como sobreviver submerso.

Segunda-feira, 7 de Março de 2016
Emudecendo consoantes
Aprecio Francisco José Viegas. Não apenas os três livros dele que li ou os textos de blogue; também a postura, firme mas serena, de quem ainda sabe degustar as coisas que lhe agradam (imensa gente parece hoje mergulhada num frenesim de prazeres efémeros). Abomino nele a defesa de primeira hora do Acordo Ortográfico. O mesmo Acordo (o exacto Acordo) que o leva a tão depressa clamar contra o «apedrejamento» da Língua Portuguesa como - num texto em tudo o resto sublime - escrever «inteletual».


publicado por José António Abreu às 11:24
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2016
A ler e, como de costume, a esquecer rapidamente
O Mercado Interno: Um Modelo Esgotado, de Mário Amorim Lopes, n'O Insurgente.


publicado por José António Abreu às 14:52
link do post | comentar | favorito

Sábado, 28 de Novembro de 2015
Os blogues e a vida real

Começa-se sem saber bem no que vai dar. Mantêm-se imensas ilusões mas temem-se a indiferença e o desprezo, bem como a incapacidade de estar à altura da tarefa. Responde-se de forma desajeitada às primeiras - e memoráveis - pessoas que estabelecem relação. Quem chega mais tarde obtém uma realidade parcial. Tentar descobrir o que ficou para trás pode reforçar - ou fazer desvanecer - a atracção mas dá trabalho e poucos o fazem. Quase sem dados concretos elaboram-se imagens e verdades, que permanecem apesar de serem desmentidas uma e outra vez. Há quem fique pouco tempo e, desinteressado quando não desiludido, logo desapareça. Há quem se empenhe - aconselhe, critique, procure moldar - e resista durante períodos surpreendentemente longos. Há o cansaço que, de um lado e do outro, se instala e as pausas que urge introduzir. Há os erros, as hesitações, as desilusões, os entusiasmos repentinos, as discussões estimulantes e as discussões cansativas - pelo momento, pelo tom mas, acima de tudo, por já terem ocorrido inúmeras vezes. Há afinidades que se referem com frequência e ódios de estimação que também se referem com frequência mas em tom completamente diferente. Há a passagem do tempo e a ideia de que se tem afinal menos controlo, menos originalidade e menos relevância do que era suposto.

Os blogues não são a vida real mas arranjamos sempre forma de tudo parecer a vida real. Talvez por a consciência - esse factor que nos diferencia dos restantes animais - nos permitir intuir que, em grande medida, a vida real é uma ficção.

 



publicado por José António Abreu às 16:16
link do post | comentar | favorito (1)

Sábado, 21 de Novembro de 2015
Rascunhos

Oito páginas. Tenho oito páginas de rascunhos na área de gestão do blogue. A vinte rascunhos por página, são cento e sessenta rascunhos. Bom, cento e cinquenta e dois porque na última página só há doze. É também verdade que uns quantos estão repetidos e que vinte ou trinta contêm apenas fotografias ou vídeos musicais que, por alguma razão, não publiquei mas também não apaguei (custa-me apagar coisas). Ainda assim. É uma catrefada de textos começados e largados a meio ou acabados e deixados a definhar. E porquê? Nuns casos porque a oportunidade para a sua publicação se desvaneceu (ainda lá estão dois ou três sobre Vítor Gaspar), noutros porque perdi o ímpeto para os finalizar, na esmagadora maioria dos casos porque são uma... er... trampa. Sim, digamos trampa.

Ter tantos rascunhos poderia denotar uma criatividade espectacular. Infelizmente, não é o caso. Apenas mostra que o meu cérebro consegue produzir muito mais dejectos do que qualquer outra parte do meu corpo - como inúmeros leitores, baseando-se apenas nos textos publicados, foram certamente percebendo (há gente que exsuda perspicácia). Mais perturbador ainda: entre tantos rascunhos deveriam encontrar-se várias obras-primas. Dois, três, quatro textos tão subtis que, se publicados, a inveja levaria Pedro Mexia a arrancar cabelos e penugem facial ou tão verrinosos que Vasco Pulido Valente gaguejaria de despeito durante horas. A velha história do macaco que, posto a martelar teclas durante tempo suficiente, acaba por escrever os Lusíadas... Mas não. Decididamente, não. Não este macaco. Na melhor das hipóteses, grassa por todos aqueles textos uma ofensiva mediania. Encontram-se, os completos e os incompletos, mais ou menos ao nível deste. Razão pela qual será melhor deixá-lo também como rascunho. Será o décimo terceiro da oitava página. Daqui a uns dias, a umas semanas ou a uns anos talvez o publique. Quando tiver dezasseis páginas de rascunhos.


tags:

publicado por José António Abreu às 22:08
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Terça-feira, 10 de Novembro de 2015
MacGuffin
Num dia de péssimas notícias para a economia portuguesa (que, por ser dela que extraio o salário, me interessa bastante mais do que os jogos políticos), gostaria de salientar o regresso à actividade blogosférica regular do MacGuffin Carlos do Carmo Carapinha, em nome individual e como colaborador d'O Insurgente. Faço-o não apenas por, grosso modo, partilharmos a mesma linha política (algo mais difícil para ele, se ainda residir nessa pachorrenta região-vanguarda do marxismo, o Alentejo) mas, acima de tudo, por partilharmos a admiração pelos filmes Os 39 Degraus, obra-prima do período inglês de Hitchcock (MacGuffin não permite grandes dúvidas sobre a afinidade dele com o mestre) e História de Gangsters, uma filigrana dos irmãos Coen escrita em modo Dashiell Hammett (que sempre preferi a Raymond Chandler, sem saber bem porquê até James Ellroy mo explicar.)

tags:

publicado por José António Abreu às 22:55
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 24 de Julho de 2013
Um tipo (que escreve em blogues)
Um tipo coloca no blogue colectivo onde escreve um post que, directamente ou por derivações inesperadas, gera debate aceso na caixa de comentários. Um tipo afadiga-se a tentar responder aos comentários: recolhe e compila dados para suportar as afirmações que fez, alinhava respostas longas que, ainda assim, parecem ficar sempre aquém do objectivo. Um tipo fica cansado e, para piorar as coisas, a azáfama impede-o de congeminar novos posts, quanto mais de os elaborar. Afinal, o dia é composto por um número limitado de horas, algumas têm que ser dedicadas à actividade denominada emprego, menos entusiasmante do que espicaçar concidadãos num blogue mas mais importante para a prosaica questão da sobrevivência diária, um par de outras a deslocações e refeições (e um tipo gosta de comer) e ainda há que responder à necessidade fisiológica de dormir (e um tipo também gosta de dormir sendo que, ao contrário do professor Marcelo, precisa de sete ou – de preferência – oito horas diárias para carburar razoavelmente). Para mais, um tipo gostaria igualmente de reservar algum tempo para ler, ouvir música e ver coisas na televisão (filmes, episódios de séries, óperas, o Federer a tentar vencer os efeitos da idade e a Julia Goerges a tentar dominar a inércia das mamas). Um tipo pergunta-se: e agora? Será melhor fazer uma pausa? É que um tipo até podia entrar nos sites dos jornais, onde sem dificuldade encontraria assunto para mais um post curto, no estilo alfinetada ou desabafo. Podia analisar a entrada no governo do homem da Super Bock, que deixou dry o homem do Canadá, renegado desde o início por empresários do regime e respectivas associações, habituados uns e outras a possuírem controlo quase total sobre o ministério da Economia. Podia ir ver que privilégio absurdo reivindicam hoje os funcionários das empresas públicas de transportes. Podia gozar com a dupla Semedo & Martins, Olhares e Sorrisos Tristes, SA. Podia tentar perceber (e certamente falhar, como Pedro Lino fez anteontem no Económico) o sentido de algumas propostas de António José Seguro. Podia questionar se a expressão mais usada actualmente pelo Partido Comunista, «pacto de agressão», não deveria ser ‘acordificada’ à força (como anda a acontecer aos ‘contatos’ e aos ‘fatos’) e tornar-se «pato de agressão» (caso em que seria conveniente alterá-la para «patos agredidos», com os portugueses – ou, de forma a excluir banqueiros e administradores de várias empresas ex-públicas, o «povo português» – no lugar dos patos). Mas e se, publicado o texto, volta a gerar-se uma polémica na caixa de comentários, obrigando um tipo a afadigar-se novamente em pesquisas e alinhavamento de respostas, do que resultaria, para além de nova subida do nível de stress, pouco tempo para pensar e alinhavar posts sobre assuntos mais interessantes, tais como a Nova Vaga do cinema checo na década de sessenta do século passado, as três mil e quinhentas páginas que o escritor norueguês Karl Ove Knausgaard publicou em pouco mais de dois anos versando os acontecimentos dos seus (dele, Knausgaard) quarenta anos de vida, ou as diferenças (expressas através de fotografias) entre parapeitos de janelas de vários países europeus? Dilemas, dilemas. Um tipo acaba por decidir tirar pelo menos umas horas de pausa e decidir mais tarde. O blogue passará bem sem ele. Um tipo só é importante na própria cabeça.


publicado por José António Abreu às 12:48
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2012
Cemitério de posts

Acontece-me frequentemente andar com pouco tempo para escrever textos para o blogue. Se há ocasiões em que isso se conjuga com fases em que também não tenho grande vontade de o fazer, na maioria delas vou – infelizmente – tentando contornar a situação: leio uma notícia que me apetece comentar ou tenho uma ideia para um post (ou para uma série de posts: planeio três séries há meses mas nem uma me atrevi ainda a começar) e, zás, alinhavo meia dúzia de linhas. Mas, por falta de tempo, o texto fica inacabado e/ou com pormenores exigindo verificação (há por aí gente – tão irritante! – que sabe mais do que eu) e/ou à espera de links e /ou a precisar de uma boa revisão que elimine repetições vocabulares (de ideias é inevitável), excesso de adjectivos e de advérbios de modo (sou indubitavelmente especialista supremo em ambas as categorias), aliterações (senhor, como me saem sem sacrifício!) e até falhas na lógica (consigo contradizer-me várias vezes numa única frase, o que, sendo algo que me incomoda, é também algo de que me orgulho porque quase todas as versões são defensáveis e muitas vezes em simultâneo). Vou pegando no rascunho do post ao longo de vários dias, alguns minutos de cada vez, ouvindo o tiquetaque do tempo a passar e da oportunidade a esvair-se, até decidir que já não vale a pena: o assunto tornou-se tão semana passada... toda a gente o esqueceu. E, deste modo, esforço inglório a esforço inglório, o pequeno disco rígido externo que trago na pasta vai ficando cheio de posts inacabados ou, pelo menos, não publicados. Nados-mortos, no fundo. O que transforma o meu disco rígido (isto não é uma metáfora) numa espécie de cemitério de textos com deficiências: inacabados, incoerentes, constituídos por partes que não encaixam bem. E também de alguns que parecem normalzinhos e perfeitamente viáveis (têm todas as frases indispensáveis, todas as virgulazinhas, até um toque de personalidade) mas eu, que os concebi (assumo inteira responsabilidade mas, caramba, não é fácil evitar gerá-los quando o único método contraceptivo disponível é a abstinência), deixei morrer. Contudo, nisto uma mente caótica e ligeiramente macabra como a minha (o que faz com que, afinal, «disco rígido» também possa constituir uma metáfora) até seria capaz de encontrar piada: ooooooh, ando com uma data (e «data» é o termo) de cadáveres na pasta. O pior é que às vezes me ponho a relê-los e lhes encontro imenso potencial. E então sinto vergonha. Penso que fui injusto. Como pude deixar morrer aqueles textos? E depois perco todos os resquícios de bom senso, releio alguns dos posts que publiquei, acho-os péssimos e transformo-me num ser maldoso: olho para os posts sobreviventes e, qual pai de dois filhos gritando para um deles após ter perdido o outro num acidente: tu é que devias ter morrido, não o teu irmão!, acuso-os de não chegarem sequer aos calcanhares dos que se perderam pelo caminho. Atitude reprovável, eu sei, mas que não consigo evitar. De resto, hão-de convir que tenho motivos para reagir assim. Reparem neste texto. Este mesmo, cuja leitura estão prestes a terminar (parabéns pelo estoicismo). Por que raio conseguiu ser publicado?


tags: ,

publicado por José António Abreu às 12:14
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

Terça-feira, 4 de Setembro de 2012
Hiperligação

Há um post no Delito de Opinião que apenas em parte encaixa neste blogue pacato onde pouca gente deixa comentários. Se desejarem lê-lo, dêem um salto até lá. Podem usar um dos seguintes links mas cuidado com os outros:

Link 1.
Link 2.
Link 3.
Link 4.


publicado por José António Abreu às 21:37
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Quarta-feira, 2 de Maio de 2012
Se alguém no Arrastão me puder esclarecer, eu ficar-lhe-ei eternamente agradecido
O texto do Arrastão acerca da promoção do Pingo Doce a que o José Gomes André fez referência no Delito de Opinião (a minha casa partilhada) deixou-me preocupado, a pensar no post que publiquei à hora de almoço (sobre como adquiri vinte e três livros numa única semana de Feira do Livro). Poderia o meu comportamento configurar um caso de consumismo excessivo em época de baixa de preços? Creio que só pode, não é? Coro de vergonha, acreditem. Mas resta-me uma esperança: que, de alguma forma, as pessoas que compram demasiados livros com desconto escapem à classificação de «zombies estúpidos»; que «zombies estúpidos» sejam apenas as que aproveitam promoções para comprar comida e fraldas para os filhos.


publicado por José António Abreu às 19:49
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 8 de Fevereiro de 2012
Um dia perdido

É quase meia-noite e parece que nos jornais, televisões e blogues ninguém conseguiu deturpar declarações de membros do governo.



publicado por José António Abreu às 23:49
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 13 de Janeiro de 2012
Maçonaria, Facebook e Wikileaks
Por Pedro Mexia.


publicado por José António Abreu às 19:46
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 2 de Janeiro de 2012
Dentada na maçã
A imagem da Apple como empresa «boa» e de Steve Jobs como personificação do empresário/gestor ideal confunde-me há anos. E confunde-me ainda mais a aparente simpatia da esquerda por uma e outro. Não se trata apenas do facto dos produtos serem caros e operarem em sistemas tão ou mais fechados que os da concorrência (desde logo, que os da «maléfica» Microsoft). Não se trata somente do mau génio de Jobs que, noutra empresa qualquer, o teria transformado num «patrão» prepotente. Não é também apenas o modo como, sempre que tiveram oportunidade (de novo, numa estratégia igualzinha à da Microsoft dos velhos tempos), Jobs e a Apple impuseram pela força da quota de mercado as regras que melhor lhes convinham (vide distribuição de receitas no iTunes). Tudo isto já seria suficiente, com outra empresa, com outro gestor. Mas há também os factores mencionados neste texto de Rui Passos Rocha, n'A Douta Ignorância. Por alguma razão, o conceito de exploração capitalista não se aplica à maçã.


publicado por José António Abreu às 19:31
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 23 de Dezembro de 2011
Os miúdos dos blogues (não, eu não)

Eram miúdos, sabes? Crianças dotadas como todos os adultos, mas sempre crianças. Mantinham um blogue diário, faziam-no a meias com uma certa ideia de cómico e, em simultâneo, propriedade crítica, inteligente, irónica. Umas vezes era o governo, outras vezes os comentadores na televisão; satirizavam com precisão, eram acutilantes e certeiros. Contavam com uma legião de seguidores que potenciavam os respectivos egos, por assim dizer.

Só agora é que consigo alcançar a dimensão da infantilidade das nossas vidas, das nossas opções.

Patrícia Reis, Por Este Mundo Acima.

Edição D. Quixote, 2011.



publicado por José António Abreu às 09:18
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 3 de Outubro de 2011
E o título, meu Deus...

aqui outro blogue. Há-de durar muito, há-de.


tags:

publicado por José António Abreu às 12:25
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Terça-feira, 6 de Setembro de 2011
Regras para bem escrever
No Ouriquense. Fazem sentido, difícil é (raios, violação da #32! (coriscos, violação da #36)) segui-las.


publicado por José António Abreu às 12:48
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

Quarta-feira, 24 de Agosto de 2011
Ideólogos

Acaba de escrever o post em que ataca Merkel e a Alemanha e recosta-se na cadeira para o reler. Antes, ajusta o ecrã do Mac. Parece-lhe bem. Forte. É inaceitável que tanta gente continue a submeter-se aos diktats do governo germânico, cujo único interesse é proteger os seus bancos e a sua indústria exportadora. A intransigente e nada solidária Alemanha prepara-se para destruir a União Europeia. O que, estando a UE vergada aos interesses do capital, devidamente protegidos pelo lacaio que lidera a Comissão, só pode ser uma coisa boa. Estamos perto, camaradas: a implosão precederá a revolução. Sorri. Puxa as pontas do colarinho da camisa Boss (um tique que não consegue evitar quando se sente merecedor de elogios), empurra para o lado o porta-chaves do BMW e usa o rato para publicar o post. Acede ao blogue para verificar se ficou bem. Está óptimo. Vai gerar imensos comentários, dar imensa luta. Boa. Luta é aquilo de que ele mais gosta. Endireita-se novamente na cadeira. Lembra-se de que ainda não acabou o post sobre a situação na Líbia, no qual acusa a NATO de ingerência e de se vergar aos interesses das companhias petrolíferas. Devia tratar do assunto antes que os idiotas dos rebeldes, apoiados pelos bombardeamentos cobardes dos franceses e dos americanos, tomem Trípoli e deixem o texto desactualizado. Parece que está por dias. Foda-se, mais um regime decente a caminho de ir pelo cano. Tem mesmo de acabar o post mas resolve que, por hoje, basta. Foi um dia péssimo (o conceito para a nova campanha do Continente não convenceu o pessoal do Belmiro) e devia era ir comer que (confirma consultando o Rolex) já passa da hora de jantar e trouxe um paté novo da loja gourmet que deve ser fantástico. Porém, em vez de se erguer, acede a um site de videojogos. O último Call of Duty: Modern Warfare sai dentro de três meses. Não se pode esquecer. Adora a adrenalina dos jogos de guerra. Pensar em tiros e explosões leva-o a começar a delinear um texto contra os Estados Unidos. Detesta a mentalidade militarista dos americanos, pá. Mas já escreveu tantos posts a cascar nos US of A que o difícil é ser original. Ainda assim, é essencial salientar como os interesses americanos se sobrepõem aos interesses da população mundial. Como os Estados Unidos constituem a pior ditadura da planeta. A única verdadeira ditadura, na realidade. Baseada nos interesses financeiros, no petróleo, na indústria do armamento. Como conseguiram implantar na cabeça das pessoas a necessidade do consumo e da posse de bens materiais. Como as fazem perder tempo com futilidades em vez de se dedicarem a coisas verdadeiramente importantes. A felicidade não passa por coisas materiais, pensa ele, enquanto sai do site de jogos e entra novamente no blogue. Nesse momento o iPhone toca. Pega-lhe. Deixou-o cair durante a tarde e repara mais uma vez que o ecrã ficou com um risco. Merda. Detesta coisas deterioradas. É Quim. Atende. «Já viste as notícias? Há confrontos nas ruas de Londres! Milhares de miúdos estão a incendiar e a partir tudo» Sente um arrepio de prazer. Caramba, pensa, enquanto acede a um site de notícias e liga o televisor com o comando, já era tempo de o pessoal explorado pelo capitalismo e excluído dos seus lucros começar a partir coisas. As notícias são espectaculares e ele vai ficando mais excitado à medida que vê as imagens. Apetece-lhe apanhar um avião para Londres e ajudar na destruição. É fundamental partir tudo o que for possível partir. O iPhone toca de novo. Que merda aquele risco, pá. Vai acabar por trocá-lo por outro, está-se mesmo a ver. «Vou a caminho», anuncia Quim. «Tinha que dar uma aula de mestrado mas telefonei a dizer que estou doente. Temos que pensar num plano de acção.» «OK, entretanto vou começar a escrever um post sobre o assunto.» Mas em vez disso passa vários minutos a acompanhar as notícias e a esfregar o ecrã do iPhone com a ponta do polegar (foda-se, é mesmo um risco, não é sujidade). Quim chega cinco minutos depois. Vem atarefado a teclar mensagens no BlackBerry. «Temos que começar uma coisa parecida por cá», explica. «Atacar a AutoEuropa ou a Sonae.» Deixa-se cair no sofá. Repara no plasma de quarenta e seis polegadas.

«É novo?»

«É.»

«Tem 3D?»

«Foda-se, não! O 3D é coisa de filmes americanos, típica da sociedade de consumo.»

Quim continua a premir as teclas do BlackBerry mas agora a um ritmo mais lento. E depois acaba mesmo por parar. Pigarreia. «Hmmmm, não sei», diz. «Essa posição parece-me um bocadinho reaccionária.»



publicado por José António Abreu às 17:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Domingo, 29 de Maio de 2011
Prosas Apátridas - o livro, o blogue e o livro do blogue

Julio Ramón Ribeyro nasceu em Lima, no Peru, em 1929. Estudou letras e direito mas abandonou direito no último ano do curso, depois de começar a escrever. Viajou pela Europa durante a década de 50, desempenhando tarefas tão variadas como porteiro e vendedor de produtos de impressão. Voltou ao Peru em 1958 mas em 1960 fixou-se em Paris, onde trabalhou como tradutor e redactor da France Press. Foi adido cultural e embaixador peruano junto da UNESCO e regressou ao Peru de forma definitiva apenas em 1993. Menos famoso do que outros autores latino-americanos surgidos no terceiro quartel do século XX (por exemplo, o seu conterrâneo Vargas Llosa), é ainda assim reconhecido como um dos principais nomes das letras peruanas, tendo recebido em 1994, poucos dias antes de falecer, o prémio Juan Rulfo. Escreveu maioritariamente contos mas Prosas Apátridas, editado agora em Portugal pela Ahab, não é bem um livro de contos. São duzentos textos numerados, quase todos bastante curtos, que incluem aforismos, divagações e análises de acontecimentos e atitudes observados nos sítios mais variados. Por exemplo, no número 57 pode ler-se: As únicas pessoas civilizadas da praia de Albufeira são estes campónios que às vezes descem das suas quintas de figueiras e amendoeiras, trajados de negro sob um sol abrasador, com a sua estranha maneira de usar o chapéu, muito descaído sobre os olhos e levantado na nuca, e que ficam a apreciar em silêncio, um tanto espantados, mas com dignidade e indulgência e sabedoria, os turistas que, disfarçados de rãs, esfolados vivos na soalheira, embrulhados nas suas toalhas, lubrificados como armas de fogo, desembarcaram de veículos rolantes vindos do Norte e agora rebolam alegremente na areia, lendo Die Welt, The Times, Le Monde e introduzindo, sem se aperceberem, nesse espaço belíssimo, os primeiros sinais da barbárie. Isto terá sido escrito na década de setenta do século passado e serviu-me de grande conforto. Primeiro, porque corpos «lubrificados como armas de fogo» é uma imagem que ficará comigo para sempre e que me fará olhar de outra forma para praias sobrelotadas já nos próximos meses. Depois, porque o texto demonstra que a degradação do Algarve como, decerto, todas as restantes degradações portuguesas, foi afinal culpa de estrangeiros (atente-se, logo à cabeça, na referência aos alemães – e aos alemães conservadores, ainda por cima – através do Die Welt). Tivessem os estrangeiros ficado a tomar banho no Báltico ou no Canal da Mancha, o Algarve ainda seria um paraíso e nós continuaríamos, cheios de estilo, a usar roupa preta e chapéus tombados sobre os olhos.

 

Mas voltemos ao livro. O facto de ser constituído por textos curtos, sempre maravilhosamente escritos, refira-se, é uma das suas forças (lê-se com grande facilidade e despoleta sorrisos, trejeitos e murmúrios regulares) mas permite a ocasional sensação de insubstancialidade. No fundo, Prosas Apátridas é um blogue avant la lettre, como José Mário Silva salientou aqui. Ou melhor: Prosas Apátridas é como o livro extraído de um blogue – objecto de utilidade duvidosa mas muito comum hoje em dia – só que, neste caso, o blogue nunca existiu. E esta circunstância, para além de tornar inesperadamente difícil responder à até agora nada polémica questão: «Quem nasceu primeiro: o blogue ou o livro do blogue?», suscita a possibilidade de Prosas Apátridas, o livro, ser um objecto indefinido e incompleto, uma entidade cuja essência  não é clara. Matutava eu nesta inesperada questão existencialista que desconheço se Sartre ou Camus alguma vez abordaram (como noutros objectos de fabrico artificial, precede a essência dos livros a sua existência ou estaremos perante objectos tão humanos que as coisas funcionam exactamente ao contrário?) quando, numa hiperligação fulminante, me surgiu uma ideia fantástica, passe a rara imodéstia, que permitiria resolver o problema e só não coloquei de imediato em prática por medo de vir a receber uma carta dos advogados da Ahab (nem sempre os editores de livros percebem as intenções de um artista buscando o sentido total de uma obra). Mas posso contá-la, até para que alguém mais corajoso do que eu a aproveite. Trata-se de dar início a um blogue chamado Prosas Apátridas, o qual teria exactamente duzentos posts, publicados ao ritmo de um por dia. Isso mesmo: os duzentos posts deste livro-de-blogue-sem-blogue, desvendados durante os próximos duzentos dias. Mas não se deveria ficar por aqui ou o exercício confinar-se-ia a um gesto vácuo e vacuidade é algo que, estou certo, todos detestamos (sim, mesmo quem leu até este ponto). Considerando que a intenção seria completar o livro, criando a posteriori (por não ter existido a priori) um blogue com tudo aquilo a que ele não consegue chegar (a flexibilidade e a interactividade permitidas pela internet e interditas ao papel impresso), o blogue Prosas Apátridas incluiria imagens e vídeos (ah, o material que se poderia obter para ilustrar os corpos «lubrificados como armas de fogo»), hiperligações (vá, cliquem na capa do segundo livro, infelizmente esgotado há muito) e comentários (sorrio ao pensar na espontaneidade e elegância das reacções a nacos de prosa como o texto número 57 transcrito acima ou o número 77, acerca dos hábitos dos machos mediterrânicos que, frustrados de apenas conseguirem roçar-se em mulheres atraentes nos autocarros e no metro, se masturbam como «orangotangos enjaulados»). E talvez Prosas Apátridas, o blogue, pudesse depois ser editado em livro, dando origem a um verdadeiro livro de blogue – cumprindo a visão que Ramón Ribeyro certamente teria tido se há trinta anos já existissem blogues e unindo existência e essência num único volume compacto. Para evitar confusões e marcar a diferença, o novo livro poderia receber o título Prosas Apátridas v2.0. Maior e melhor do que o original, ainda que sem uma única ideia nova, como qualquer sequela que se preze. Que tal, Ahab, vamos a isto?
 

Julio Ramón Ribeyro, Prosas Apátridas.

Edição Ahab (2011), tradução de Tiago Szabo.



publicado por José António Abreu às 16:09
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Sexta-feira, 27 de Maio de 2011
O vício

E aqui estão, exactamente como os deixámos, livros, jornais e discos, e maços de cartas, e embrulhos, revistas e manuscritos. É impossível ter a correspondência em dia. Oscar Wilde dizia ter conhecido um jovem promissor que se arruinara com o vício de responder a cartas. Não me é possível ver todo este amontoado de papéis, mais os dois ou três livros que chegam todos os dias.

Saul Bellow, Jerusalém - Ida e Volta.

Edição Tinta-da-China (2011), tradução de Raquel Moura.

 

Hoje já não se escrevem cartas. Escrevem-se mensagens de telemóvel e de correio electrónico, posts e comentários. O vício são os blogues, o Facebook e o Twitter. Quantos jovens promissores se arruinarão andando por aqui?



publicado por José António Abreu às 13:20
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 25 de Maio de 2011
Garantia

O modo de campanha eleitoral em que este blogue se encontra é temporário. E, apesar do ponto não constar do acordo de entendimento com a «troika», antes das eleições ainda havemos de falar de livros e de ideias estúpidas que surgem no meu cérebro.


tags:

publicado por José António Abreu às 21:37
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 16 de Maio de 2011
Delitos
A partir de hoje há bolhas de ar a sair aqui. A explicação.

tags:

publicado por José António Abreu às 12:58
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

Quinta-feira, 28 de Abril de 2011
Sei que era para ser uma coisa irónica (só pode, não é?) mas entretanto varreu-se-me completamente da memória

Que brilhante plano teria eu na cabeça quando escrevi no caderninho onde anoto ideias para posts e outras coisas igualmente fundamentais para a felicidade global a frase «As mulheres são capazes dos actos mais revoltantes...»? Tão seguro de que bastava para me fazer recordar o objectivo que até me permiti deixá-la pendurada em reticências.

 

E que acontecimento me terá levado a escrevê-la?

 

É melhor começar a cortar no queijo.



publicado por José António Abreu às 22:45
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

Segunda-feira, 18 de Abril de 2011
A passada elástica das raparigas e a moleza dos rapazes de cuecas
Ou Rentes de Carvalho à porta da Bertrand do Chiado.


publicado por José António Abreu às 17:08
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

Sábado, 16 de Abril de 2011
Só para explicar por que é que o Jugular não está ali na barra lateral

Simples: blogues que mantêm caixas de comentários abertas mas depois censuram os comentários que recebem, ainda que não incluam insultos nem liguagem agressiva, não me merecem consideração.

 

Um exemplo? O último comentário que lá tentei colocar. Foi há três dias, neste post em que João Galamba, a pequena estrela em ascensão no decadente universo socialista, acusa António Barreto (logo quem) de comportamento acéfalo. Tinha o seguinte teor:

«É sabido que toda a gente que põe em causa a versão oficial o faz acefalamente. Já as pessoas que batem palmas e gritam vivas em pavilhões de Matosinhos fazem-no após aturado trabalho mental.»

 

Mas, no fundo, o que esperar de gente que apoia (acefalamente? Nah, dou-lhes mais crédito do que isso – ou se calhar dou menos), através do silêncio ou da tentativa de distribuição de culpas (ai, tenho toda a consideração por ela mas alguma coisa deve ter feito) quem persegue jornalistas por se recusarem a fazer notícias com o que ainda não aconteceu?

tags:

publicado por José António Abreu às 13:35
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 14 de Abril de 2011
Obrigadinho

«Aquele post que pus no blogue sobre o volume das emoções é mesmo muito estúpido, não é?»

«Nem por isso. Tens lá piores.»


tags:

publicado por José António Abreu às 08:38
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito

Quarta-feira, 13 de Abril de 2011
O Calígula e o Goebbels de esquerda ou já que no post anterior aludi a palavrões...
Pronto, ele também escreve bem quando usa palavras próprias e anda quase tão irritado como eu.


publicado por José António Abreu às 12:59
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 6 de Abril de 2011
Insulto(s)
Adoro os textos deste gajo quando usa palavras alheias.

tags: ,

publicado por José António Abreu às 12:56
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Segunda-feira, 4 de Abril de 2011
(Inserir ruído de alguém voltando à vida após ter engolido muita água)

Ok, o escafandro resistiu. Ainda assim, o desgaste é evidente e o prazo de validade aproxima-se do fim. Enquanto a vida me passava em frente aos olhos (a viseira deu jeito; era como estar a ver televisão) percebi várias coisas, entre as quais onde coloquei uma embalagem de preservativos que tanta falta me fez em 1988 e que não cheguei a insultar neste blogue alguns grupos e tendências. Voltei, pois, com o intuito de corrigir a situação (a segunda, que para a primeira já é um pouco tarde). Ainda hoje: «Por que são cada vez mais feias as pessoas bonitas». Mais tarde na semana: «Desvendando as razões científicas que tornam as pessoas pequenas tão irritantes».


tags: ,

publicado por José António Abreu às 08:40
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito

Sexta-feira, 1 de Abril de 2011
Glu glu glu

Este blogue acabou.


tags:

publicado por José António Abreu às 06:56
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito

Sexta-feira, 11 de Março de 2011
Clarificação (desnecessária; sei que já tinham percebido)

Tudo o que escrevo aqui é verdade. Até as mentiras.



publicado por José António Abreu às 08:41
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Quarta-feira, 29 de Dezembro de 2010
Ensitel
Há milhares de empresas onde, por muitas e idílicas garantias que sejam afixadas em cartazes e folhetos, não se percebem as regras mais elementares do que é respeitar os clientes. No que constitui um verdadeiro vício nacional, os seus responsáveis julgam que as palavras bastam e que nunca será necessário passar aos actos. Merecem por isso, essas empresas e esses responsáveis, todas as consequências. Neste caso, que uma simples reclamação se transforme em movimento de repúdio – pela reacção inicial da empresa e, pior, pelas tácticas utilizadas posteriormente para tentar calar a cliente insatisfeita. Na Ensitel estará muita gente assustada e furiosa com as proporções que o caso vem tomando (alastra cada vez mais por blogues, pelo Facebook, pelo Twitter e até já por jornais e canais televisivos). É bem feito. E o medo compreende-se. Já a fúria só se compreenderia se fosse dirigida contra as próprias decisões. Mas quem chega aos extremos a que os responsáveis da Ensitel chegaram já não consegue fazer mea culpa. Pior para eles.


publicado por José António Abreu às 12:55
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

15
17
18
20

22
24
25
27

28
29
30
31


à tona

Emudecendo consoantes

A ler e, como de costume,...

Os blogues e a vida real

Rascunhos

MacGuffin

Um tipo (que escreve em b...

Cemitério de posts

Hiperligação

Se alguém no Arrastão me ...

Um dia perdido

Maçonaria, Facebook e Wik...

Dentada na maçã

Os miúdos dos blogues (nã...

E o título, meu Deus...

Regras para bem escrever

Ideólogos

Prosas Apátridas - o livr...

O vício

Garantia

Delitos

Sei que era para ser uma ...

A passada elástica das ra...

Só para explicar por que ...

Obrigadinho

O Calígula e o Goebbels d...

Insulto(s)

(Inserir ruído de alguém ...

Glu glu glu

Clarificação (desnecessár...

Ensitel

13 comentários
11 comentários
10 comentários
8 comentários
reservas de oxigénio
Clique na imagem, leia, assine e divulgue
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
tags

actualidade

antónio costa

blogues

cães e gatos

cinema

crise

das formas e cores

desporto

divagações

douro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

futebol

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

música recente

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
Fazer olhinhos
subscrever feeds