como sobreviver submerso.

Quinta-feira, 19 de Novembro de 2015
À consideração de Cavaco Silva: a sugestão do meu amigo Nuno

Governo de iniciativa presidencial liderado por António José Seguro.



publicado por José António Abreu às 17:41
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 23 de Outubro de 2015
Posições políticas, interesses de curto prazo e a certeza de um futuro pouco agradável

1. Imperdoável. Cavaco tem posições políticas e age em função delas. Em 1987, Soares podia tê-las e fazê-lo. Em 2005, Sampaio podia tê-las e fazê-lo. Em 2015, Cavaco - eleito em sufrágio directo à primeira volta mas não socialista - devia limitar-se a assinar de cruz o que as mentes progressistas, bem pensantes - sempre elas, neste malfadado país - lhe dizem para assinar.

 

2. Na Alemanha, essa nação que odiamos porque recusamos admitir invejá-la, os socialistas entraram para o governo após negociações longas e duras - mas francas. Por cá, os socialistas, com uma sede de poder que caracteriza bem a parte do mundo a que Portugal na realidade pertence, escolhem os seus interesses de curto prazo (que, da sobrevivência política de António Costa à obtenção de sinecuras, passando pelo controlo de processos judiciais sensíveis, são muitos e variados) em detrimento do país. Quem ainda tinha esperanças deve perdê-las: não apenas nunca atingiremos o nível de vida alemão como será uma sorte não cairmos para o nível de vida venezuelano.

 

3. Governo de gestão, governo PS com apoio ilusório do PC e do Bloco ou governo PS com programa definido por PC e Bloco? Para o país, a primeira hipótese. Mas venha o diabo e escolha. O que, do ponto de vista da esquerda, é mais ou menos o que acontecerá.



publicado por José António Abreu às 11:23
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 27 de Novembro de 2014
O pior de dois mundos

José Sócrates foi o pior primeiro-ministro da terceira república e um dos três políticos portugueses mais importantes das últimas três décadas e meia (estou a recuar apenas até à morte de Sá Carneiro mas provavelmente poderia ir até 1974). Conseguiu-o unindo as piores características dos outros dois: Cavaco Silva e Mário Soares.

 

Como tem sido abundantemente referido, Cavaco lançou o modelo económico baseado em investimento público em infra-estruturas, desinteresse pelo sector de bens transaccionáveis, sistema de ensino mais baseado na massificação do acesso do que na qualidade, sector público cada vez maior e mais difícil de controlar. Mas Cavaco ainda pode apresentar uma desculpa: em 1985, quando chegou ao poder, Portugal era muito diferente. Justificava-se algum investimento em obras públicas, para mais quando estavam disponíveis fundos comunitários para o efeito (poucos se lembrarão mas não existia sequer uma auto-estrada completa entre Lisboa e Porto). Justificava-se claramente a reforma do sistema fiscal (uma alteração que queda esquecida, nesta época em que não convém dizer bem de Cavaco). Justificava-se a tentativa de abrir o sistema de ensino ao maior número de alunos possível, após décadas de salazarismo, ainda que fazê-lo demasiado depressa acarretasse riscos – comprovados – de quebra na qualidade. Apesar de ter sido feita por motivos eleitoralistas, justificava-se em parte a reforma do sistema retributivo da Função Pública, muito mal paga durante o salazarismo (e, sim, um país evoluído necessita de uma boa Função Pública, o que implica salários convenientes). O grande problema dos governos de Cavaco (em especial dos maioritários, em especial do segundo) foi o descontrolo em que se entrou – e (um ponto indesculpável) o desprezo a que foi votado o sector de bens transaccionáveis, com o desmantelamento forçado (começo a soar como o PC mas, de longe a longe, serve como purgante) da capacidade instalada em vários sectores, entre os quais a agricultura (hoje em crescimento). Mas, se Cavaco lançou o modelo, ninguém depois dele foi capaz de o ir corrigindo à medida das necessidades. O sector público, pejado de corporações, tornou-se demasiado forte; os empresários do regime, muitos dos quais ligados à construção civil e à banca, manobraram para que os dinheiros públicos continuassem a fluir na sua direcção; a baixa de juros conseguida com a introdução do euro iludiu toda a gente, gerando níveis insustentáveis de endividamento, potenciados durante longo tempo pelo Estado através de bonificações ao crédito e benesses em sede de impostos sobre os rendimentos. Quando Durão Barroso afirmou que o país estava «de tanga» e urgia tomar medidas desagradáveis, todos lhe caíram em cima – da comunicação social a Jorge Sampaio, passando por um Partido Socialista que saíra do poder com referências ao «pântano» mas as esqueceu de imediato para tombar no populismo e na demagogia habituais. E depois veio Sócrates. E foi então que o modelo a que Cavaco entretanto descobrira as falhas atingiu o esplendor máximo, em particular após a crise financeira internacional abrir portas à versão de que era urgente estimular a economia, devendo o controlo do défice ser preocupação para mais tarde (foi-o e todos sabemos com que consequências).

 

A influência de Mário Soares no período Sócrates é mais subtil mas ainda mais perniciosa. Soares, que sempre se moveu numa esfera de inimputabilidade, representa uma maneira de ser (talvez mais do que «agir») bastante disseminada na sociedade portuguesa, assente em grupos de amizade e troca de favores. Mais do que o socialismo, a ideologia de Mário Soares é o bem-estar pessoal e dos seus próximos. Daí não ter tido quaisquer problemas em, enquanto primeiro-ministro, implementar medidas do FMI similares às que nos últimos anos criticou. Daí nunca ter mostrado reticências em dar preferência a pessoas e organizações fora do quadrante ideológico a que presumivelmente pertence – pense-se em Savimbi e na UNITA. Soares move-se num mundo onde os que estão do lado dele são intrinsecamente bons e não merecem sujeitar-se às minudências das regras – ou mesmo (veja-se Craxi ou as declarações actuais sobre a detenção de Sócrates) das leis. Move-se também num mundo cosmopolita, de ideias e frases (feitas) grandiosas. É um bon vivant. Embora consiga mostrar-se à vontade entre o «povo» (num registo apenas ocasionalmente manchado por uma certa condescendência), aprecia dar-se com pessoas importantes e faz questão de que se saiba que o faz (mon ami Mitterrand). Muitos já o afirmaram: mais do que as diferenças políticas (durante muito tempo, tão ligeiras quanto as diferenças entre o estilo de governação tradicional dos governos do PS e do PSD), foi esta faceta que o afastou de Cavaco. Para Soares, Cavaco era – e é – plebeu, inculto, grosseiro (relembre-se a famosa fatia de bolo-rei). Nada como Soares, como os seus amigos socialistas ou mesmo como os líderes anteriores do PSD. E, no entanto, carregado com todos estes defeitos, vindo de fora do sistema (Cavaco afirma frequentemente não ser um político, o que é quase verdade quando o seu percurso é comparado ao de Soares), Cavaco retirou Soares e os seus do poder, conseguindo a então quase mítica maioria absoluta. Imperdoável. Anos mais tarde, para tentar impedir Cavaco de chegar a Belém, Soares incompatibilizar-se-ia mesmo com um velho amigo, Manuel Alegre, sofrendo a sua mais estrondosa derrota política (como deve ter doído a um homem que cruzou armas com – e venceu, apesar de pelo menos num dos casos tal ter sucedido por falta de comparência – políticos da estirpe de Álvaro Cunhal e Sá Carneiro). Hoje, quando a idade já não lhe permite alinhavar as ideias de forma a criar uma versão inteiramente coerente e pessoalmente vantajosa de acontecimentos que lhe desagradam (algo em que Sócrates é mestre), alguns acusam Soares de senilidade. Não nos conceitos por trás do discurso. Os conceitos são os de sempre: ele e aqueles que lhe agradam são impolutos e, acima de tudo, intocáveis.

 

José Sócrates constitui a pior amálgama possível das características dos dois – e, por conseguinte, o pináculo dos piores defeitos nacionais. De Cavaco, herdou a tendência autoritária (que, no fundo, embora em registo soft, Soares também possui), levando-a muito para além do que deveria ser politicamente (e talvez criminalmente) aceitável. Em ambos, vislumbra-se a sombra de um Salazar que ainda há não muitos anos foi eleito o maior português do século XX. Terem sido os únicos a conseguir maiorias absolutas para os seus partidos é sinal revelador da necessidade de pastoreio que os portugueses continuam a sentir. Sócrates herdou também de Cavaco a tendência para meter o Estado em todos os recantos da actividade económica e não vale a pena pretender que, num caso como no outro, isso não originou corrupção. Mas Cavaco tinha – ou parecia ter – mais um ponto em comum com Salazar: a frugalidade. Esta é uma característica que Sócrates, crescido no país novo-rico que as políticas de Cavaco originaram, claramente dispensa. Pelo contrário: como Soares, Sócrates quer viver da forma a que julga ter direito. Quer dar-se com pessoas importantes (à falta de Mitterrand, arranjam-se Chávez e Kadhafi), vestir e comer bem, ser olhado com admiração (uma diferença substancial em relação a Soares – e Cavaco: confunde admiração com temor ou, pior, até gosta de ser temido). Quer decidir, conceder favores, controlar tudo. São estes factores, e não convicções ideológicas, que o levam a aumentar o papel do Estado na Economia (um Estado grande faz com que Sócrates seja mais necessário, mais bajulado – em suma, mais poderoso) e também às manobras para controlar a comunicação social. Está no centro de um grupo de «amigos» (talvez sem aspas, não sei) que surgem em inúmeros negócios com o Estado ou controlam neste posições-chave. Atira meia dúzia de ossos à esquerda (as «causas fracturantes») e mantém um discurso de defesa do Estado Social enquanto gere o interesse público com os amigos e em função deles. (Cavaco também teve um círculo de amigos de carácter duvidoso mas nunca pareceu privilegiá-los, pelo menos durante o tempo em que exerceu funções públicas – a dada altura, até parecia farto deles.) Apanhado na teia de vários escândalos, escapa às questões da Justiça, onde alguns dos referidos amigos ocupam posição de poder, e responde às da comunicação social com a assinalável capacidade para, independentemente do teor das perguntas, repetir ad nauseum e em tom ultrajado meia dúzia de frases feitas. Estávamos nos tempos em que a comunicação social já era abjecta (enfim, alguma comunicação social, que outra, por convicção, interesse ou medo, continuava a apoiá-lo) mas em que a Justiça, dispensando-o das explicações (até poderia estar inocente mas a acumulação de indícios era excessiva para tamanha indiferença), decidia bem. Hoje, que lhas pediu, a Justiça é um antro de conspiradores. Dizem-no os seus amigos. Di-lo o seu mais dilecto pai espiritual, Mário Soares. Estão todos certos. Gente superior não merece tal tratamento. Merece passar por entre as gotas da chuva - e ser aplaudida, em vez de questionada, por tão fabulosa capacidade.


publicado por José António Abreu às 13:39
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 31 de Março de 2011
Uma nota rápida e depois podem chamar-me Zandinga

A nota rápida: não entendo por que razão o pessoal de esquerda não aprecia Cavaco. Exceptuando o ocasional discursozito ácido e uma ou outra referência distraída ao «Ultramar», ele faz tudo para lhe agradar. Até na marcação da data das eleições.

 

O motivo por que me podem chamar Zandinga: este post com um ano de idade (leiam a antepenúltima frase, vá).



publicado por José António Abreu às 21:28
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 5 de Janeiro de 2011
Manuel Alegre tira-me todas as dúvidas
Pronto. Está decidido e não volto a pensar no assunto. É verdade que escrevi isto mas Manuel Alegre acaba de garantir mais um voto em Cavaco Silva.

 

(Quanto à polémica sobre as acções da SLN, aconselho a leitura deste post e do artigo do Expresso nele referido.)


publicado por José António Abreu às 20:51
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 27 de Outubro de 2010
Bocejo e exasperação
Desisti após «depois de uma profunda reflexão», «esta não é uma decisão que se tome de ânimo leve» e «é preciso consultar a família», ou algo nestas linhas. Ainda há quem tenha pachorra para frases feitas tão obviamente falsas que apenas a Sócrates devem ter soado bem?

 

Quanto ao resto, espero que todas as sondagens mostrem que vai ser eleito facilmente à primeira volta para eu não ter de votar nele.



publicado por José António Abreu às 08:20
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Quinta-feira, 1 de Outubro de 2009
Clareza

Como penso ter deixado claro aqui, não concordo com a ideia de que o presidente deva ser “neutro” ou um “árbitro”. O que me incomoda no comportamento de Cavaco Silva não é, por isso, que ele tenha uma posição e que a exprima. Todos os presidentes – todas as pessoas com um mínimo de capacidade cognitiva – a devem ter, todos, de uma forma ou outra, a exprimiram. Para mais, se a posição dele é que este governo é mau e que o Partido Socialista (com Sócrates à cabeça) é manipulador, eu não podia estar mais de acordo com ela. O que me incomoda é a aparente – e escrevo “aparente” porque ninguém parece saber exactamente o que é real e o que é jogo de espelhos – incapacidade que Cavaco revelou para jogar de forma minimamente limpa. Manobras de intoxicação da opinião pública, alicerçadas em suspeitas que parece mais provável terem nascido num sonho particularmente agitado ou numa piada de mau gosto que lhe ficou a zunir na cabeça do que em verdadeiros indícios de acções condenáveis por parte do governo (e há tantos), são indignas de um Presidente da República. Eu quero um presidente com opiniões, claro a defendê-las e assumindo os riscos de o fazer. Quero um presidente que use os poderes que tem e que, em algumas áreas, até possa vê-los reforçados. Não sei se isso me faz “presidencialista”. Do que tenho a certeza é que, da mesma forma que prefiro programas eleitorais claros, também na presidência prefiro clareza a meias palavras, a silêncios incómodos ou a recados oblíquos transmitidos por processos ínvios. Como escrevi aqui, a “forma” de Sócrates e do PS seria sempre suficiente para eu os recusar, mesmo que o “conteúdo” fosse bom. Cavaco Silva vai pelo mesmo caminho. Esperemos (sentados e sem reter a respiração) que, ao contrário do que sucedeu sempre com Sócrates, tenha aprendido alguma coisa.



publicado por José António Abreu às 13:27
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 30 de Setembro de 2009
Fotograma de um sonho de Cavaco Silva



publicado por José António Abreu às 19:26
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Passatempo

Ordene em duas listas distintas os vinte termos apresentados abaixo. Na primeira deve colocá-los por ordem decrescente de importância para a felicidade de um qualquer país (em primeiro lugar o que achar mais importante, em vigésimo o que considerar menos importante). Na segunda deve colocá-los pela ordem que pensa estar a ser seguida num país específico chamado Portugal. Se não existirem diferenças entre as duas listas, parabéns. Pode considerar-se uma pessoa perfeitamente integrada na sociedade. Se as diferenças forem significativas tem quatro possibilidades: a) queima a primeira lista, esforça-se por apagá-la da memória (bebidas brancas podem ajudar) e entra no espírito da política portuguesa; b) o mesmo que a) mas, em vez de entrar no espírito da política portuguesa, deixa de ler jornais, ouvir rádio e ver televisão; c) torna-se progressivamente uma pessoa tensa e exasperada; d) emigra.

 

Os termos são: cooperação, défice, investimento, fontes, desemprego, notícias, e-mail, justiça, politiquice, competitividade, comboios, crise, endividamento, porreiro, gripe, auto-estradas, guerrilha, exportações, escutas, pobreza.



publicado por José António Abreu às 19:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 29 de Setembro de 2009
Remate tardio

Como se esperava, a comunicação do Presidente da República pouco esclarece. Mas, se Cavaco acredita mesmo que o Partido Socialista o usou para prejudicar o PSD, devia ter falado antes das eleições. Ao não o fazer, aceitou ser usado pelo PS.



publicado por José António Abreu às 20:42
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

O nervosismo de Cavaco

Estou à espera de que hoje às 20:00 horas, aquando da comunicação ao país, Cavaco Silva pareça nervoso. Afinal, se a ideia de poder ter andado a ser escutado o incomodou tanto, não poderá sentir-se à vontade tendo a certeza de que milhões de pessoas que não consegue ver o estão a escutar com atenção.



publicado por José António Abreu às 13:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 22 de Setembro de 2009
Sócrates agora, Cavaco mais tarde

Entendamo-nos: a confirmar-se que Cavaco Silva esteve por trás da notícia do Público sobre a suposta vigilância da presidência por parte do governo, ele fica muito mal na fotografia. Se tinha suspeitas, Cavaco devia ter confrontado o governo ou tomado outras acções que considerasse necessárias (incluindo, no limite, demitir o governo), não usar jornais para passar mensagens para a opinião pública.

 
Mas entendamo-nos também noutro ponto: por enquanto, a questão é outra e chama-se “legislativas”. É a acção do governo Sócrates que está em avaliação. De Cavaco, tratar-se-á em 2011. E Sócrates e o PS não merecem a vitória. Pela arrogância, pelas perseguições (sim, existe “asfixia democrática” em Portugal e não são necessários microfones no palácio de Belém para o comprovar), pela governação nestes quatro anos e meio, pelo desvario projectado para o futuro.
 

Talvez a única solução sensata seja correr com Sócrates agora e com Cavaco em 2011. O problema é que, nos dias que correm, sensatez e política parecem inconciliáveis.



publicado por José António Abreu às 19:11
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Segunda-feira, 6 de Julho de 2009
O presidente mudo

Cavaco Silva passou a estar sob fogo. As declarações acerca do acto do ex-Ministro Manuel Pinho geraram todo um manancial de críticas (p. ex., aqui, aqui, aqui, aqui e aqui) a que Tiago Moreira Ramalho responde (bem) aqui. Mas este foi pouco mais que um fait-divers. Na realidade, as críticas ao presidente, vindas por vezes (como abordei aqui), do topo da intelligentsia do Partido Socialista, têm aumentado em número e em tom. Parte delas nascerá do desespero dos socialistas, sentindo-se prestes a perder as eleições legislativas e tendo já quase garantidamente deixado esfumar a hipótese de nova maioria absoluta. Ainda assim, quem critica Cavaco devia lembrar-se que, mesmo com uma Constituição altamente limitadora dos seus poderes, o presidente não é um espectador mas um actor político com opiniões. Que, como se verá, todos os presidentes anteriores fizeram questão de expressar com frequência.

 
Cavaco Silva foi eleito em Janeiro de 2006, estava o governo do PS em funções há cerca de nove meses. Durante a campanha foi notório que Cavaco não discordava de muitas medidas já anunciadas pelo governo: reformas da função pública, da educação, da saúde ou da segurança social, esforços para controlo do défice, política europeia, até mesmo uma certa ideia de estilo governativo (em 2005 e 2006 Sócrates era admirado por quase todos por conseguir manter os membros do governo calados e por gerir os anúncios de forma brilhante). Por ter opinião positiva do governo, Cavaco entendeu-se bem com ele durante os primeiros anos. Relembre-se quão frequentemente foi dito e escrito que Cavaco via com bons olhos a acção da ministra da Educação ou do ministro da Saúde. Aliás, muitos socialistas que, durante a campanha eleitoral, haviam prognosticado um estado de conflito permanente, reconheciam nesta fase que PS e governo não tinham razões de queixa do Presidente (p. ex., Jorge Coelho na Quadratura do Círculo desses tempos). Entretanto a situação alterou-se. O PS assaltou o Estado. Colocou os famosos boys que Guterres, em 1995, pedira que fossem mantidos afastados, por todo o lado, com as consequências conhecidas: perseguições a professores, a sindicatos, à comunicação social. Ao mesmo tempo, a concretização das medidas anunciadas (uma, mais outra, e ainda mais outra vez) ia-se arrastando (excepção para a reforma da segurança social que, concorde-se ou não com os princípios que a nortearam, foi levada a cabo rapidamente). E quando os protestos surgiram em força (como surgiriam, atendendo à estratégia de diabolizar e atacar indiscriminadamente toda a gente dentro das várias corporações) entrou-se primeiro numa fase de autismo e depois na mais pura confusão. Resultado? Falhanço na reforma educativa, com ponto alto no Kafkiano sistema de avaliação dos professores. Resultados mitigados na reforma do sistema de saúde que, no auge da contestação, obrigou à imolação do ministro. Paralisação do sistema judicial. Confusão total nas obras públicas, resultado da insistência em projectos megalómanos e em escolhas que rapidamente se revelaram erradas (“margem sul jamais”). Uso da máquina fiscal (cujo aumento da eficiência é positivo mas, em grande medida, não foi fruto de trabalho deste governo) para perseguir contribuintes, mantendo o Estado o hábito de não pagar a quem deve. Estou certamente a esquecer-me de inúmeros pontos mas estes bastam como exemplo. Até porque ainda é preciso realçar outro factor: o estado de graça, que durou mais de dois anos, extinguiu-se (como seria de esperar mas, aparentemente, para grande surpresa e ultraje do PS e de Sócrates) com a revelação de que o Primeiro-Ministro acabara a licenciatura ao domingo e fizera exames de “inglês técnico” por fax, que assinara horríveis projectos que não projectara, e que poderia estar ligado a um caso grave de corrupção (licenciamento do Freeport). Os histéricos ataques aos órgãos de comunicação social que noticiavam estes assuntos, com processos judiciais quase burlescos a comentadores que faziam comparações irónicas envolvendo Cicciolina e acusações desembestadas a noticiários televisivos, não ajudaram.
 
Perante tudo isto, devia Cavaco Silva permanecer em silêncio? Mesmo considerando ele, como todos estamos conscientes que considera, que a política anunciada, em particular ao nível das obras públicas, é negativa para o futuro do país? Devia abster-se de intervir, em nome de uma cooperação à qual Governo e PS testaram os limites várias vezes ao longo do último ano (estatuto político dos Açores, lei do divórcio, lei da concentração dos meios de comunicação social)?
Recordem-se os anteriores presidentes do Portugal "normalizado". Eanes teve uma intervenção tão directa na política governamental que chegou a nomear governos sem apoio parlamentar e acabou a criar um partido político. Sei que os tempos eram outros e também penso que, em particular neste último ponto, Eanes não foi exemplo que alguém deseje de volta, mas aconteceu. Soares criticou abundantemente Cavaco, com frequência de forma maquiavélica (mas, reconheça-se, com panache irresistível): basta lembrarem-se as “presidências abertas” e os jantares quase conspirativos. (Ainda assim, talvez hoje Cavaco lamente não ter considerado seriamente uma ou outra crítica.) Sampaio teve a famosa frase “há vida para além do orçamento” num momento em que o governo de Durão Barroso tentava desesperadamente controlar o défice. (Não o ouvi dizer o mesmo quando o governo Sócrates implementou medidas parecidas um par de anos mais tarde.) E foi também o presidente que deu posse a um governo avisando-o de que o ia manter sob vigilância especial e que, meses depois, o fez cair dissolvendo uma Assembleia da República onde continuava a existir uma maioria que o suportava: uma decisão bombástica mas, diga-se, perfeitamente legítima, tomada em nome do que ele entendia ser o interesse nacional (teorias conspirativas à parte).
 
A análise do passado pode mesmo providenciar alguma validação da tese de que é positivo existir um certo nível de discordância entre Belém e S. Bento, vulgarmente expressa na frase “os portugueses não gostam de colocar todos os ovos no mesmo cesto”. Os anos de concordância ideológica (governos Guterres) foram anos de “preguiça” institucional que nos empurraram para a crise estrutural em que estamos mergulhados. Evidentemente que a personalidade e o fraco grau de conhecimento da realidade económica dos intervenientes (Guterres e Sampaio) ajudou. Fosse Cavaco presidente nessa altura, Guterres teria sido mais pressionado a tomar as medidas que se impunham. Da mesma forma, quem entende que o governo de Santana Lopes não tinha condições para continuar a gerir o país (reconhecidamente, a maioria dos portugueses) tem que ver como positivo estar a presidência ocupada por alguém que sempre manifestara reservas quanto ao referido governo. Apenas na época de Durão Barroso a concordância ideológica poderia ter-se revelado benéfica, facilitando a aplicação das medidas indispensáveis para enfrentar a crise, numa época em que o país, saído de um período de abundância, ainda não estava disponível para “sacrifícios”.
 
Seja como for, depois de presidentes assim, e excluindo-se o pânico pré-eleitoral, são as declarações de Cavaco Silva razão para irritações de um governo maioritário ou do partido que o sustenta? Penso estar claro que a) os presidentes sempre opinaram quando acharam dever fazê-lo, e b) é perfeitamente lícito que o façam. O conceito de “presidente de todos os portugueses” é, pelo menos na forma como habitualmente surge, um logro. Nenhum presidente representa “todos os portugueses” no sentido de ter que agir como cada um deles pretende. Seria, aliás, impossível. Não pode também pretender-se que represente os portugueses que elegeram o governo acima dos que o elegeram a ele. (Seria o que aconteceria se permanecesse sempre em silêncio perante todas e quaisquer medidas do governo.) Também não é, como muitas vezes se defende, um “árbitro”. Se o papel do presidente fosse apenas arbitral, bastar-lhe-ia conhecer as regras “do jogo” (definidas na Constituição) e a ideologia seria irrelevante, pois não iria decidir em função dela. Elegê-lo seria um contra-senso. Poderia ser nomeado ou até sorteado. Um presidente é eleito depois de apresentar um conjunto de posições e de convicções e deve presidir em função delas. Obviamente, não tendo poder executivo, deverá procurar consensos com o governo e só o afrontar quando achar indispensável fazê-lo. Mas tem o direito de o fazer. Mais: tem o dever. Em função das suas próprias convicções, cada cidadão decidirá então se ele tem ou não razão. Mas não o pode criticar por falar.

 

(Fotos retiradas do site da Presidência da República.)



publicado por José António Abreu às 13:11
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 1 de Julho de 2009
O presidente não é um árbitro

Os socialistas não andam a gostar das declarações de Cavaco Silva. Bom, na realidade os socialistas não andam a gostar de uma data de coisas hoje em dia. Esta é só mais uma. Mas há um pequeno pormenor quando se trata de Cavaco: a maioria das pessoas que o elegeu fê-lo por esperar que ele pudesse moderar os excessos do governo. Eu sei que há aquela velha treta do "presidente de todos os portugueses" mas ninguém votou em Cavaco para este tratar dos jardins do Palácio de Belém. Se está preocupado, Cavaco deve falar. Provavelmente não o fez nos primeiros anos de mandato porque, como muitas outras pessoas (que votaram ou não nele, que votaram ou não no PS), ainda alimentou esperanças de que Sócrates fizesse o que era necessário fazer. Entretanto tornou-se óbvio que isso não sucederá. Pior: todos os vícios do PS (e, de certa forma, dos sistemas partidário e empresarial português) vieram à tona. Cavaco deve assistir em silêncio?



publicado por José António Abreu às 12:34
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 12 de Junho de 2009
Acelerar ou travar?

Como quase nada neste governo é por acaso, o calendário de arranque das grandes obras públicas deve ter sido planeado cuidadosamente para coincidir com o período pré-eleitoral. Para azar de Sócrates e do PS, o revés nas eleições europeias permitiu que as críticas do PSD e as reservas de Cavaco ganhassem uma nova visibilidade – e credibilidade. Para o PS, a questão não é de legitimidade ou de convicção. Como de costume, é de marketing político. Preferirá o eleitorado a habitual imagem de teimosia (os leitores socialistas podem substituir por firmeza) ou uma posição mais cordata, capaz de mostrar ao povo que Sócrates, afinal, é um rapaz sensato que percebeu o sinal de domingo passado?

 
Como elemento adicional de análise, Cavaco tem uma palavra a dizer sobre o calendário do TGV (mas não das auto-estradas). Ninguém sabe qual a posição do presidente. Mas poderá Sócrates arriscar um confronto com Cavaco mesmo antes das eleições?
 

Aceitam-se apostas. A minha é que Sócrates avançará com a construção das auto-estradas, para preservar a imagem de determinação, mas não arriscará o confronto com Cavaco e deixará arrastar o processo do TGV até depois das eleições.



publicado por José António Abreu às 17:26
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 4 de Junho de 2009
Portugal veut qu'on le prenne.

A revista Prospect traz este mês uma análise sobre a relação dos Franceses com o poder. Alguns pontos são quase directamente aplicáveis a Portugal, o que não surpreende considerando a influência que a cultura francesa teve entre nós durante séculos. Gostaria de abordar dois pontos: o aparente desejo de franceses e portugueses serem governados por uma figura dominadora e a percepção crescente de que os idealistas de 1968 se revelaram uma geração de hipócritas e egoístas.

 
Em povos habituados a depender do estado, como o português e o francês, o risco assusta. Não se passa o mesmo com outros povos. A The Economist da semana passada trazia um artigo que mostrava como nos EUA, apesar da tendência actual para guinar à esquerda, a maioria das pessoas continua a valorizar o risco e a desconfiar de um estado demasiado controlador. Nos países nórdicos, o estado providencia uma excelente rede de segurança mas, como se pode constatar pela excelência das empresas suecas ou finlandesas, há quem arrisque (talvez em parte por saber que a rede existe). Mas o caso mais preocupante para franceses, portugueses e outros europeus com as mesmas características são os países emergentes. Porque nestes as pessoas têm vivido com tão pouco que nada têm a perder. Arriscar é uma oportunidade, muito mais que um risco. A globalização assusta porque, com imperfeições ou sem elas, estilhaça o status-quo. Povos como o francês e o português, habituados a um ramerrame narcotizante mas tranquilo, entram em pânico e procuram quem os proteja. Figuras fortes, que falem grosso e pareçam dar garantias de que tudo se resolverá por si. Sarkozy, Sócrates e Cavaco são o que de momento se arranja, na falta de um Napoleão ou de um Salazar. Exagero? Repare-se nas semelhanças: como Napoleão, Sarkozy é baixo, hiperactivo e é tão mencionado pela política como pelas conquistas sexuais (o artigo da Prospect tem referências hilariantes à libido do presidente francês); Como Salazar (deixemos de lado a recente imagem de garanhão), Cavaco é alto, magro, austero. Sócrates não anda longe. Nenhum deles gosta de discordância e de debate. A Prospect inclui, logo no início do artigo, uma citação do ex-Primeiro-ministro Dominique de Villepin que não resisto a incluir aqui: “La France veut qu’on la prenne”. Desconfio que Portugal também. Há um desejo forte de ser subjugado em ambos os países.
 

O artigo aborda também, embora de raspão, a desilusão crescente com os políticos nascidos no pós-Maio de 68. Veja-se este parágrafo: "Much has been written about the generation of bourgeois intellectuals, known as les soixante-huitards, who led the student uprisings against de Gaulle’s stultified order. They fashioned the French political landscape, still run the media, and have lived off the fat of the land and squandered a thriving economy in the process. Once the heroes of a glamorous revolution, the soixante-huitard is increasingly perceived as a selfish, hypocritical gauche caviar (champagne socialist).” Aos políticos de 68 podemos em Portugal acrescentar os políticos do 25 de Abril de 74 e a análise fica perfeita.



publicado por José António Abreu às 08:37
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 24 de Abril de 2009
Cavaco Silva: deve ouvir-se o que diz ou imaginar-se o que pensa?

José Miguel Júdice faz hoje no Público uma análise da relação entre Cavaco Silva e José Sócrates e, como muitos outros, especula sobre as razões para o recente “recado” do presidente. (Aqui, mas reservado a assinantes.) Ao longo de todo o artigo, Júdice pondera intenções, jogos políticos, manobras calculistas. Acaba com uma crítica forte ao presidente. Nem por um momento analisa a hipótese de Cavaco ter dito o que disse por – oh, surpresa nestes tempos de declarações cifradas – recear pelo futuro do país. Não duvido, como escrevi aqui, que ele possa ter outros motivos para andar irritado com Sócrates e com o PS. Não sou sequer fã dele (não gosto do estilo hirto e detestei muito do que fez e/ou permitiu fazer durante a segunda maioria absoluta do PSD), mas penso que merece o benefício da dúvida. Se há tantas pessoas preocupadas com o estado do país e com as medidas hipotecárias em que o governo tem insistido, por que não pode o presidente está-lo também? Deveria calar a preocupação? Em termos eleitorais, provavelmente ganharia em fazê-lo. Como Júdice reconhece, ser-lhe-á mais fácil conquistar um segundo mandato se Sócrates e o PS obtiverem uma nova maioria absoluta. Mas, nesse caso, por que fala? Será possível? Estará o homem apenas genuinamente preocupado?



publicado por José António Abreu às 21:59
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 20 de Abril de 2009
Cooperação estratégica? Onde?

Sócrates e o PS já não disfarçam. A resposta (ver Público e SIC) do primeiro-ministro ao discurso de Cavaco Silva prova-o.

 

Ponto um: Cavaco tem razão e deve falar (se não conseguir fazer inverter o rumo das coisas, pelo menos que, daqui a uns anos, quando a factura vier, não existam dúvidas sobre quem foi responsável por ela). Suspeito que lhe é difícil assumir este papel (a recordação de Soares não o deve largar). Mas tem que falar. Tem que chamar a atenção para as evidências. O caminho que o governo pretende seguir, de mais e mais endividamento, quando já nesta altura não temos folga, é suicidário. Não para os boys, resguardados nos seus cargos públicos ou encaixados nos conselhos de administração das empresas privadas que dependem do estado (quase todas as importantes), ou mesmo razoavelmente seguros numa carreira de professor ou de militar ou de profissional da saúde. Para esses, a baixa de rendimento será uma realidade mas não notarão nada de catastrófico (são os mesmos que, verdadeiramente, ainda não sentiram a crise). Os restantes pagarão a maior parte da factura. (E os alemães, e os franceses, e todos os outros cidadãos de países do euro, que alimentam o nosso desperdício há mais de vinte anos e que, mesmo contra vontade, terão que nos continuar a dar dinheiro para salvaguardar a cotação da moeda; há ainda alguém que conteste a nossa adesão ao euro?)

 

Ponto dois: desde o caso do estatuto dos Açores, em que sentiram o pulso ao presidente, Sócrates e o PS têm tratado Cavaco como irrelevante. Talvez estejam certos: Cavaco não geriu bem a questão dos Açores. Inicialmente, talvez tenha até sido ele a tentar ver se Sócrates podia ser levado a ceder. Falhou em toda a linha. Aparentemente, Sócrates deixou de o respeitar. Permite-se agora tratá-lo da mesma forma que trata Ferreira Leite e apenas ligeiramente melhor do que trata Louçã. De certa forma, é bem feito para Cavaco (nos anos 90, Soares exagerava mas Cavaco também nunca reconheceu que, por vezes, ele tinha razão). Mas, para o país, a indiferença com que o governo trata o presidente (veja-se o caso da lei do pluralismo e da não concentração dos meios de comunicação social, vetada por Cavaco com a indicação de que não é urgente, levada pelo PS a nova votação tão depressa quanto conseguiu, sem efectuar alterações significativas) e todas as vozes críticas é, no mínimo, assustadora. Sejamos francos: o espírito democrático nunca desceu verdadeiramente sobre portugueses com poder.

 

Ponto três: há quem absolva Sócrates com o argumento de que Cavaco seguiu as mesmas receitas. Precisamente. Por isso sabe do que fala. Por isso estava farto do PSD no final da segunda maioria absoluta. Cavaco aprovou o estatuto da função pública, que levou ao "monstro". Cavaco não conseguiu evitar que, então como agora, uma súcia de parasitas infestasse o estado. Cavaco apostou no investimento público. Mas, ainda assim, há algumas diferenças. Os funcionários públicos ganhavam mal. Permitir-lhes um melhor nível de vida teria sido justo se depois se tivesse controlado o seu número. Bastava isso. Mas o próprio estatuto, as subidas automáticas de escalão, os aumentos salariais, tudo deveria ter sido revisto quando as nuvens começaram a escurecer. Guterres não teve coragem. Ficou a ver a chuva transformar o país no famoso "pântano" (a imagem é fraquinha mas o assunto não me inspira melhor). Para finalizar, e no que respeita ao investimento público, quando Cavaco chegou ao poder não havia auto-estrada para o Algarve. Da auto-estrada Lisboa - Porto existia metade. Agora temos duas e parece que vai ser construída uma terceira.



publicado por José António Abreu às 20:36
link do post | comentar | favorito

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
15
17
18

20
22
24
25

26
27
28
29
30


à tona

À consideração de Cavaco ...

Posições políticas, inter...

O pior de dois mundos

Uma nota rápida e depois ...

Manuel Alegre tira-me tod...

Bocejo e exasperação

Clareza

Fotograma de um sonho de ...

Passatempo

Remate tardio

O nervosismo de Cavaco

Sócrates agora, Cavaco ma...

O presidente mudo

O presidente não é um árb...

Acelerar ou travar?

Portugal veut qu'on le pr...

Cavaco Silva: deve ouvir-...

Cooperação estratégica? O...

reservas de oxigénio
Clique na imagem, leia, assine e divulgue
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
tags

actualidade

antónio costa

blogues

cães e gatos

cinema

crise

das formas e cores

desporto

divagações

douro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

futebol

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

música recente

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
Fazer olhinhos
subscrever feeds