como sobreviver submerso.

Terça-feira, 12 de Julho de 2016
Eu e Ronaldo

Informação nº 1: percebendo apenas um pouquinho mais de futebol do que de termodinâmica ou de mulheres, sigo os campeonatos de clubes tão pouco quanto a comunicação social e a decrescente destreza dos meus dedos na manipulação do telecomando televisivo me permitem.

 

Informação nº 2: a capacidade da minha memória diminuiu tanto nos últimos anos como... caramba, juro que ainda agora tinha uma analogia perfeita.

 

Avancemos. Não obstante tudo o que está atrás ser 100% verdade (OK, exagerei num ponto: sei o bastante sobre termodinâmica para estar consciente de que dois corpos em fricção causam aumento de temperatura e tendem a gerar trabalho), lembro-me do Cristiano Ronaldo dos tempos do Sporting. Um rapaz muito verde (desculpem, não resisti à piada; caso vos seja insuportável, pensem numa folha em branco) mas já com potencial futebolístico para chegar a estrela. Nos anos seguintes, sem prestar grande atenção mas sem conseguir evitá-lo (como poderia?), fui dando conta do nascimento dessa estrela. Tinha e tem duas facetas: a de jogador excepcional, mescla de talento inato e dedicação maníaca, e a de prima-dona, dentro do relvado (ah, aquelas poses na marcação dos livres, que Sepp Blatter tão bem parodiou, antes de infelizes acontecimentos o afastarem de um cargo que distraídos como eu chegam a pensar ser vitalício) e fora dele (carros, mulheres, declarações variadas, campanhas publicitárias, bling bling de gosto duvidoso, microfones e a tendência para exibir aquele torso de Photoshop, exasperante para qualquer macho humano normal). Mesmo consciente de que a segunda faceta podia estar a chegar-me distorcida pela duvidosa acribia (sim, estou a tentar meter nojo) dos títulos dos jornais e dos rodapés dos noticiários televisivos, ainda assim ela impedia-me de ser um fã de Ronaldo. Achava que ele tinha todo a direito a estar orgulhoso do que alcançara (falsas modéstias são-me tão irritantes como textos nos quais os autores procuram desesperadamente introduzir humor) mas descoroçoava-me que ele mostrasse o orgulho de formas ostentatórias e por vezes agressivas. Para ajudar à minha má-vontade, Ronaldo raramente jogava ao mais alto nível nos encontros da selecção (os únicos em que o via), apesar de todos os outros jogadores parecerem ter sido convocados apenas porque as regras não permitiam que jogasse sozinho (manobras de Blatter, certamente).

 

E depois chegou anteontem e aquela final no Instituto Entomológico de Paris (achei estranho irem incomodar as traças, confesso). Num encontro em que praticamente não jogou, Ronaldo mostrou-me outro Ronaldo. Mostrou-me uma espécie de Ronaldo dos tempos do Sporting, actualizado para um homem de 31 anos. Um Ronaldo esforçado, sincero, sem poses. Um jogador de equipa, que não desiste e dá o seu melhor, até mesmo quando não o pode fazer dentro do campo. Anteontem, num encontro em que o jogador fora de série não pôde surgir porque levou uma cacetada antes dos dez minutos (Ça Alors!, Par Toutatis! e Mille Sabords!), Ronaldo fez-me respeitá-lo como raramente o conseguira antes.

 

E pronto. Lamento o anticlimático final piegas mas este texto não passa da nota de arrependimento e apreço de um ex-crítico. As piadas foram só uma tentativa para disfarçar o incómodo.



publicado por José António Abreu às 20:12
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 11 de Julho de 2016
Tensão no estacionamento (Ou: Mais do que o jogo, importa a celebração?)

Partilho a alegria e acho muito bem que se venha festejar para as ruas: em tempos de individualismo, os momentos de comunhão só podem ser benéficos. O que me confunde é a rapidez com que surgiram as caravanas de veículos. Ainda Ronaldo não começara a coxear pelas escadas acima em direcção à taça e a cacofonia nas ruas do Porto - mais serenas do que numa manhã de São João durante o encontro - já era indescritível (um adjectivo muito útil para os momentos em que não sabemos como descrever as coisas). Honestamente, fica-me a ideia de que antes de Éder desferir aquele rematezito fulminante já centenas de pessoas estavam sentadas dentro dos carros, aguardando no escuro a oportunidade de poderem sair a apitar.


tags:

publicado por José António Abreu às 15:40
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Merci bien, Volkswagen

Blogue_Lequipe_VW.jpg


tags:

publicado por José António Abreu às 11:41
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 9 de Junho de 2015
Futebol, esse desporto ignorado

Blogue_FIFA1.jpg

Blergh, gajas!

 

O Eurosport está a transmitir o Campeonato do Mundo de Futebol Feminino. Eu, que nem ligo a futebol, fiquei ontem durante algum tempo a ver onze suecas (todas louras, muitas delas giras) enfrentando onze nigerianas (todas negras, várias delas giras). Descontando a inevitabilidade biológica de apresentarem menos poder de fogo do que os homens (no sentido futebolístico da expressão, que noutros até me parece que tinham mais), jogavam bem. Marcaram-se seis golos, três para cada lado. Como tantas vezes sucede no futebol masculino (mas estou em crer que com menor risco de lesões dolorosas), num deles a bola passou entre as pernas da guarda-redes. Igualmente como no futebol masculino, as jogadoras abraçaram-se para celebrar e parece que por vezes fazem questão de levantar a camisola. Como no futebol masculino, várias tinham tatuagens e/ou penteados esquisitos. Como no futebol masculino, algumas eram propensas a fazer faltas e outras a atirarem-se para o chão. Como no futebol masculino, a bola era redonda (no ecrã; ouvi dizer que, na realidade, é esférica), o relvado verde e, nos placards laterais, a FIFA apelava ao fair play. Exactamente como no futebol masculino, há quem diga que no final ganha a Alemanha. Mas a SportTV esteve-se nas tintas para o campeonato (valha-nos isso), nos noticiários nacionais ninguém lhe liga e as audiências não devem ser famosas. Decididamente, custa-me perceber os adeptos do futebol. Muitos andam para aí armados em macho e, no fim de contas, só apreciam homens.

 

Blogue_FIFA2.jpg

Aqui entre nós, a expressão da guarda-redes sueca é deliciosa mas a silhueta da atacante nigeriana constitui pura poesia.

 

Fotos: Kevin C. Cox/Getty Images North America, pescadas na net.



publicado por José António Abreu às 16:56
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 3 de Dezembro de 2013
Alívios

Passos Coelho olha para a reacção dos portugueses à pantomima de Blatter e dos adeptos portistas a um conjunto de resultados medianos e, não obstante um ou outro exercício aeróbico de step na escadaria do Parlamento, só pode pensar: «Ainda bem que isto não é futebol.» Mas, evidentemente, a racionalidade pode assumir um papel muito secundário nas questões em que a maioria das pessoas tem apenas investida paixão.

 

E perdoe-se-me o «apenas».



publicado por José António Abreu às 13:41
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 16 de Maio de 2013
Novo estudo sobre tendências de consumo revela dado surpreendente

Seis milhões de portugueses reagem mal a descontos.



publicado por José António Abreu às 08:23
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sábado, 11 de Maio de 2013
Check-list

OK, acho que estou preparado para o Porto - Benfica.


tags: ,

publicado por José António Abreu às 16:06
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Sexta-feira, 3 de Maio de 2013
Excelente timing de Passos Coelho

Há seis milhões de portugueses que hoje nem ele conseguirá fazer deixar de sorrir.



publicado por José António Abreu às 17:44
link do post | comentar | favorito

Amesterdão
Zona vermelha vai adquirir outro significado. E provavelmente ganhar má fama.

tags: ,

publicado por José António Abreu às 09:30
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 10 de Abril de 2013
Reestruturação da dívida
António José Seguro aplaude e toma notas.


publicado por José António Abreu às 15:33
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Domingo, 12 de Agosto de 2012
De volta à rotina ou welcome back, Rui Santos

E agora, durante quatro anos, dezenas de modalidades desportivas ficam novamente remetidas à obscuridade. Sendo que se alguma coisa os Jogos Olímpicos demonstram é que, em termos de espectacularidade, o futebol está longe de justificar a hegemonia de que goza na maior parte do planeta. Como os norte-americanos costumam referir, trata-se de uma modalidade em que nada acontece durante a maior parte do tempo e é também das poucas onde se pode verdadeiramente jogar para o empate – com frequência, a zero.



publicado por José António Abreu às 17:26
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 22 de Junho de 2012
A razão por que a Alemanha não vai conseguir vencer a Grécia ou o feitiço volta-se contra o feiticeiro

Os golos que a Alemanha meter na baliza grega terão de ser devolvidos. Com juros.


tags: ,

publicado por José António Abreu às 13:20
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 20 de Junho de 2012
O essencial, sem rodeios
Devo abordar o essencial. A sociedade contemporânea, aliás, não aceita outra coisa. Nada de dispersão, nada de acessório, apenas e sempre o essencial, qualquer que ele seja a cada instante. Por estes dias, como de resto sucede frequentemente, o essencial é o futebol e, mais especificamente, o campeonato da Europa de futebol (parece que no fim-de-semana passado também ocorreu qualquer coisa importante na Grécia mas, como tende a suceder neste mundo em que apenas o essencial é essencial e poucas coisas são essenciais durante longos períodos, depressa perdeu relevância, podendo ser ignorado até conseguir reunir argumentos para aspirar à essencialidade durante mais algum tempo). Ora sendo o essencial o futebol, eu ainda não escrevi sobre o tema. Na verdade, escrevo até muito pouco sobre futebol. Não pode ser. É preciso que quem escreve em blogues tenha noção de que os interesses das pessoas que lêem blogues não são assim tão distintos dos dos cidadãos normais, aqueles que andam demasiado ocupados para ler o que quer que seja a não ser rodapés de noticiários televisivos e etiquetas com indicação de descontos em promoções de hipermercados, e, por conseguinte, também desejam textos sobre os temas essenciais do momento. De resto, torna-se necessário reconhecer que não escrever sobre futebol numa época em que ele é essencial coloca um problema sério a qualquer leitor de blogues: como pode usar a caixa de comentários para elogiar ou criticar as opiniões e previsões de quem escreve (acto absolutamente essencial na blogosfera) se elas não existem (será possível não ter opiniões sobre futebol?) ou não são tornadas claras (um perfeito acto de cobardia)? Afinal, até onde julgo poder ir a selecção portuguesa? Considero provável que Ronaldo volte a marcar? Se o fizer, deverá chuchar outra vez no dedo, arriscando o lançamento de uma moda que talvez ainda nos permita ver advogados imitando-lhe o gesto após a absolvição dos seus clientes ou Vítor Gaspar fazendo o mesmo depois da aprovação de mais um pacote de austeridade? Acho que Postiga devia ceder o lugar a Nelson Oliveira – ou deveria perdê-lo para Manuel de Oliveira? Considero as declarações de Manuel José e Carlos Queiroz motivadas por inveja do lugar ocupado por Paulo Bento ou pela capacidade de expressão deste? Prefiro o 4-4-2, o 4-3-3 ou o 4,5-π-(10-4,5-π)? Gostaria que fosse dada oportunidade a Ronaldo para mudar de penteado também durante os encontros e não apenas ao intervalo? É essencial opinar sobre estes assuntos, entrar nas polémicas de peito feito e sorriso franco, à Rui Santos menos os fatos Boss (lamento desiludir-vos mas encontram-se um tudo-nada acima do meu orçamento), em vez de assobiar para o lado e me limitar a publicar fotografias insossas e contos nojentos (leram este?). Pois bem, assim farei e é já, a vinte e quatro horas do Portugal – República Checa, tempo suficiente para que se gere discussão inflamada em torno das minhas afirmações (certamente polémicas, ainda que não venham a passar de frases feitas – ou talvez especialmente nesse caso) e abrindo a possibilidade para que, depois do jogo, dezenas de pessoas me possam vir pedir satisfações pelos erros improváveis mas – sou ainda mais humano do que vocês – sempre possíveis. De modo nenhum me deixarei distrair, pondo-me, por exemplo, a imaginar outros confrontos entre portugueses e checos, como Lobo Antunes contra Kafka, Saramago contra Hrabal, Mário de Carvalho contra Hašek ou M. Tavares contra Kundera (teria também usado escritoras mas acabei de perceber com, juro!, genuíno horror que desconheço escritoras checas) quando o verdadeiro e único confronto que interessa é entre Cristiano Ronaldo e Milan Baros. Seria até ridículo fazê-lo, como o são todos os desvios, todos os rodeios, todas as circunvoluções, tendência e defeito apontados muitas vezes aos portugueses mas de forma ó quão injusta, que afinal conseguimos concentrar-nos no essencial tão bem como qualquer outro povo, em particular quando o essencial é o futebol, o que, de resto, já o escrevi mais acima, ocorre muitas vezes, circunstância que já devia ter feito desaparecer o lugar-comum mas convenhamos, num único aparte essencial, que um dos problemas dos lugares-comuns é mesmo esse, demorarem a passar ainda que já não façam sentido. Seja como for, a verdade é que quando o assunto é o essencial e o essencial é o futebol ninguém nos ultrapassa na concentração, ninguém nos faz cair em divagações irrelevantes. Quando o assunto é o essencial, somos campeões – campeões! – muito à frente de quaisquer outros. Por exemplo, considerem a Rússia. A mesma Rússia que entrou neste campeonato cheia de força, ganhando à República Checa (que, para nossa sorte, já não pode contar com a distribuição de jogo do saudoso Vaclav Havel) por uma cabazada a quase nada e depois se distraiu e acabou de regresso a casa onde, felizmente, o Gulag passou de moda. Estranho? Claro que não! Vêm de longe, as distracções e divagações russas: lembro-me – e rio de comiseração – do livro Almas Mortas, de Gogol, onde a certa altura é organizada uma assembleia para discutir os actos de Chichikov, o tal que anda pelas redondezas a comprar almas mortas (isto é, direitos sobre servos já falecidos). São aventadas diversas hipóteses para tal comportamento mas nenhuma parece satisfatória. Então o director dos Correios, «que até então se mantivera mergulhado não se sabe em que profundos pensamentos», declara que Chichikov só pode ser o capitão Kopeikine. «Sim, nem mais nem menos, o capitão Kopeikine!» Os restantes perguntam: mas quem é o capitão Kopeikine? Chocado por ninguém conhecer o capitão Kopeikine, o director dos Correios ocupa várias páginas a explicar quem é o capitão Kopeikine. Trata-se de um soldado que perdeu um braço e uma perna na campanha de 1812 e que, não conseguindo arranjar emprego nem tendo o pai meios para o sustentar, vai a São Petersburgo pedir ao Czar uma pensão por invalidez. Passadas as dificuldades da viagem, enfrentadas as dificuldades que uma cidade grande e impessoal coloca a um inválido, o capitão Kopeikine lá consegue, após longa espera, uma audiência com um ministro. Este diz-lhe que vai tratar do assunto e pede-lhe para voltar dentro de dias. O capitão Kopeikine fica tão aliviado que vai jantar uma costeleta com molho de alcaparras e um frango à jardineira, acompanhados por uma boa garrafa de vinho, após o que se desloca ao teatro. Dias mais tarde, volta a procurar o ministro, que lhe diz não ter ainda uma resposta para ele. Das vezes seguintes, nem sequer consegue falar com o ministro, pois logo à entrada dizem-lhe que nesse dia não há audiências. A situação começa a ficar desesperada e o capitão Kopeikine usa um estratagema para entrar (finge que é acompanhante de um general) e perguntar ao ministro pelo sua pensão. O ministro diz-lhe que nada está decidido e, quando o capitão Kopeikine perde a cabeça e afirma que não sai dali sem uma resposta, o ministro diz-lhe, com inesperada gentileza, que pois muito bem, lhe vai arranjar alojamento. Surge então um homem enorme, com cerca de um metro e noventa de altura, que agarra no capitão Kopeikine e o mete dentro de uma carroça, não se sabe para onde. Sabe-se é que meses mais tarde surge um bando de salteadores cujo líder não é outro senão... Neste ponto do relato, o chefe da polícia interrompe o director dos Correios. É que, afirmara-o o director dos Correios, o capitão Kopeikine perdera um braço e uma perna; ora Chichikov... O director dos Correios solta um grito, dá uma grande palmada na testa e desfaz-se em desculpas. Claro que Chichikov não pode ser o capitão Kopeikine. Como é possível que o pormenor do braço e da perna a mais lhe tivesse passado despercebido? Enfim: patético, não é? Como são volúveis, os russos, sempre predispostos para a dispersão, nunca centrados no essencial. Nós não. E eu muito menos. É por isso que abordarei sem delongas nem tergiversações o tema do futebol e, mais especificamente, o da participação portuguesa no Euro.

Há-de correr bem.



publicado por José António Abreu às 20:29
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 12 de Junho de 2012
Esta inércia incapacitante...

Sinto-me o garagista do velho anúncio da Dyane. Os acontecimentos passam-me ao lado «e eu a vê-los passar». Para ser franco, quase nem tenho visto os noticiários. Praga fez-me perder a vontade de acompanhar a histeria do quotidiano – e mais ainda de perder tempo a escrever sobre ela. Também, o que raio se tem passado?

 

António Borges – e, como por cá nunca ninguém pode ter (muito menos emitir) opiniões sem autorização do chefe, Passos Coelho – é crucificado por dizer o óbvio: no ponto a que chegámos, sem desvalorização fiscal ou níveis de crescimento económico inatingíveis (mesmo que houvesse algum dinheiro para os famigerados «estímulos»), a única forma de ajustamento é através da redução de salários ou, mais genericamente, do poder de compra. O processo até já começou há vários anos mas, perante realidades desagradáveis, continuamos a preferir o silêncio – ou declarações de circunstância. Nada de novo, portanto.

 

Em Espanha, a propósito de realidades desagradáveis (a iminência do colapso financeiro), a preocupação do governo é passar a imagem de que, ainda que os bancos espanhóis precisem de ajuda, o governo espanhol não precisa de ajuda. Com ligeiríssimas nuances ao nível do enredo, já vimos este filme. Nada de novo, portanto.

 

Em Portugal, num comício de apoio a um partido candidato às eleições na Grécia, Francisco Louçã atribui a culpa de todos os problemas do mundo à Alemanha. À primeira vista, nada de novo. Ainda assim, fico um bocadinho banzado por ele culpar a Alemanha pelas dificuldades da banca espanhola. Terá sido a compra desenfreada de casas de férias em Maiorca e Ibiza por parte de cidadãos alemães a causa da bolha imobiliária? Não fosse esta inércia incapacitante, pesquisaria o assunto.

 

No primeiro jogo do Europeu de futebol, a equipa portuguesa, repleta de craques quase tão à vontade a domar uma Adidas Tango como as centenas de cavalos de um Lamborghini Aventador ou de um Bentley Continental GT, só começa a jogar depois de estar a perder. Nada de novo, portanto. Por muito que me custe, devo até admitir que o futebol representa bem o país.

 

Enfim: vale a pena perder tempo a escrever sobre tais assuntos? Nah. Pelo que me parece que ainda não vai ser hoje.



publicado por José António Abreu às 13:01
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quinta-feira, 17 de Maio de 2012
Quanto aos rumores sobre a Grécia ter de sair do Euro:

Então porquê? Tentaram comprar os árbitros com dinheiro do FMI? E quem jogaria com a Polónia no encontro de abertura?



publicado por José António Abreu às 13:44
link do post | comentar | favorito

Domingo, 5 de Fevereiro de 2012
Sporting

No fundo, vivendo de ilusões e derrotas consecutivas*, já era. Mas a situação de falência iminente demonstra sem margem para dúvidas que, ao contrário do que defendem os pretensos seis milhões de benfiquistas, o Sporting é o clube que melhor representa o país.

 

* Houve mais uma esta noite, contra o Gil Vicente, por 0-1. Não foi um grande golo mas é um grande galo. De Barcelos.



publicado por José António Abreu às 01:41
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

Segunda-feira, 21 de Novembro de 2011
Explicação para o bom momento do Sporting

Em tempos de crise temos uma vantagem competitiva. Estamos habituados. A crise é o nosso ambiente natural.



publicado por José António Abreu às 12:47
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sexta-feira, 23 de Setembro de 2011
Nota para memória futura

Não entrar num café apinhado de portistas para espreitar o resultado do Porto - Benfica vestindo uma t-shirt vermelha, ainda que sem qualquer relação com o Benfica.

 

Adenda: estudar melhores formas de reagir do que gritando: «Eh pá, mas eu até sou do Sporting!»



publicado por José António Abreu às 21:33
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

Sexta-feira, 20 de Maio de 2011
De como o excesso de futebol e o défice de outros desportos nos meios de comunicação é culpa das mulheres
As dúvidas e opiniões que Patrícia Reis (que tem um livro novo) expressa neste texto são partilhadas por muita gente. Porque dispõe o futebol de tamanha exposição mediática? Porque não obtêm outros desportos mais do que alguns segundos nos noticiários e isto apenas nas raras ocasiões em que, contra expectativas e razoabilidade, um português consegue alcançar um resultado de topo? Porque esquecemos os atletas que mais medalhas trazem para Portugal – os para-olímpicos?

 

Eu concordo que não devia ser assim. Desde logo, faz-me espécie prestar-se atenção apenas ao futebol masculino mas aceito que esta possa ser uma questão eminentemente pessoal – por razões ergonómicas, tendo a preferir a versão feminina da maioria dos desportos (e depois há uns casos em que me é indiferente). Mais importante, tal como a Patrícia acho exasperante que se dedique tanto tempo a apenas um desporto – qualquer que ele seja. Mas julgo perceber porque é que isso acontece.

 

Quem vê desporto na televisão e compra jornais desportivos? Quem até, provavelmente, compra a maioria dos restantes jornais? Os homens. As mulheres não ligam a desporto. Pelo menos o bastante para se sentarem à frente de um televisor ou comprarem um jornal. (Generalizo, obviamente.) De quando em quando, as mulheres podem pensar, com um carinho inteiramente sincero, que os campeonatos para-olímpicos são uma coisa bonita, podem espreitar uma prova de ginástica ou de patinagem artística, mas ver mesmo desporto – não vêem. Preferem a Oprah, séries, filmes, telenovelas, o What Not to Wear e o Rachel Zoe Project. Se as mulheres gostassem tanto de patinagem artística como gostam de roupa, maquilhagem e decoração, a SIC Mulher apresentaria patinagem artística duas vezes por dia, existiriam revistas e jornais só acerca de patinagem artística e rapidamente os canais generalistas de televisão teriam programas de debate em que se analisaria a qualidade dos triplos Axel realizados nas provas do fim-de-semana anterior. Hélas, as mulheres não gostam assim tanto de patinagem artística nem de qualquer outro desporto. Isso faz com que sejam os homens a definir que desportos se vêem na televisão e sobre que desportos se lê nos jornais. Ora os homens são seres simples, de gostos limitados e com tendência para a conformidade (continuo a generalizar). A partir do momento em que as mulheres lhes deixam o campo livre pode dizer-se adeus aos para-olímpicos na televisão. E até à patinagem artística. Para a sensibilidade masculina (nem sempre é oxímoro), as provas para-olímpicas são um mau espectáculo televisivo e a patinagem artística não é muito melhor. E como é o gosto pelo futebol que é inculcado nos homens desde criança e o futebol é que dá para discutir durante a pausa para o café por ser o que vêem todos os outros homens (menos uns tipos esquisitos como eu), vê-se futebol. As televisões (como as rádios e os jornais) não podem então fazer outra coisa senão ir atrás do consumidor-tipo (que, neste caso, é um consumidor-gajo) e, numa espécie de pescadinha de rabo na boca, começam a passar apenas futebol.

 

Este é o pecado original. Depois existem factores agravantes. A passagem de alguns desportos para canais de assinatura retirou-lhes notoriedade. Por exemplo, há dez ou quinze anos via-se bastante automobilismo (especialmente Fórmula 1) na televisão de sinal aberto. Agora, esta raramente aborda o tema. Por outro lado, a fauna que gravita em torno do futebol, dos dirigentes aos adeptos passando pelos árbitros e comentadores, nem sempre representa as fatias mais sensatas da população, o que facilita o nascimento de «polémicas» ou «casos». As regras também não ajudam (ninguém fica duas semanas a discutir se uma bola do Federer foi dentro ou fora do court porque isso é imediatamente verificado). O factor de tribo que se gera ao aderir a um clube (e, mais ainda, a uma claque) e a necessidade de arranjar formas de escape numa sociedade que reprime cada vez mais a exteriorização dos instintos (ver esta excelente entrevista feita por Paulo Moura a J. G. Ballard em 2005, já mencionada aqui) tornam os actos de violência mais prováveis. A conjugação disto tudo é um cocktail explosivo que os meios de comunicação agradecem e cujos efeitos amplificam, num encantador efeito bola de neve. Outros desportos podem apresentar alguns destes elementos (também há fanáticos da Ferrari, por exemplo) mas, na falta dos restantes, o efeito bola de neve é inexistente ou muito menor (não andam à batatada com os adeptos da McLaren.)

 

De qualquer modo, nenhum destes factores invalida a tese, pelo que a conclusão é inevitável: a culpa de se prestar pouca atenção a desportos que não o futebol nos meios de comunicação (e, por conseguinte, na sociedade) é essencialmente das mulheres. E, pronto, um bocadinho – mas só um bocadinho – dos homens.



publicado por José António Abreu às 00:37
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

Quinta-feira, 19 de Maio de 2011
É lindo ver tantas bandeiras portuguesas, pá...

Vi o final do jogo. E percebi por que motivo o Porto foi buscar o João Moutinho ao Sporting: é sempre conveniente ter no plantel pelo menos um jogador português.

 

(E para evitar uma série de comentários desnecessários: parabéns ao Porto. E ao Braga.)



publicado por José António Abreu às 08:31
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 18 de Maio de 2011
Hoje é um dia histórico

Hoje é um dia histórico. Reportagem no aeroporto Francisco Sá Carneiro. Um adepto do Porto comprou o bilhete há meses porque tinha «fé». Um adepto do Braga chegou às três da manhã para apanhar um avião que sai às nove. Regresso ao estúdio. Excerto de It's a Beautiful Day, dos U2. Ligação a Dublin onde, afinal, chove. Reportagem com o tio de Domingos Paciência, que prepara uma sardinhada num pavilhão de Matosinhos. Vai levar entre duzentos e trezentos pães mas não apanhei o número de sardinhas.

 

É possível que o noticiário (?) das oito da TSF tenha incluído notícias (?) ainda mais bonitas mas eu, que admito ter uma relação complicada com a paciência (com o Paciência não tenho problemas, pelo menos enquanto ele não for treinador do Sporting), saí do carro antes de se chegar, sei lá, à informação (essa sim, seria relevante) de que hoje as strippers minhotas oferecem lap dances gratuitas aos sócios do Braga. (Aos do Porto parece que já ofereciam – ou era só aos dirigentes?) Enfim, acima de tudo, não esquecer de repetir pelo menos dez vezes durante o dia: hoje é um dia histórico.



publicado por José António Abreu às 08:41
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 30 de Junho de 2010
Bem pode Sócrates pregar o contrário...

Até a jogar futebol Portugal está parecido com a Grécia.



publicado por José António Abreu às 08:04
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Terça-feira, 29 de Junho de 2010
Diferença entre Brasil e Espanha

A Espanha fazia questão de ganhar.



publicado por José António Abreu às 22:48
link do post | comentar | favorito

Falemos então de futebol

Gosto tanto do universo futebolístico como José Saramago gostava do religioso. Tornou-se assim inevitável escrever sobre o assunto. Afinal, os ódios – especialmente os de estimação – são tão estruturantes como as paixões. Como o grande poeta irlandês Paul Hewson* escreveu recentemente: Choose your enemies carefully ‘cos they will define you / Make them interesting ‘cos in some ways they will mind you / They’re not there in the beginning but when your story ends / Gonna last with you longer than your friends. Não estou certo de concordar com a parte final mas o início afigura-se-me perfeito.

 

Adiante. Tratando este texto de futebol, sinto-me quase obrigado a começar com um cliché: eu até gosto de futebol; não gosto é do que se passa em torno do futebol. E do facto de muitas vezes não haver futebol, mesmo dentro do campo de futebol (ou, creio ser assim que se diz, do «rectângulo de jogo»). Vamos por partes (mais que duas).

 

Terminologia

O desporto-rei. O esférico (quando se optar pelo uso de «bola», é conveniente salientar que é redonda). As quatro linhas, ou o rectângulo de jogo. O plano técnico-táctico. O jogo directo. O primeiro poste. A cabeça da área. O pressing. O místere. O manáger. O dérbi. O encontro de alto risco. O frango. O pontapé de bicicleta. O fazer-se à falta. O mergulho (também conhecido por «atirar-se para a piscina»). A falta cirúrgica. O fazer a diagonal. O chuveirinho. O 4-4-2, o 4-3-3, o 4-3-2-1, o 4-1-3-2, o 5-3-2, o 3-5-2, o 4-5,33-0,67 (a táctica da selecção portuguesa quando joga com um avançado baixinho e solitário chamado Liedson, que só toca na bola quando recua até ao meio-campo, altura em que Portugal joga em 4-6-0). O autocarro. A chicotada psicológica. As declarações: estava escrito que o jogo ia acabar empatado, uma equipa só joga o que a outra deixa jogar, há que respeitar o adversário, o resultado acaba por se ajustar ao que se passou dentro das quatro linhas, a haver um vencedor, só podia ter sido o XYZ (que, em futebolês, equivale a «nós»), penso que merecíamos a vitória, tenho que dar os parabéns aos meus jogadores, vocês sabem que eu nunca falo do trabalho do árbitro, o que se passou foi uma vergonha. O apito final.

 

Fitas

Haverá desportista mais fiteiro que o jogador de futebol? Leva um toque na perna direita e atira-se ao chão agarrado à esquerda, como se a tíbia estivesse à mostra e o perónio desintegrado em fragmentos. Quando um esquiador ou um piloto de motos cai e fica agarrado a uma perna, a gente percebe que ela está partida em pelo menos vinte e dois locais diferentes, e também percebe porquê. Um patinador artístico usa calças de lycra e corpete justo mas levanta-se mais depressa do que cai. E não falemos dos tipos do rugby, para quem as lesões serão provavelmente motivo de orgulho tão grande quanto os ferimentos de bala e de arma branca o eram para as personagens desempenhadas por Mel Gibson e Rene Russo no mítico Arma Mortífera 3 (ei, as referências culturais devem ter a profundidade requerida pelo assunto em análise). Já para não falar das fitas dos dirigentes, dos comentadores e dos jornalistas. O futebol é um desporto pejado de prima-donas kitsch, combinação tão pavorosa como pão-de-ló de Ovar com miúdos de frango.

 

Cromos

Do estilo piroseira-ultra-dispendiosa do Cristiano Ronaldo ao estilo grunho-assumido de muitos cabeludos míticos sul-americanos, passando pelo registo pamonha-kitsch do Simão Sabrosa ou pela pose ídolo-das-matinés do Nuno Gomes, é difícil encontrar desporto com mais elevado rácio de mau gosto por dinheiro disponível (o hip-hop seria um bom candidato, se ao menos fosse um desporto). E isto é referir apenas a aparência. Tão ou mais importante são as declarações. Quase toda a gente se lembra de tiradas célebres e os que andam esquecidos podem usar estes links para recordar algumas: 1, 2, 3, 4. Depois há os dirigentes, os árbitros, os fãs (já lá vamos), os comentadores (idem), e o Rui Santos.

 

Comentadores

Onde é que se tira o curso? Era na Independente?

 

Política

Recuso um desporto em que o nível de promiscuidade com o poder é maior do que no conselho de administração das maiores empresas nacionais.

 

Fãs

OK, sou elitista. Mas, com ou sem vuvuzelas, os fãs do futebol são extremamente irritantes. Em primeiro lugar, são muitos e qualquer conjunto grande de pessoas com interesse similar e sem vergonha de o assumir adquire rapidamente tendências totalitárias. Em segundo lugar e em parte decorrente do primeiro, falam alto, em linguagem incompreensível, sobre pessoas chamadas Di Maria, Nani, Hulk, Coentrão, e – já não joga, pois não? Que pena, do nome deste até eu gostava – Martelinho. Depois, são quase todos homens, com pança e bigode (literal ou metaforicamente). Há excepções a este ponto? Há. Algumas fãs que os cameramen das televisões se esforçam por descobrir por entre grunhos e tontos, uma Cinha Jardim fora do prazo de validade, apesar dos corantes e conservantes, e mais umas quantas raparigas que apenas gostam de olhar para os futebolistas, amaldiçoando a regra que os leva a receberem um cartão amarelo quando festejam golos tirando a camisola.

 

Claques

Os fãs de que ninguém gosta. A prova de que o homem do neandertal não se encontra extinto.

 

Empates

Não gosto de empatas nem de empates. O futebol não é o único desporto em que o empate é possível, claro. Mas o facto de ser possível empatar, e de frequentemente isso constituir um mal menor, leva a que o empate se torne no objectivo não-declarado mais vezes do que Sócrates desdiz o que disse garantindo ter sempre dito o que está a dizer. Ora jogar para o empate é de mariquinhas. (Desconfio que nos dias que correm é politicamente incorrecto usar o termo «mariquinhas» para designar atitudes que são, bom, mariquinhas, mas vou deixá-lo ficar porque não encontro melhor para descrever comportamentos que, bem vistas as coisas, são mariquinhas). O futebol está cheio de gente a jogar para o empata. Empatas. Como Carlos Queirós (resumo do jogo com o Brasil: eles não faziam questão de ganhar; nós jogámos à defesa). O empate é pantanoso. Uma coisa disforme. Prefiro ver o Federer perder. É uma sensação mais intensa e definida. Perder com galhardia é mais bonito do que empatar.

 

Hierarquias

O futebol parece-se demasiado com a vida do dia-a-dia. Um clube de futebol tem uma estrutura similar a uma empresa, o que implica hierarquias, jogos de poder, beija-mãos, problemas de motivação e utilização de bodes expiatórios. Ora eu – e certamente não estarei só – já obtenho no emprego quantidades de tudo isso muito acima da dose diária recomendada pela OMS. Por que raio haveria de ter vontade de mergulhar ao fim-de-semana num universo com exactamente as mesmas características? Mais: o futebol é um jogo colectivo, onde – dizem – todos os jogadores são igualmente importantes. Na realidade, como nas empresas, cada jogador desunha-se para sobressair do esforço colectivo (passa o raio da bola, Ronaldo de uma figa!) e a igualdade é ilusória: quantos defesas atingem a fama e a remuneração dos melhores atacantes? Por que motivo se desculpam dez falhanços de um ponta-de-lança mas se crucifica um guarda-redes após um ou dois? Mesmo nós, espectadores, relembramos essencialmente grandes jogadas individuais: Maradona no México em 1986; o calcanhar de Madjer; as performances de João Pinto enquanto jogador do Benfica nos encontros com o Sporting (#$%&£@§). Os «movimentos» colectivos tendem a desvanecer-se da memória. Antes um desporto individual, então. Sempre é menos hipócrita.

 

E já chega, que o Portugal – Espanha está prestes a começar. Qual será a nossa táctica, hoje? 5-5-0? Ou usaremos o quadrado?

 

* Mais conhecido como Bono.



publicado por José António Abreu às 19:20
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Segunda-feira, 10 de Maio de 2010
Bola(s!)

Parabéns aos benfiquistas. Já se pode ligar o televisor?



publicado por José António Abreu às 13:17
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

Sexta-feira, 16 de Abril de 2010
Convicções make the world go round

Luís Figo não merece as críticas que tem recebido na questão Sócrates/Taguspark. Ou alguém duvida que ele agiu exclusivamente em função de convicções – as mesmas que, há dez anos, o levaram a transferir-se do Barcelona para o Real Madrid?



publicado por José António Abreu às 13:20
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2010
Preso por ter cão...
A SIC Notícias abriu o noticiário das dez da noite informando que o Benfica ganhava ao Sporting por três a um. Comentei: «O Sporting ainda vai dar a volta ao resultado.» Obtive risos sardónicos como resposta. Não vale a pena. Sou frequentemente acusado de ser pessimista mas gozam comigo quando tento ser optimista.


publicado por José António Abreu às 00:07
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 2 de Setembro de 2009
Um post em que o senhor jaa tenta ingloriamente imitar o estilo do Senhor Palomar para agradecer a inusitada gentileza do Senhor Palomar

Esta gentileza. E o convite para jantar na caixa de comentários. Claro que mesmo um sportinguista pessimista como o senhor jaa acha que, no caso de Sporting e Benfica se encontrarem na final da Taça Europa, como o Senhor Palomar já antes mostrara desejar num post que deixou o senhor jaa com sentimentos contraditórios (os mesmos com que também ficara ao ler este outro post do Senhor Palomar), o Sporting arranjará maneira de desfeitear as sempre inabaláveis ilusões dos benfiquistas. Mas, porque os tempos estão difíceis e o pragmatismo é hoje uma religião perfeitamente aceite pela sociedade, na eventualidade do cenário apresentado pelo Senhor Palomar se confirmar (o senhor jaa admite que não seria de todo impossível o Sporting perder com um auto-golo marcado no último minuto), o senhor jaa aceita o convite para jantar, que é a forma de sempre ganhar alguma coisa. Para finalizar, gostaria ainda o senhor jaa de alertar o Senhor Palomar que, a menos que seja pelo menos tão rico quanto um ex-administrador do BCP (poderia ser Paulo Teixeira Pinto mas suponho que, nesse caso, faria mais publicidade aos livros de Agustina Bessa-Luís que ao de Roberto Bolaño), deve evitar continuar a oferecer-se para pagar jantares a quem o elogia. É que certas pessoas podem aproveitar-se da sua boa vontade. Como, por exemplo, o senhor jaa.

 

(Já agora, talvez uma qualquer faculdade de psicologia e/ou sociologia pudesse fazer um estudo para analisar se um sportinguista, tarimbado no sofrimento, sofre menos com uma derrota que um benfiquista, ainda prenhe de visões de grandeza. Espero que não. Até para evitar o nível de risco a que ficariam expostos os portistas se tal fosse verdade.)



publicado por José António Abreu às 20:07
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 24 de Agosto de 2009
Humphrey Bogart era do Sporting

Tenho evitado abordar o tema do futebol neste blogue. É possível que isso já sugira que sou sportinguista. Os adeptos do Sporting são muito diferentes dos adeptos do Benfica e do Porto, e não apenas por entre eles se encontrar um número extremamente elevado de banqueiros, como o Gato Fedorento notou há tempos. (Atendendo à reputação actual de tal gente, os restantes sportinguistas prefeririam car-jackers ou mesmo políticos de carreira mas é só mais um entre tantos pontos a encarar com resignação.) O que torna um sportinguista num verdadeiro sportinguista é a atitude entre a confiança impetuosa e a dúvida persistente, entre a vontade de voar e a quase-certeza de que, se der o famoso passo em frente à beira do precipício, cairá a pique. É, se quiserem e para facilitar, uma abordagem intelectual e artística da vida e do jogo de futebol. Ouço já vozes em protesto avançando nomes de intelectuais confessadamente adeptos de Benfica e Porto mas peço que não invadam por enquanto a caixa de comentários com bombas, petardos e very-lights; creio que, mesmo não sendo sportinguistas, irão conseguir perceber a diferença. (E admito também que uns quantos sportinguistas não o conseguirão; há sempre gente enganada na porta.)

 
Os sportinguistas encaram a vida com a delicadeza da derrota quase assegurada e a certeza de que os bons momentos são para saborear com um misto de alegria e incredulidade. Com a convicção de que tal só se consegue se esses momentos não se banalizarem. Se não ocorrerem com demasiada frequência. Vencesse o Sporting tantas vezes quanto o Porto o faz e qualquer verdadeiro sportinguista ficaria horrorizado ou, no mínimo, incomodado. Pensaria: o que se passa? Que sensação básica é esta que perde o sentido tão rapidamente? Porque uma coisa é assistir em êxtase à conquista improvável de um campeonato, outra banalizar esse instante ano após ano. O sabor forte da vitória só pode ser plenamente apreciado em contraponto ao paladar agridoce da derrota. E este é um pitéu que apenas os sportinguistas apreciam devidamente. (Nas últimas décadas os benfiquistas têm-no provado com frequência mas invariavelmente, e por muito intelectuais que pareçam – lá está –, cospem de imediato, por entre trejeitos de desagrado). Estar quase vinte anos sem ganhar o campeonato, ficar em segundo quatro vezes seguidas, aprender a gostar de um estádio com azulejos e pintado de verde e amarelo, ver o jogador que acaba de marcar o golo do empate num jogo europeu ser expulso por um acto tão deliciosamente inesperado como o da mais burlesca personagem de Beckett, perder uma final da taça UEFA disputada no próprio estádio – ah, nem os últimos segundos de La Traviata, aqueles em que Violetta se levanta por instantes para dizer que se sente melhor, antes de tombar morta.
 
Deixem-se as celebrações aos portistas e as ilusões aos benfiquistas. Ou, se preferirem, os blockbusters de Hollywood aos portistas e as promessas governamentais aos benfiquistas. Os sportinguistas têm outras coisas. Têm a estranheza do Buster Keaton, o sacrifício da Tosca, as fotos do Steve McCurry, as páginas do Francisco José Viegas (sim, são sportinguistas), o sorriso da Mona Lisa, a angústia da Sagração da Primavera, os poemas do Pedro Mexia (sim, são sportinguistas), a eternidade do Butch Cassidy e do Sundance Kid, a glória amarga da carga da brigada ligeira, o desespero de Love Will Tear Us Apart, a melancolia do último dos moicanos, as reflexões do pensador de Rodin. Têm o final do Casablanca.
 
Têm a arte.
 
 (Se bem que, ok, por vezes um pouco mais de engenho não fizesse mal.)


publicado por José António Abreu às 13:10
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

Sábado, 4 de Julho de 2009
Os benfiquistas são os verdadeiros portugueses

Por ser simpatizante do Sporting e, mais importante, pouco apreciador do universo futebolístico, tinha prometido a mim mesmo não fazer comentários sobre as eleições do Benfica. Mas, aqui sentado com a televisão a mostrar-me debates onde Benfiquistas evitam criticar as manobras sujas que caracterizaram a marcação das eleições ou a necessidade de um dos candidatos votar com escolta policial, resultados eleitorais de república das bananas, vaias aos derrotados e à comunicação social, entradas triunfais do inesperadíssimo vencedor, um discurso (cuja transmissão em directo obriga à interrupção de um debate sobre o estado da Nação na SIC Notícias) em que o presidente da vetusta e heróica agremiação parece não ir chamar “garotões” aos derrotados, acusando-os apenas de falta de dignidade, tenho que admitir que o Benfica é de facto o único clube verdadeiramente representativo dos portugueses. Dos mesmos que elegem Alberto João Jardim, Fátima Felgueiras ou Valentim Loureiro. Dos mesmos que cospem ou atiram lixo para o chão. Dos mesmos que ziguezagueiam por entre o trânsito e queimam os semáforos vermelhos. Acredito agora que o Benfica tenha os famosos seis milhões de adeptos. Talvez até sete, talvez até oito. Parabéns ao Benfica. Parabéns a Portugal.



publicado por José António Abreu às 00:02
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

19
20

26
27
28
29

30


à tona

Eu e Ronaldo

Tensão no estacionamento ...

Merci bien, Volkswagen

Futebol, esse desporto ig...

Alívios

Novo estudo sobre tendênc...

Check-list

Excelente timing de Passo...

Amesterdão

Reestruturação da dívida

De volta à rotina ou welc...

A razão por que a Alemanh...

O essencial, sem rodeios

Esta inércia incapacitant...

Quanto aos rumores sobre ...

Sporting

Explicação para o bom mom...

Nota para memória futura

De como o excesso de fute...

É lindo ver tantas bandei...

Hoje é um dia histórico

Bem pode Sócrates pregar ...

Diferença entre Brasil e ...

Falemos então de futebol

Bola(s!)

Convicções make the world...

Preso por ter cão...

Um post em que o senhor j...

Humphrey Bogart era do Sp...

Os benfiquistas são os ve...

6 comentários
5 comentários
reservas de oxigénio
Clique na imagem, leia, assine e divulgue
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
tags

actualidade

antónio costa

blogues

cães e gatos

cinema

crise

das formas e cores

desporto

divagações

douro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

futebol

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

música recente

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
Fazer olhinhos
subscrever feeds