosa: hesitante, incoerente, fazendo avançar quem se devia manter em silêncio e recuar quem devia dar a cara; já a actuação do PS tem sido simplesmente vergonhosa: sabemos que as promessas são baratas e que o povo costuma apreciá-las, mas contestar soluções como se os problemas não existissem é a táctica mais básica que um partido pode utilizar. A parte positiva é nem valer a pena perder muito tempo com as intenções de Seguro e companheiros: tão cedo não haverá dinheiro para repor o que quer que seja.

 

3. A RTP é um luxo demasiado caro para um país falido, mesmo no cenário cor-de-rosa (perdão: cor-de-laranja) de «só» lhe custar 140 milhões de euros por ano. Mas, ainda que os portugueses aceitassem continuar a pagá-los para receber parte daquilo que a RTP hoje lhes fornece (e apenas parte, visto o cenário do «equilíbrio» pressupor apenas um canal), o risco de derrapagens futuras, que, seja qual for o modelo escolhido (de concessão a privados ou de empresa pública), o contribuinte acabaria pagando, é demasiado real. Também por isso se torna crucial diminuir o nível de custos.

 

4. A Constituição Portuguesa, esse texto pejado de incongruências que, nas actuais circunstâncias, o PS, necessitado de parecer um partido de esquerda, nunca aceitará rever, obriga a que exista um serviço público televisivo. Fica assim estabelecido um custo para os contribuintes. Resta saber o que é isso de «serviço público», para depois se poder avaliar quanto dinheiro é preciso. Constituirá a informação serviço público quando ela está disponível noutros canais e é cada vez mais obtida por outros meios? E as novelas? Os concursos? Os programas humorísticos? As transmissões de jogos de futebol (e de tudo o que os antecede e das intermináveis análises que se lhes seguem)? Programas de música como o Top Mais? E, permitam-me uma pergunta de algibeira, que canal associariam mais depressa a documentários de qualidade, a RTP1 ou a SIC? No fundo, da programação actual da RTP1, o que não se obtém noutros canais de sinal aberto? O Prós e Contras? OK, salvemos a Fatinha. Constatada esta realidade, torna-se muito mais fácil chegar aos únicos modelos simultaneamente lógicos e que permitem poupar dinheiro aos contribuintes.

 

5. Com esse ou outro nome, a RTP2 permanece um canal público, dedicando-se essencialmente a conteúdos alternativos: filmes antigos e/ou pouco comerciais, teatro (por que desapareceu dos ecrãs?), música, documentários, debates, magazines de divulgação cultural, desporto amador, etc. Talvez um par de espaços informativos por dia mas com imagens que poderiam muito bem ser fornecidas pelos operadores privados (por acordo entre estes, concurso público, whatever). Custando actualmente a RTP2 cerca de 40 milhões de euros, não há razões para o novo canal custar muito mais (até porque, não concorrendo verdadeiramente com os privados, deveria estar livre para recolher algumas receitas publicitárias). Mas, considerando ainda outros custos (por exemplo, a questão da manutenção do arquivo da RTP), admitamos como razoável um orçamento de 60 a 70 milhões de euros. Este valor permitiria não só evitar transferências do orçamento de Estado como reduzir para metade a taxa do audiovisual, o que, para um governo que começou por alardear convicções liberais, devia constituir um incentivo (antes) e um motivo de orgulho (depois).

 

6. Resta a questão da RTP1, para a qual há duas soluções: privatização ou fecho. Pessoalmente, gostaria de ver o mercado funcionar; se o Estado conseguisse uma oferta razoável, excelente (não estamos em tempo de desperdiçar dinheiro). Mas, claro, isso exigiria aceitar a hipótese de um canal televisivo de acesso geral vir a ser controlado por estrangeiros (sejamos directos: por angolanos) e de o mercado publicitário não chegar para todos os players (é assim que se diz, não é?). Como, por cá, preferimos «almofadar» as decisões e não chatear empresários instalados, talvez a melhor opção seja partir desde já para o encerramento. Necessitando o novo canal público de muito menos gente, de muito menos equipamento e de instalações muito mais modestas (boa parte dos conteúdos deveria ser contratada a empresas externas, de modo a permitir ajustar mais facilmente os gastos ao orçamento disponível), as indemnizações aos funcionários da RTP seriam compensadas pela venda do edifício e do equipamento da RTP.

 

7. Nah, por agora chega.



publicado por José António Abreu às 21:31
link do post | comentar | favorito

Sábado, 25 de Agosto de 2012
RTP

A forma interessa-me pouco. De resto, que a hipótese tenha sido avançada por António Borges parece-me mais um modo (tristemente infantil mas também tristemente comum) de a testar do que um verdadeiro anúncio. O conteúdo, esse interessa-me bastante mais. Não sendo contra o princípio da concessão do serviço público, tenho uma dúvida: extinta a RTP 2 (que custa 40 milhões por ano mas, apesar de inúmeras falhas, ainda se percebe ter uma programação alternativa), o que constituiu afinal o serviço público de televisão? Por outras palavras: os portugueses vão entregar os 150 milhões de euros da taxa do audiovisual à Ongoing (perdão: ao consórcio vencedor) para garantir exactamente o quê?



publicado por José António Abreu às 10:43
link do post | comentar | favorito

Domingo, 6 de Maio de 2012
Contabilidade sexual

Nas cartas dirigidas a Flaubert, muitas delas de uma sã crueza de linguagem, Maupassant mostra-se orgulhoso da sua virilidade excepcional e chega a confessar-se farto de sodomizar judias!... A resposta foi simples: «experimenta pelo lado tradicional e pode ser que o teu tédio desapareça».

João Costa, no prefácio a As Sobrinhas da Viúva do Coronel, de Guy de Maupassant, Bertrand, 2007.

 

Será possível acharmos que vivemos numa época especialmente sexual – isto é, em que se faz mais sexo do que noutros tempos e de formas mais criativas? A década de sessenta, com a libertação feminina, o amor livre, o make love not war e o sex, drugs and rock ‘n’ roll, bem como a representação cada vez mais displicente (e inconsequente) do acto sexual na televisão e no cinema terão provavelmente contribuído para tal sensação. Mas corresponderá ela à realidade? Infelizmente, sendo, por um lado, os inquéritos sobre a frequência e os hábitos sexuais o que eram nos séculos anteriores ao último (inexistentes talvez seja o termo que procuro) e, por outro, os humanos (especialmente se possuidores de um cromossoma Y) propensos a mentir quando questionados sobre estas matérias, não é fácil ter certezas. Mas julgo podermos afastar desde já a hipótese de sermos mais criativos. Se as confissões de Maupassant, afloradas acima (e confesso tê-las usado essencialmente para vos chamar a atenção), não constituem grande indicador, há milhares de outras fontes onde podemos constatar que, basicamente, nos limitámos a melhorar alguns acessórios recorrendo à electricidade, à injecção de plásticos e aos circuitos integrados. Mas e a questão da frequência? O mesmo Maupassant terá possuído numa só hora, perante uma testemunha, seis mulheres num bordel parisiense. Mas relações envolvendo troca de dinheiro dificilmente representam a realidade ou a sensibilidade de uma época. Por outro lado, convém evitar dar excessivo crédito a declarações de machos com tendência para o priapismo – ou para a gabarolice. É por esta razão que os relatos do divino Marquês de Sade também não nos servem para caracterizar o que quer que seja. Podíamos ainda recorrer à Bíblia, que nos fala de Sodoma e Gomorra, ou a relatos gregos e romanos mencionando bacanais mas continua a ser difícil fazer comparações com os tempos actuais (como determinar se Calígula participava em mais ou menos orgias do que José Castelo Branco?). De resto, talvez seja melhor atermo-nos aos tempos e às regiões de influência cristã. Então, como fazer? Eu digo-vos: buscando na ficção não erótica de diferentes épocas a ideia que os autores transmitem sobre o que representa ter muitas relações sexuais. Claro que não obteremos o número de relações em que uma pessoa média se envolvia mas pelo menos obteremos uma noção do que era considerado excessivo. Sendo isto um post de blogue (necessariamente curtinho e to the point), vou limitar-me a um par de exemplos totalmente aleatórios e, dessa forma, estou em crer que totalmente representativos.

 

Comecemos pela actualidade e por uma série televisiva intitulada How I Met Your Mother ou, na versão portuguesa, Foi Assim Que Aconteceu. Nesta série, Barney Stinson, um awesome (definição do próprio) jovem mulherengo nova-iorquino com cerca de trinta anos, tem relações sexuais com a duocentésima mulher diferente durante a quarta temporada. Já perto do final da quinta, refere que a contagem vai em quase duzentas e oitenta (o que revela um considerável aumento de ritmo). Temos então que, de acordo com a mentalidade actual, fazer sexo com quase trezentas mulheres é mais do que suficiente para que um tipo de trinta e tal anos possa considerar-se (e ser considerado) um engatatão de primeira classe. Se Barney tiver iniciado a vida sexual aos quinze, isto dá uma média de catorze ou quinze mulheres por ano. Razoável, de facto, pelo menos quando comparado com a minha estatística pessoal – mas eu tendo a esquecer-me das coisas.

 

Antes de recuarmos no tempo e colocarmos à prova as façanhas de Barney Stinson convém explicar que toda a lógica deste post se aplica aos homens. E não por uma questão de machismo, pelo menos da minha parte. Apenas porque, no que respeita às mulheres, não há qualquer dúvida. Convenhamos que discutir o número a partir do qual uma mulher era classificada como – er, conquistadora nem sequer é o termo, pois não?... promíscua, então? – há um par de séculos não é mais do que escolher entre os algarismos um, dois e três, consoante se tratasse de um mulher solteira, casada pela primeira vez ou casada pela segunda vez após morte do primeiro marido. Felizmente, hoje a situação é bastante diferente (felizmente também para os homens, que têm – dizem-me – menores dificuldades em arranjar sexo barato). Ainda assim, sinto-me forçado a salientar que, décadas depois da tal «revolução sexual» dos anos sessenta, continua a notar-se uma diferencita no valor considerado excessivo para homens e para mulheres. Lembram-se da cena, em Quatro Casamentos e Um Funeral (de 1994, mas creio que ainda razoavelmente representativo) na qual a personagem interpretada por Andie MacDowell enumerava os amantes que tivera? Ela apenas chegou a trinta e qualquer coisa mas terminou corada de vergonha e, diante dela, a personagem interpretada por Hugh Grant começava a entrar em estado de choque. Ou seja, trinta e qualquer coisa parceiros sexuais já são demasiados para uma mulher de trinta e qualquer coisa anos mas quase trezentas parceiras sexuais ainda não embaraçam um homem de trinta e qualquer coisa anos (pelo contrário, ele continua a sorrir, orgulhoso).

 

Bom, mas então como era no passado? E a quem recorrer para obtermos uma ideia digna de crédito? Não existindo televisão nem cinema, resta-nos a literatura, o teatro e a ópera. Mantenhamo-nos nas artes performativas e usemos a última. Em Don Giovanni (parcialmente uma comédia, como How I Met Your Mother) Lorenzo da Ponte, o librettista que trabalhou com Mozart no mais famoso trio de óperas do pequeno génio austríaco, fez Leporello, o servo de Don Giovanni, explicar a D. Elvira, através da famosa ária do catálogo (ver abaixo Kyle Ketelsen como Leporello e Joyce DiDonato como D. Elvira na excelente produção da Royal Opera House de 2008, disponível em DVD e Blu-ray), que as conquistas do patrão ascendiam a:

In Italia seicento e quaranta;

In Alemagna duecento trentuna;

Cento in Francia, in Turchia novantuna;

Ma in Ispagna son già mille e tre.

Passando sobre a desfeita de Don Giovanni ter ignorado as mulheres portuguesas (porquê, João, porquê?), somem os números e chegarão a – prontos? – duas mil e sessenta e cinco conquistas sexuais. Ora Don Giovanni teria apenas vinte e dois anos de idade. Considerando uma vida sexual de sete anos, obtém-se a astronómica média de duzentas e noventa e cinco mulheres diferentes por ano. O que são, comparadas com isto, as catorze de Barney Stinson? A conclusão é dolorosa mas inevitável: a menos que na televisão actual se exagere afinal muito pouco, vai-se a ver e ainda temos muito que... muito que… ainda temos muito sexo a fazer.

 

 
(Imagens recolhidas aqui.)


publicado por José António Abreu às 23:55
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 13 de Abril de 2012
Dois sítios

Para a maior parte das pessoas, o mundo só tem dois sítios: o sítio onde elas vivem e a televisão.

Don DeLillo, Ruído Branco.

Edição Sextante, tradução de Rui Wahnon.

 

O livro é dos anos 80. Agora devíamos acrescentar a internet, claro.

 



publicado por José António Abreu às 18:47
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Terça-feira, 20 de Março de 2012
Bolinha

Houve um tempo em que o aparecimento da bolinha vermelha no canto do ecrã do televisor suscitava perturbação e expectativa.



publicado por José António Abreu às 00:48
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Quarta-feira, 15 de Fevereiro de 2012
As orelhas da Branca de Neve
Tenho andado a ver Era Uma Vez, no AXN (Sextas às 21,30h, com repetição aos Domingo às 20h). A ideia de misturar o universo dos contos de fadas com o mundo real agrada-me e os primeiros três ou quatro episódios não foram maus. Os seguintes já não me entusiasmaram tanto e receio que a série depressa se torne repetitiva, com os principais enredos presos na necessidade de manter as coisas em banho-maria imposta pelo formato, mas nas próximas semanas se verá. De qualquer modo, este post tem menos a ver com a série do que com as actrizes da série. E, no que lhes diz respeito, gostaria de assinalar uma coisa óbvia, uma coisa moderna e uma coisa encantadora.

 

A coisa óbvia é que são todas atraentes. A única série americana destinada ao grande público em que os actores parecem pessoas normais (e isto não quer dizer feios) é a Nurse Jackie (também se trata da única em que doentes internados parecem mesmo doentes). Confesso que este ponto não me incomoda por aí além: nada tenho contra mulheres bonitas, elas é que parecem ter algo contra mim. E Jennifer Morrison (a médica da equipa original do House) é mesmo muito bonita. Como também o é Lana Parrilla (a médica do Miami Medical). Morrison pode considerar-se a personagem principal de Era Uma Vez, ou pelo menos a catalizadora da acção, enquanto Parrilla desempenha o papel de bruxa má (muito, muito boa). E depois temos Ginnifer Goodwin, que era uma das três mulheres de Bill Paxton em Big Love (a mais novinha) e que descobri ter participado em 2002 num telefilme com o fantástico título de Porn'n Chicken (parece ser o nome de um clube existente na universidade de Yale, o que nos permite afastar ideias sobre o declínio da educação e manter esperanças no futuro). Como seria de esperar, atendendo a que desempenha o papel de Branca de Neve, Ginnifer faz de rapariga atraente, delicada e um tudo-nada ingénua. Ou seja: temos sexo (Morrison), sexo violento (Parrilla) e carícias e beijinhos (Goodwin). Era Uma Vez adequa-se a (quase) todos os gostos e fantasias.

 

A coisa moderna é as mulheres serem as principais personagens. Gente perspicaz como sois (não me contrarieis), já se aperceberam certamente de que as mulheres ocupam os principais papéis em quase todas as séries actuais, decorram elas num hospital, num tribunal, numa esquadra, na CIA ou numa terrinha com mais vampiros do que passarinhos nas árvores. Já sabíamos que as mulheres estão a tomar conta do mundo e, no fundo, acaba por ser compreensível: é politicamente correcto, está menos visto, haverá mais mulheres do que homens a acompanhar séries televisivas nos dias que correm e os homens não se importam: para a maioria, ver mulheres bonitas não representa um sacrifício (eu, pelo menos, gosto – mas creio já o ter referido).

 

E chegamos à coisa que me encanta. Ainda não perceberam? Releiam o título do post e olhem para a fotografia abaixo. Precisamente: as orelhas de Ginnifer Goodwin. Ginnifer tem orelhas de abano. Ou melhor: tem uma orelha de abano (a direita) porque a outra encontra-se muito mais encostada à cabeça. (Imagino-a sempre rodando a cabeça para a esquerda e avançando a orelha direita após alguém perguntar: «Ouviste aquilo?», de modo a ouvir melhor, ou fazendo o oposto durante uma conversa, de forma a equilibrar a intensidade da recepção.) Num universo televisivo em que mendigos da Idade Média têm dentes perfeitos, em que as actrizes de quarenta anos parecem mulheres de sessenta após efectuarem dezenas de intervenções cirúrgicas com o intuito de parecerem ter trinta, em que todos os homens excepto vilões e personagens cuja única função é efeito humorístico são esbeltos e musculados (e, cada vez mais, depilados), descobrir uma orelha assim (ainda que apenas visível nas cenas decorridas na actualidade, em que Ginnifer aparece com cabelo curto) trata-se de um momento sublime. Como é possível que ela ainda não tenha sido convencida a «corrigi-la»? Como é possível que os produtores televisivos a aceitem? Como é possível que a tenham aceitado para um dos três papéis principais (caramba, no genérico o nome dela até surge em primeiro lugar) numa série sobre contos de fadas? Parece-me algo quase impossível e, no entanto, adorável – um sinal de esperança. Que, nos tempos actuais, uma actriz ligeiramente assimétrica faça de Branca de Neve encanta-me. Parece-me até o ponto mais mágico de toda a série.

(Fotografias retirada do site oficial da série e do perfil da Ginnifer na IMDb.)


publicado por José António Abreu às 08:23
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito

Quinta-feira, 1 de Dezembro de 2011
Afinal o melhor ataque é a defesa

José Alberto Carvalho, há minutos, no Jornal da TVI: «Nas últimas horas, os mercados voltaram a atacar. Os juros da dívida pública portuguesa bateram novos máximos e Espanha e França também foram atingidas. Espanha foi ao mercado financiar-se e pagou os juros mais altos desde a entrada do país na moeda única.»

 

Portanto: os países «vão aos mercados» mas estes é que «atacam»? Devo estar a ver mal a mecânica da coisa porque, assim de repente, parece-me que «os mercados» se defendem. Ou, no limite, que contra-atacam.



publicado por José António Abreu às 20:47
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 30 de Agosto de 2011
Tentativa de ajudar a comissão recentemente constituída para definir a coisa

Susannah York, Sarah Miles, Susan George, Julie Christie, Charlotte Rampling, Jenny Agutter, Jane Birkin, Dominique Sanda,  Sandrinne Bonnaire, Nathalie Baye, Isabelle Huppert, Carole Bouquet, Valérie Kaprisky, Victoria Abril, Maria Schneider, Hanna Schygulla, Barbara Sukowa, Carole Laure, Geneviève Bujold, Liv Ullmann, Monica Vitti, Ornella Muti... Isso sim, era serviço público.

 

(Ah, a RTP2 em mil nove e oitenta e poucos...)



publicado por José António Abreu às 21:49
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 1 de Julho de 2011
Sinais e o segundo canal da RTP

É cedo mas os sinais são contraditórios. A questão do imposto extraordinário merece-me poucos comentários: não gosto mas admito a sua necessidade e aprecio o anúncio atempado. Outras coisas são mais preocupantes. O adiamento da privatização da RTP 1, por exemplo, é inaceitável. Por mau que seja o momento para a levar a cabo e por negativas que viessem a ser as consequências para os canais privados (e até para a restante comunicação social).

  

Aliás, quanto à RTP a minha única dúvida é saber se vale a pena manter público o segundo canal (vou ignorar os canais regionais e internacionais que, de qualquer modo, poderiam provavelmente funcionar apenas com conteúdo de operadores privados). No Público de Sexta-feira passada, Jorge Mourinha explicava que estivera a analisar a programação da RTP 2 e que chegara à conclusão de que a grelha é boa mas similar à de um canal generalista que evitasse novelas e reality shows (o texto pode ser lido aqui). De facto, a programação da RTP 2 é constituída por documentários, séries de qualidade razoável, um ou outro filme, dois ou três magazines, um par de programas de humor. Nada de particularmente descabido (apenas alguns horários) mas eu ainda me lembro (raios, tenho de aprender a evitar estas formulações) de como nos anos oitenta a RTP 2 passava ciclos de cinema (vi pela primeira vez os filmes de Fred Astaire e Ginger Rogers nas tardes das férias de Verão e muita gente ainda se lembrará de programas como o Cinco Noites, Cinco Filmes) e constato que esses ciclos desapareceram. Pergunto-me porquê. Pergunto-me também por que razão a RTP 2, não tendo que se preocupar com audiências ou receitas de publicidade, quase não passa teatro, ópera, bailado, concertos de música clássica; por que não tem um programa sobre livros, outro sobre música (tempos houve em que foi capaz de criar objectos míticos como o Pop-Off), outro sobre cinema, outro sobre artes plásticas, etc. Seriam caros? Provavelmente uma revista como a Ler não se importaria de colaborar no programa sobre livros, em troca da publicidade gratuita. Há por aí, e os blogues demonstram-no, muita gente apaixonada pelos mais variados temas que talvez aceitasse colaborar de graça ou em troca de valores pouco mais do que simbólicos. Independentemente de quais fossem as soluções encontradas, não teria de ser um canal caro – apenas diferente. Suponho que muitas pessoas estarão neste momento a resmungar que desejo um canal «elitista» e que um tal canal (no pun intended) teria audiências ainda mais reduzidas. Bom, mas que público consegue a RTP 2 captar hoje? Aquele que tem acesso às mesmas séries nos canais por cabo? Aquele que, tendo ou não televisão por cabo, prefere de qualquer modo as novelas e os reality shows da TVI e da SIC? Aquele que já quase não vê televisão por preferir a internet? Ou o que, apesar de tudo, vai assistir ao Câmara Clara, ver os filmes de Sábado à noite e espreitar um ou outro documentário? Não seria melhor assumir o «elitismo»? Dizer às pessoas: têm aqui uma verdadeira alternativa, aproveitam-na se quiserem. Vale a pena manter a RTP 2 para o que, como Mourinha refere e eu concordo, pouco mais é que um canal generalista sem preocupações de audiências?


publicado por José António Abreu às 22:23
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sexta-feira, 20 de Maio de 2011
De como o excesso de futebol e o défice de outros desportos nos meios de comunicação é culpa das mulheres
As dúvidas e opiniões que Patrícia Reis (que tem um livro novo) expressa neste texto são partilhadas por muita gente. Porque dispõe o futebol de tamanha exposição mediática? Porque não obtêm outros desportos mais do que alguns segundos nos noticiários e isto apenas nas raras ocasiões em que, contra expectativas e razoabilidade, um português consegue alcançar um resultado de topo? Porque esquecemos os atletas que mais medalhas trazem para Portugal – os para-olímpicos?

 

Eu concordo que não devia ser assim. Desde logo, faz-me espécie prestar-se atenção apenas ao futebol masculino mas aceito que esta possa ser uma questão eminentemente pessoal – por razões ergonómicas, tendo a preferir a versão feminina da maioria dos desportos (e depois há uns casos em que me é indiferente). Mais importante, tal como a Patrícia acho exasperante que se dedique tanto tempo a apenas um desporto – qualquer que ele seja. Mas julgo perceber porque é que isso acontece.

 

Quem vê desporto na televisão e compra jornais desportivos? Quem até, provavelmente, compra a maioria dos restantes jornais? Os homens. As mulheres não ligam a desporto. Pelo menos o bastante para se sentarem à frente de um televisor ou comprarem um jornal. (Generalizo, obviamente.) De quando em quando, as mulheres podem pensar, com um carinho inteiramente sincero, que os campeonatos para-olímpicos são uma coisa bonita, podem espreitar uma prova de ginástica ou de patinagem artística, mas ver mesmo desporto – não vêem. Preferem a Oprah, séries, filmes, telenovelas, o What Not to Wear e o Rachel Zoe Project. Se as mulheres gostassem tanto de patinagem artística como gostam de roupa, maquilhagem e decoração, a SIC Mulher apresentaria patinagem artística duas vezes por dia, existiriam revistas e jornais só acerca de patinagem artística e rapidamente os canais generalistas de televisão teriam programas de debate em que se analisaria a qualidade dos triplos Axel realizados nas provas do fim-de-semana anterior. Hélas, as mulheres não gostam assim tanto de patinagem artística nem de qualquer outro desporto. Isso faz com que sejam os homens a definir que desportos se vêem na televisão e sobre que desportos se lê nos jornais. Ora os homens são seres simples, de gostos limitados e com tendência para a conformidade (continuo a generalizar). A partir do momento em que as mulheres lhes deixam o campo livre pode dizer-se adeus aos para-olímpicos na televisão. E até à patinagem artística. Para a sensibilidade masculina (nem sempre é oxímoro), as provas para-olímpicas são um mau espectáculo televisivo e a patinagem artística não é muito melhor. E como é o gosto pelo futebol que é inculcado nos homens desde criança e o futebol é que dá para discutir durante a pausa para o café por ser o que vêem todos os outros homens (menos uns tipos esquisitos como eu), vê-se futebol. As televisões (como as rádios e os jornais) não podem então fazer outra coisa senão ir atrás do consumidor-tipo (que, neste caso, é um consumidor-gajo) e, numa espécie de pescadinha de rabo na boca, começam a passar apenas futebol.

 

Este é o pecado original. Depois existem factores agravantes. A passagem de alguns desportos para canais de assinatura retirou-lhes notoriedade. Por exemplo, há dez ou quinze anos via-se bastante automobilismo (especialmente Fórmula 1) na televisão de sinal aberto. Agora, esta raramente aborda o tema. Por outro lado, a fauna que gravita em torno do futebol, dos dirigentes aos adeptos passando pelos árbitros e comentadores, nem sempre representa as fatias mais sensatas da população, o que facilita o nascimento de «polémicas» ou «casos». As regras também não ajudam (ninguém fica duas semanas a discutir se uma bola do Federer foi dentro ou fora do court porque isso é imediatamente verificado). O factor de tribo que se gera ao aderir a um clube (e, mais ainda, a uma claque) e a necessidade de arranjar formas de escape numa sociedade que reprime cada vez mais a exteriorização dos instintos (ver esta excelente entrevista feita por Paulo Moura a J. G. Ballard em 2005, já mencionada aqui) tornam os actos de violência mais prováveis. A conjugação disto tudo é um cocktail explosivo que os meios de comunicação agradecem e cujos efeitos amplificam, num encantador efeito bola de neve. Outros desportos podem apresentar alguns destes elementos (também há fanáticos da Ferrari, por exemplo) mas, na falta dos restantes, o efeito bola de neve é inexistente ou muito menor (não andam à batatada com os adeptos da McLaren.)

 

De qualquer modo, nenhum destes factores invalida a tese, pelo que a conclusão é inevitável: a culpa de se prestar pouca atenção a desportos que não o futebol nos meios de comunicação (e, por conseguinte, na sociedade) é essencialmente das mulheres. E, pronto, um bocadinho – mas só um bocadinho – dos homens.



publicado por José António Abreu às 00:37
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

Terça-feira, 15 de Fevereiro de 2011
Rendimentos paralelos

Conta-nos que o homem estava furibundo. Exigia que cancelassem o rendimento social de inserção à mulher em causa. Repetia que ela obtinha rendimentos que não declarava às finanças. Ganhava muito dinheiro vendendo-se. Toda a gente o sabia. Ela enganava o Estado. E enganara-o a ele, cobrando-lhe cinquenta euros quando aos restantes cobrava vinte e cinco.

 

(Rimo-nos mas é um riso desconfortável. Não há limite para o ridículo. De tal forma que por vezes consegue gerar empatia. Uma empatia piedosa, nascida da sensação de superioridade. As televisões perceberam que gostamos disso e dão-nos regularmente programas que nos permitem rir com a patetice alheia. E poucas pessoas se dão ao trabalho de analisar, ou talvez até de sentir, a pitada de desconforto.)



publicado por José António Abreu às 08:39
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sábado, 1 de Janeiro de 2011
«Operações»

Sim, vou começar o ano resmungando. Não, por «operações» não quero dizer aquelas em que um grupo de pessoas com as mãos muito lavadinhas, de touca, máscara, bata e roupa interior dois números abaixo do anatomicamente correcto e estampada com florzinhas azuis e amarelas (imagem não baseada em casos concretos, destinada apenas a proporcionar pensamentos divertidos a quem tenha de entrar num bloco operatório nos próximos tempos) adormece, corte, repara e cose outra pessoa qualquer. Refiro-me às «operações» de prevenção rodoviária: «Operação Natal», «Operação Fim de Ano», «Operação Páscoa», «Operação Férias Seguras», «Operação Fim-de-Semana Promocional no seu Centro Comercial». E especialmente ao modo como a comunicação social as noticia. «O balanço da 'Operação Regresso às Aulas Depois das Férias do Carnaval' é negativo. Nas estradas portuguesas verificaram-se treze mortos e setecentos e setenta e sete feridos, vinte e sete e meio dos quais graves, num total de três mil trezentos e trinta e três acidentes rodoviários, contra os nove mortos e seiscentos e sessenta e seis feridos, cinco dos quais canídeos, ocorridos na sequência dos três mil trezentos e trinta e dois acidentes verificados no período homólogo do ano passado.» Lindo a mais níveis do que o número de feridos graves (incluindo canídeos). Desde logo, expressões como estradas portuguesas evocam imagens não muito distantes do universo Mad Max ou, para os mais jovens, mais pimba e menos apocalípticos, The Fast and The Furious. Também é sempre de celebrar quando a expressão período homólogo surge aplicada a outra coisa que não as taxas de inflação ou de desemprego. Além disso, são raras as ocasiões em que a televisão ainda consegue ensinar português aos portugueses, levando alguns ao cada vez mais reaccionário acto de consultar um dicionário (onde, infelizmente, a maioria não conseguirá encontrar o termo ómolgo). A acumulação de números também tem o seu encanto, se pensarmos que a televisão foge da complexidade como o diabo da cruz e Sócrates da verdade, e que eles são dirigidos a um povo que abomina activamente a matemática e qualquer esforço mental. Mas, para mim (e, se tudo correr bem, para vocês, quando chegarem ao fim deste post), nada supera o frenesi estatístico. A comparação de um ano com o anterior e as imediatas conclusões. Estamos melhor ou pior consoante ocorra menos uma morte ou mais uma morte, menos dois feridos graves ou mais dois feridos graves. Por vezes até aparecem membros da GNR comentando as diferenças. A minha professora de estatística, que tinha uma mente tão lógica que só podia ser fã dos livros de Ellery Queen (sim, perguntei-lhe), deve gritar de desespero sempre que assiste a tal espectáculo (apesar de não me ter dado uma nota por aí além, chego a ter pena dela). Não haverá uma alma caridosa que explique a jornalistas e «entidades oficiais» a inutilidade de comparar números pequenos? Ainda por cima analisando apenas dois anos? Indubitavelmente, uma das coisas mais bonitas da comunicação social – e, na verdade, da sociedade – actual é a forma como retira conclusões de dados irrelevantes e renega os relevantes. Não admira que sigamos, fora de mão e em excesso de velocidade, a caminho da bancarrota. 

 

(Imagem obtida aqui. Tanto quanto foi possível apurar, do acidente não resultaram feridos graves. Humanos ou canídeos.)


publicado por José António Abreu às 23:55
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 27 de Dezembro de 2010
Uma semana

As últimas dezenas de páginas de O Quinto da Discórdia, de Robertson Davies; O Perdão dos Pecados, de Antonio Fontana; Ao Cair da Noite, de Michael Cunningham; O Jardim dos Finzi-Contini, de Giorgio Bassani; Somos o Esquecimento que Seremos, de Héctor Abade Facciolince; Cavalheiros da Estrada, de Michael Chabon; Cossacos, de Lev Tolstói; Órfãos do Eldorado, de Milton Hatoum; Sempre Vivemos no Castelo, de Shirley Jackson; Os Peixes Também Sabem Cantar, de Halldór Laxness. Uns quantos filmes, entre os quais A OrigemUm Homem Singular e O Escritor Fantasma. A segunda série completa de Damages; os últimos episódios da segunda série e os primeiros da terceira de Californication. Tudo considerado, nada mau para uma semana e um dia de férias quase sem sair do sofá. E se não fosse aquela coisa do Natal ainda podia ter sido melhor.

 

(O trânsito está óptimo mas às sete e meia da manhã faz um certo fresco. Já nem me lembrava.)



publicado por José António Abreu às 08:26
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Terça-feira, 7 de Dezembro de 2010
Bisontes
Num dos canais National Geographic uns quantos bisontes macho residentes no Parque Nacional de Yellowstone esforçavam-se por conquistar o coração das fêmeas e afastar a concorrência. Segundo parece, as principais formas dos bisontes macho se insinuarem junto das companheiras de manada (é possível que «insinuar» seja um verbo demasiado subtil para descrever a atitude dos bisontes mas não consigo resistir a deixar duas ou três das cinco pessoas e três quartos que ainda lêem este blogue tentando imaginar um bisonte insinuando-se) é realizando exibições de porte e de dotes vocais (o júri do Ídolos seria implacável), rebolando-se na lama e trotando atrás delas para onde quer que elas vão (de modo um tudo nada demasiado insistente, if you ask me, especialmente se as bisontes fêmea modernas tiveram pontos de contacto com as humanas modernas). Quanto à segunda parte da questão, lidam com ela escavando no solo com as patas anteriores, urrando ameaçadoramente e dedicando-se a lutas cabeça contra cabeça. Estas, deixem-me que vos escreva, constituem um espectáculo impressionante, digno de um documentário da National Geographic (que afinal de contas era o que aquilo era). Apesar de, segundo o narrador, os bisontes tentarem evitar o confronto físico, cerca de um terço dos machos tem ossos partidos em resultado de combates. O que não surpreende quando se vêem dois mastodontes de novecentos quilos cada chocando de cabeça um contra o outro. Repetidamente. Mas o prémio compensa, não? Hmmmm, exactamente qual é o prémio? O que é que eles ganham no final de todo este esforço? Preparados? Aqui vai: quinze segundos de prazer. A sério, não é uma figura de estilo: quinze segundos – um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, nove, dez, onze, doze, treze, catorze, quinze – é a duração do acto sexual que eles tanto ambicionam. Penso já ter lido em qualquer lado que alguns humanos macho também não duram mais do que isso. Mas convenhamos que poucos andam às cabeçadas uns aos outros por causa de fêmeas (pronto, está bem, alguns também andam mas a esmagadora maioria fá-lo por amor a Jorge Nuno Pinto da Costa ou a Luís Filipe Vieira). Seja como for, estava eu a olhar para o ecrã com um sorriso de espanto e outro de comiseração (ando a aprender dupla personalidade com a Toni Collette), pensando que as fêmeas, quando finalmente desistem de se fazer de difíceis, só podem achar que a montanha pariu um rato (agora é uma figura de estilo) e que, diabos, quinze segundos (quinze, ok?) de prazer não valem tamanho esforço e risco (no mínimo, um bisonte faz sexo com uma dor de cabeça mais intensa do que a de uma humana tentando evitar fazer sexo, no máximo com um traumatismo craniano fatal) quando me apercebi de que, para um bisonte macho, vivendo com escassos métodos alternativos de obtenção de prazer (a paisagem é bonita mas ao fim de um certo tempo deixa de ser novidade e não há televisão, nem livros, nem cinema, nem música, nem blogues, nem nenhuma daquelas substâncias a que os humanos recorrem para tentar esquecer como a sua vida é deprimente – ainda que esteja repleta dessas coisas todas), aqueles quinze segundos podem representar muito mais do que um exemplar mediano de homo sapiens está capacitado para entender. Reparem só num detalhe a que ninguém presta atenção: um bisonte, como a maioria dos restantes animais, nem sequer consegue masturbar-se.

Esta imagem desaparecerá dentro de quinze segundos. Catorze. Treze. Doze...

Fotografias pilhadas aqui e aqui.


publicado por José António Abreu às 22:47
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

Terça-feira, 26 de Outubro de 2010
WTF?
Estive a ver um bocadinho disto. Ainda estou em estado de choque. Antes a Casa dos Segredos.


publicado por José António Abreu às 12:55
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quarta-feira, 13 de Outubro de 2010
Seria o combate do século

Dr. Oz contra Anthony Bourdain.



publicado por José António Abreu às 18:26
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 20 de Setembro de 2010
Ídolos – de quem?

Ontem vi uns minutos do Ídolos. Depois mudei de canal. Não é a humilhação que me incomoda, até porque para haver humilhação tem de existir consciência da figura que se faz. O que verdadeiramente me incomoda é por um lado nunca ter gostado de ver agredir inimputáveis e, por outro, mesmo mesmo levando em conta do alto – ou das profundezas? – do meu cinismo, que já não tenho ilusões acerca de quão ridículas as pessoas conseguem ser (e não me venham com a nobreza de «perseguir um sonho», porque o que estes miúdos perseguem é a ascenção fácil à fama; de resto, saber cantar é apenas equivalente a saber escrever e ninguém se torna escritor apenas por saber alinhar palavras sem cometer erros), preferir não o ver comprovado de forma tão gritante. Até para poder continuar a chamar-lhe «cinismo». 



publicado por José António Abreu às 08:38
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

19
20

27
29

30


à tona

Girls, Fleabag, Roth, Ste...

Política-(mau)espectáculo

Excertos do Graham Norton...

Excertos do Graham Norton...

Excertos do Graham Norton...

Excertos do Graham Norton...

Excertos do Graham Norton...

Excertos do Graham Norton...

Excertos do Graham Norton...

Chamam-lhe informação...

Perigo

Chefias

Estatísticas e televisão

RTP (2)

RTP

Contabilidade sexual

Dois sítios

Bolinha

As orelhas da Branca de N...

Afinal o melhor ataque é ...

Tentativa de ajudar a com...

Sinais e o segundo canal ...

De como o excesso de fute...

Rendimentos paralelos

«Operações»

Uma semana

Bisontes

WTF?

Seria o combate do século

Ídolos – de quem?

10 comentários
6 comentários
5 comentários
reservas de oxigénio
Clique na imagem, leia, assine e divulgue
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
tags

actualidade

antónio costa

blogues

cães e gatos

cinema

crise

das formas e cores

desporto

divagações

douro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

futebol

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

música recente

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
Fazer olhinhos
subscrever feeds