como sobreviver submerso.
Terça-feira, 23 de Fevereiro de 2010
Trovoadas

Lembro-me de trovoadas que faziam com que a minha mãe começasse a rezar a Santa Bárbara, interrompendo-se uma fracção de segundo de cada vez que soava um trovão, para logo recomeçar com maior ímpeto, e me deixavam a tremer, mais por causa dos trovões do que dos relâmpagos e, mais ainda, por não saber como lidar com uma mãe assustada. Um miúdo de quatro ou cinco anos fica perdido quando os pais se assustam. Os pais sabem tudo, aguentam tudo, são capazes de o proteger de todos os perigos. O que fazer, quando o medo que sentem não parece inferior ao dele?
 
Eram trovoadas fortes, as que ocorriam junto à Serra da Estrela. As trovoadas são muito mais assustadoras fora das cidades. Mais puras, também. Nas cidades, parecem uma intromissão desagradável, quase impertinente, da natureza. Um obstáculo ao fluxo do trânsito e das pessoas calcorreando os passeios. Uma chatice. No campo, com o vento, exultante, sacudindo árvores, dobrando arbustos, penteando a erva, com a luz do dia sugada pelas nuvens escuras e baixas, com a água caindo como um corpo sólido, não é a incongruência que sobressai mas algo mais primevo. Algo que remete para um jogo entre luz e sombra, entre razão e instinto, entre recompensa e castigo. Daí as rezas a Santa Bárbara.
 

Trovoadas breves ecoaram sobre o Porto durante a manhã. Sinto vontade de telefonar à minha mãe e lhe perguntar como está o tempo por lá. E, se estiver a trovejar, de ficar a conversar sobre qualquer coisa sem importância (as maldades do gato, por exemplo) até que passe.



publicado por José António Abreu às 13:32
link do post | comentar | favorito

22 comentários:
De Margarida a 23 de Fevereiro de 2010 às 14:58

... medinho de uma trovoadazita de nada?!
(mas o texto está lindo...)


De José António Abreu a 23 de Fevereiro de 2010 às 19:12
Agora tenho essencialmente aquele medo muito masculino de que a trovoada me queime alguns brinquedos (televisor, leitor de CDs, amplificador, Xbox360, etc.), apesar das fichas com mil e um interruptores e protecções a que está tudo ligado.

E obrigado.


De Margarida a 24 de Fevereiro de 2010 às 09:42
...quase que retiro o que escrevi (sobre a trovoada) face à brutalidade da de esta noite...
Ficámos sem luz por mais de uma hora.
Os alarmes dos carros dispararam num susto ruidoso e colectivo, o granizo parecia não terminar até fazer das casas passadores...
muito...primevo...
mesmo assim, não senti necessidade de orar a santa alguma.
Eu, é logo directo com Deus.


De José António Abreu a 24 de Fevereiro de 2010 às 11:46
Tem o número dele, Margarida? Nunca se sabe se me pode dar jeito, um dia destes...

(E, já agora, que rede é que ele usa: TMN, Vodafone ou Optimus?)




De José António Abreu a 24 de Fevereiro de 2010 às 11:55
(O meu único grande ponto de contacto com o Dr. Mário Soares fica bem à vista na circunstância de me esquecer sempre de utilizar a inicial em maiúsculas nas referências a Deus...)


De Margarida a 24 de Fevereiro de 2010 às 12:01
A rede de Deus é:
Use à vontade, não tem limite nem custo.


De paula a 23 de Fevereiro de 2010 às 15:02
aí está um telefonema que eu apreciaria, alguém que compreendesse o meu pavor a trovoadas. ufa! esta já passou!


De José António Abreu a 23 de Fevereiro de 2010 às 19:05
Façamos assim, Paula: durante as próximas trovoadas imagine que eu lhe telefono e que conversamos - sei lá - sobre os filmes do Clint Eastwood...


De Margarida a 24 de Fevereiro de 2010 às 09:37


De Margarida a 24 de Fevereiro de 2010 às 12:02


De Margarida a 24 de Fevereiro de 2010 às 12:15


De José António Abreu a 24 de Fevereiro de 2010 às 13:39


Desisto.



De Margarida a 24 de Fevereiro de 2010 às 13:51

..tá mal!


De ana cristina leonardo a 23 de Fevereiro de 2010 às 15:58
também fui acordada por essa trovoada no porto. mas eu gosto de trovoadas desde pequenina, já de vento...


De José António Abreu a 23 de Fevereiro de 2010 às 19:09

Acordada pela trovoada no Porto? A Pastelaria mudou-se?


Eu até gosto de vento, como penso ter escrito há uns meses aqui:


http://escafandro.blogs.sapo.pt/108781.html

E obrigado pela bola de Berlim.


De paula a 23 de Fevereiro de 2010 às 19:08
:)

 


De Cristina Ribeiro a 23 de Fevereiro de 2010 às 22:31
Bendita trovoada que o inspirou assim, JAA. É verdade: tal como o luar, a trovoada é diferente no campo.


De José António Abreu a 24 de Fevereiro de 2010 às 08:36
Obrigado, Cristina.


De ana cristina leonardo a 23 de Fevereiro de 2010 às 22:51
A pastelaria continua geograficamente virtual; a pasteleira é que andou por terras da invicta em tempo de trovoada.
quanto ao vento, é como dizia o meu pai, desarruma-nos os neurónios - basta visitar sagres para perceber do que falo


De José António Abreu a 24 de Fevereiro de 2010 às 08:42
OK, tenho de o fazer de novo. Só fui a Sagres duas vezes na vida. Na primeira tinha seis anos e não me recordo de nada ; na segunda tinha trinta e um e não me recordo de estar assim tanto vento...


Comentar post

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
14
15
17

19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


à tona

Música recente (106)

Paisagens bucólicas: 92

Música recente (105)

Música recente (104)

Paisagens bucólicas: 89 a...

Música recente (103)

Música recente (102)

Imagens recolhidas pelas ...

Música recente (101)

Música recente (100)

Com o Douro por cenário: ...

Música recente (99)

Música recente (98)

Imagens recolhidas pelas ...

Música recente (97)

Música recente (96)

As coisas pequeninas são ...

Música recente (95)

Música recente (94)

Imagens recolhidas pelas ...

Música recente (93)

Música recente (92)

Gosto mais de praias dese...

Música recente (91)

Diário semifictício de in...

Música recente (90)

Diário semifictício de in...

Imagens recolhidas pelas ...

Mélenchon ou o populismo ...

Música recente (89)

30 comentários
22 comentários
reservas de oxigénio
Clique na imagem, leia, assine e divulgue
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
tags

actualidade

antónio costa

blogues

cães e gatos

cinema

crise

das formas e cores

desporto

divagações

douro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

futebol

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

música recente

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
Fazer olhinhos
subscrever feeds