como sobreviver submerso.
Terça-feira, 7 de Dezembro de 2010
Bisontes
Num dos canais National Geographic uns quantos bisontes macho residentes no Parque Nacional de Yellowstone esforçavam-se por conquistar o coração das fêmeas e afastar a concorrência. Segundo parece, as principais formas dos bisontes macho se insinuarem junto das companheiras de manada (é possível que «insinuar» seja um verbo demasiado subtil para descrever a atitude dos bisontes mas não consigo resistir a deixar duas ou três das cinco pessoas e três quartos que ainda lêem este blogue tentando imaginar um bisonte insinuando-se) é realizando exibições de porte e de dotes vocais (o júri do Ídolos seria implacável), rebolando-se na lama e trotando atrás delas para onde quer que elas vão (de modo um tudo nada demasiado insistente, if you ask me, especialmente se as bisontes fêmea modernas tiveram pontos de contacto com as humanas modernas). Quanto à segunda parte da questão, lidam com ela escavando no solo com as patas anteriores, urrando ameaçadoramente e dedicando-se a lutas cabeça contra cabeça. Estas, deixem-me que vos escreva, constituem um espectáculo impressionante, digno de um documentário da National Geographic (que afinal de contas era o que aquilo era). Apesar de, segundo o narrador, os bisontes tentarem evitar o confronto físico, cerca de um terço dos machos tem ossos partidos em resultado de combates. O que não surpreende quando se vêem dois mastodontes de novecentos quilos cada chocando de cabeça um contra o outro. Repetidamente. Mas o prémio compensa, não? Hmmmm, exactamente qual é o prémio? O que é que eles ganham no final de todo este esforço? Preparados? Aqui vai: quinze segundos de prazer. A sério, não é uma figura de estilo: quinze segundos – um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, nove, dez, onze, doze, treze, catorze, quinze – é a duração do acto sexual que eles tanto ambicionam. Penso já ter lido em qualquer lado que alguns humanos macho também não duram mais do que isso. Mas convenhamos que poucos andam às cabeçadas uns aos outros por causa de fêmeas (pronto, está bem, alguns também andam mas a esmagadora maioria fá-lo por amor a Jorge Nuno Pinto da Costa ou a Luís Filipe Vieira). Seja como for, estava eu a olhar para o ecrã com um sorriso de espanto e outro de comiseração (ando a aprender dupla personalidade com a Toni Collette), pensando que as fêmeas, quando finalmente desistem de se fazer de difíceis, só podem achar que a montanha pariu um rato (agora é uma figura de estilo) e que, diabos, quinze segundos (quinze, ok?) de prazer não valem tamanho esforço e risco (no mínimo, um bisonte faz sexo com uma dor de cabeça mais intensa do que a de uma humana tentando evitar fazer sexo, no máximo com um traumatismo craniano fatal) quando me apercebi de que, para um bisonte macho, vivendo com escassos métodos alternativos de obtenção de prazer (a paisagem é bonita mas ao fim de um certo tempo deixa de ser novidade e não há televisão, nem livros, nem cinema, nem música, nem blogues, nem nenhuma daquelas substâncias a que os humanos recorrem para tentar esquecer como a sua vida é deprimente – ainda que esteja repleta dessas coisas todas), aqueles quinze segundos podem representar muito mais do que um exemplar mediano de homo sapiens está capacitado para entender. Reparem só num detalhe a que ninguém presta atenção: um bisonte, como a maioria dos restantes animais, nem sequer consegue masturbar-se.

Esta imagem desaparecerá dentro de quinze segundos. Catorze. Treze. Doze...

Fotografias pilhadas aqui e aqui.


publicado por José António Abreu às 22:47
link do post | comentar | favorito

5 comentários:
De Sílvia a 9 de Dezembro de 2010 às 10:18
Belo exemplo de determinação e esforço nos trouxe. Do reino animal.
A rapidez com que 15 segundos decorrem é incontestável. Ou não. Podem ainda assim representar muito mais que isso. Ou não. Podemos ainda assim ter a capacidade para representar isso. Ou não.
Podíamos até ponderar acerca do peso de um quarto de segundo nas nossas vidas. Ou não.
Porque como humanos que somos, somos dotados da capacidade de divergir, de dizer sim ou não, de seguir exemplos ou de fazer o nosso. Isto é, os nossos comportamentos apresentam variáveis complexas que não se enquadram facilmente em 15 segundos. Ou não.


De José António Abreu a 10 de Dezembro de 2010 às 21:13
Para ser sincero, os humanos conseguem ser piores, empregando esforços gigantescos para atingir objectivos muito mais ridículos. Basta pensar naqueles que são capazes de passar horas discutindo ferozmente algo completamente irrelevante e que se separam chateados e que não se voltam a falar. E os que se dedicam a objectivos tão fabulosos como fazer a torta de laranja mais comprida do mundo ou caminhar de Lisboa a Paris de costas (a sério: há um português que quer fazer isto).


De Sílvia a 10 de Dezembro de 2010 às 21:32
Poderá a discussão ser um qualquer ponto de viragem que permitirá mais tarde outra atenção àquilo que tem relevância, a torta de laranja a representação da força do desafio, e a viagem de costas uma grande metáfora do rumo que muitas vezes tomamos.
Ridículo, concordo. Somos ridículos por vezes.
 


De Margarida a 10 de Dezembro de 2010 às 22:34
...texto muito bom.
MUITO.


De José António Abreu a 11 de Dezembro de 2010 às 23:56
Muito obrigado. MUITO.


Comentar post

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

15
17
18
20

22
24
25
27

28
29
30
31


à tona

Música recente (99)

Música recente (98)

Imagens recolhidas pelas ...

Música recente (97)

Música recente (96)

As coisas pequeninas são ...

Música recente (95)

Música recente (94)

Imagens recolhidas pelas ...

Música recente (93)

Música recente (92)

Gosto mais de praias dese...

Música recente (91)

Diário semifictício de in...

Música recente (90)

Diário semifictício de in...

Imagens recolhidas pelas ...

Mélenchon ou o populismo ...

Música recente (89)

Música recente (88)

«Comic relief»

Das formas e cores: 40

Música recente (87)

Música recente (86)

Imagens recolhidas pelas ...

Música recente (85)

Música recente (84)

Das formas e cores: 39

Música recente (83)

Música recente (82)

30 comentários
22 comentários
reservas de oxigénio
Clique na imagem, leia, assine e divulgue
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
tags

actualidade

antónio costa

blogues

cães e gatos

cinema

crise

das formas e cores

desporto

divagações

douro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

futebol

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

música recente

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
Fazer olhinhos
subscrever feeds