como sobreviver submerso.
Segunda-feira, 13 de Julho de 2009
Os gregos e os pénis pequenos

Uma voltinha pelo Museu do Louvre permite rapidamente constatar três coisas: a Vénus de Milo, que tem cara de rapaz, parece cansada e só não afasta as pessoas que se acumulam à sua frente por falta de braços; a instalação/performance na sala da Mona Lisa, em que uma multidão tira fotos ao (e em frente ao) enigmático (e cansado e resignado) sorriso, fazendo questão de ignorar ostensivamente todos os restantes quadros na sala (um apontamento de arte contemporânea pelo qual Serralves trocaria de bom grado todas as obras envolvendo garrafas ou pedaços de madeira que já teve em exibição), funciona bem; as estátuas clássicas gregas têm pénis pequenos. Os dois primeiros pontos são específicos do Louvre, o terceiro não, e, por incrível que possa parecer, muita gente já reparou nele. Procurei explicações na net. Como seria de esperar, encontrei para todos os gostos. Há quem diga que era para não chocar o espectador; há quem assegure que era para os homens não se sentirem como hoje em dia alguns se sentem ao verem as monumentais obras de arte exibidas em certos canais codificados de televisão; há quem avente a possibilidade dos modelos estarem com frio enquanto posavam, uma vez que não existiam sistemas eficazes de aquecimento; há quem sugira que, sendo os gregos à época um bocado gays, pénis pequenos eram menos assustadores para neófitos (parece-me bem que é não conhecer os gays...). A explicação que me pareceu mais fundamentada defende que os gregos tinham um ideal de beleza masculina em que pénis demasiado grandes (tal como pénis circuncidados) não se enquadravam. Gostavam de corpos atléticos, com torsos e pernas musculados, não perturbados por excrescências volumosas. Não tinham qualquer problema em relação à nudez e o facto de aceitarem ser reproduzidos com pequenas partes pendentes pode até ser visto como um sinal de maturidade intelectual: no fim de contas, a Grécia ou, mais precisamente, a Atenas Clássica é a primeira sociedade onde a cultura não só é apreciada como estimulada. Tanto que, depois de espreitar os tais canais codificados ou de ver algumas páginas de publicidade a boxers, sou forçado a pensar que regredimos. A tendência actual, na representação ou sugestão do órgão sexual masculino como noutras áreas, é para privilegiar o tamanho, ainda que em detrimento da qualidade: já me queixei antes da popularidade das gigantescas mamas de silicone mas também estão na moda estaturas elevadas, olhos gigantes e lábios grossos. Mas há mais: as mulheres preferem homens com mãos grandes e, desde a eleição de Obama, até orelhas-de-abano parecem estar in (circulam rumores de que José Rodrigues dos Santos não tem já qualquer dúvida de que é um símbolo sexual). Mesmo os automóveis (a tradicional extensão do pénis) têm vindo a ficar maiores: comparem um Clio da primeira geração com um actual ou, mais flagrante ainda, um Mini clássico com um dos que a BMW agora produz. Regredimos também noutra área: enquanto a nudez era vista de modo natural na Grécia de há dois mil e quinhentos anos, é encarada com reservas por muita gente hoje em dia, um pouco por todo o mundo. Independentemente do tamanho dos pénis.

 
Claro que os gregos também inventaram o mito de Príapo e as estátuas deste deus sempre-em-pé (filho de Dionísio e de Afrodite) eram comuns na Grécia clássica. Pode ter sido para disfarçar  – como aqueles sujeitos que ameaçam descer as calças e berram “queres que to mostre?” quando sentem a sua virilidade posta em causa – mas provavelmente não foi. Príapo era visto como um rústico, a sua sexualidade encarada como demasiado agressiva, e aparece mencionado essencialmente em obras de arte satírica. Definitivamente, pénis grandes eram coisas feias. Rocco Siffredi e John Holmes nunca fariam carreira nas artes gregas dessa época.
 

Desconheço o que pensam os gregos actuais da representação do pénis nas suas estátuas. Não sei se sentem algum embaraço e se têm constantemente que provar que os seus antepassados exageravam. Seja como for, de nós, portugueses, os gregos não devem temer bocas foleiras. Depois da selecção grega nos ter derrotado duas vezes no europeu de futebol de 2004, a última das quais na final, nós sabemos que eles podem não ter pénis grandes mas: a) têm certamente tomates; e b) a expressão "o tamanho não interessa" deve estar certa porque nos doeu a valer.

 

(Fotos tiradas no Louvre e no Jardim das Tulherias em Maio de 2009.)



publicado por José António Abreu às 13:18
link do post | comentar | favorito

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Julho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

13
17
18

20
21
22
23

27
29


à tona

35 minutos e um álbum gra...

Caracas, Grécia

«Coligação apresenta pouc...

Eh, what's not up, wabbit...

Paisagens bucólicas: 58

Olhares

Outras lições nórdicas

Política-(mau)espectáculo

Imagens recolhidas pelas ...

Destes tempos de simplici...

Aplaudem o quê?

Admissão

Em quatro frases

Imagens recolhidas pelas ...

Passado recente e futuro ...

Da regulação forte e cent...

Agora que o governo grego...

Insustentabilíssima

Meu caro (ficá-lo-á espec...

Semelhança e diferença

Alguém tinha que dizer-lh...

Contraste

Os «estímulos» começam a ...

Em 24 horas tinham um aco...

O produto que Tsipras pre...

Constatações e cenários (...

A união dos verdadeiros d...

IOUs e notas de 20 euros

Imagens recolhidas pelas ...

Ide antes passear à beira...

30 comentários
22 comentários
reservas de oxigénio
Clique na imagem, leia, assine e divulgue
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
tags

actualidade

blogues

cães e gatos

cinema

crise

desporto

divagações

douro

duas horas no nevoeiro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

futebol

gestão

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

legislativas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
Fazer olhinhos
subscrever feeds