como sobreviver submerso.
Sexta-feira, 18 de Agosto de 2017
Música recente (123)

 

Dale Crover, álbum The Fickle Finger of Fate.

 

O baterista dos Melvins apresenta um conjunto de 20 temas - muitos dos quais apenas esboços sonoros com menos de 60 segundos - em que a faceta heavy se deixa contagiar por uma sensibilidade pop - e também por pura extravagância. Honestamente, tão depressa parece genial como absurdo. Mas - ei - ainda estamos na silly season, não é verdade?



publicado por José António Abreu às 12:22
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 15 de Agosto de 2017
Música recente (122)

 

Joywave, álbum Content.

 

Ao segundo álbum, os nova-iorquinos continuam a fazer pop/rock à base de sintetizadores, mas reforçam a componente ambiental, mantendo quase sempre uma contenção admirável. E depois há a ironia do vídeo abaixo.

 

 



publicado por José António Abreu às 12:22
link do post | comentar | favorito

Domingo, 13 de Agosto de 2017
Paisagens bucólicas: 94

Blogue_Pilatos2010.jpg

 

Monte Pilatos, Suíça, 2010. (Para contrabalançar o calor.)



publicado por José António Abreu às 19:19
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 11 de Agosto de 2017
Música recente (121)

 

Randy Newman, álbum Dark Matter.

 

Aos setenta e três anos de idade, quarenta e nove após lançar o primeiro álbum, Newman - ultimamente mais dedicado a bandas sonoras para a Pixar e similares - relata encontros póstumos entre Sonny Boy Williamson e Aleck Miller (AKA Sonny Boy Williamson II), organiza debates entre ciência e fé, imagina os Kennedy a planear a invasão da Baía dos Porcos, pondera a razão por que foi escolhido pela mais bela mulher que alguma vez encontrou e delicia-se a satirizar Vladimir Putin.
 

 



publicado por José António Abreu às 12:22
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 9 de Agosto de 2017
Diário semifictício de insignificâncias (30)

Pombos (2).jpg

 

Na A1, entre as portagens de Grijó e a saída de Santa Maria da Feira, dois pombos atravessam-se-me à frente do carro. Quase não travo (julgo também não ser boa ideia travar a fundo em auto-estrada). Ocorrem dois impactos mas não percebo bem em que zona (admito que possa ter fechado os olhos durante uma fracção de segundo). Instintivamente, olho para o retrovisor, à espera de ver os pombos rodopiar no ar. Nada. O carro que vinha umas dezenas de metros atrás de mim continua lá, quiçá um pouco mais distante (o condutor terá travado mais do que eu). Na parte superior do pára-brisas há uma mancha, mas nenhum dano visível. Prossigo. Depois de sair da auto-estrada paro e vou analisar os estragos. Na parte da frente do capot há sangue, no emblema vestígios de penas. O rebordo do capot tem um vinco (merda). Já o pára-brisas encontra-se intacto e o tejadilho, acima dele, parece também apenas sujo. Pergunto-me se terei atingido ambos os pombos (pelo menos evitar-se-ia a tristeza de um ter que viver sem o outro) ou se as marcas na zona superior do carro decorrerão de um segundo impacto com o mesmo.

Olho para o carro imundo e não consigo evitar pensar em todas as outras vezes que pombos o sujaram. Pelo menos desta vez não se ficaram a rir. Ainda assim, não fossem elas maiores e mais pesadas - logo, capazes de provocar mais estragos -, teria preferido acertar em gaivotas, minhas inimigas figadais.

Nunca atropelara pombos. Insectos, mato milhares todos os anos com impunidade total (nem o PAN parece ligar). Há quase vinte anos matei um cão que, numa estrada secundária, saiu a correr de um pinhal (era um rafeiro com ar simpático e na altura fiquei com um nó no estômago, mas quando vi a conta da reparação roguei-lhe meia dúzia de pragas). Pombos, nunca acontecera. Suponho que, nestes tempos politicamente correctos, será inadequado pintar dois risquinhos verticais na lateral do carro, junto ao retrovisor. (Nunca o faria.)

 

Pombos_contagem (2).jpg

 

Ainda não lavei as manchas. Desagrada-me ver lá o sangue, mas parece-me ter uma faceta positiva. Nas ruas da cidade, ao verem-me chegar, os peões ficam muito mais cuidadosos.



publicado por José António Abreu às 21:07
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 8 de Agosto de 2017
Música recente (120)

 

Nine Inch Nails, EPs Not The Actual Events e Add Violence.

 

Há temas dos Nine Inch Nails que me são perigosos. Mr. Self Destruct, abertura do seminal The Downward Spiral, invade as convoluções do meu cérebro como uma droga extraída do pólen de uma planta carnívora. Sob a sua influência, receio mutilar-me com todo o prazer ou - alerta aos guardiães do politicamente correcto - começar a destruir propriedade pública. The Perfect Drug, da banda sonora de The Lost Highway, levou-me a fazer algo que raramente faço: comprar uma banda sonora (há por lá outras coisas boas). Aos longos dos anos, a raiva depressiva de Trent Reznor apresentou flutuações. Nestes dois EPs (um lançado há meses, o outro há um par de semanas), surge razoavelmente intensa - e variada: os dez temas (cinco por EP) incluem momentos de tensão reprimida e momentos de catarse. No que me diz respeito, é capaz de ser boa ideia ir ao YouTube assistir a vídeos de gatinhos.
 



publicado por José António Abreu às 12:22
link do post | comentar | favorito

Domingo, 6 de Agosto de 2017
Com o Douro por cenário: 84

_DSF3920_p_XP1_Porto2017_Blogue.jpg

 

Porto, 2017.



publicado por José António Abreu às 20:07
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 4 de Agosto de 2017
Música recente (119)

 

Manchester Orchestra, álbum A Black Mile to the Surface.

 

Num registo mais intimista do que em trabalhos passados (ainda que por vezes as guitarras subam de tom), cheio de temas complexos e bem escritos (ainda que por vezes não inteiramente originais), A Black Mile to the Surface prova que os Manchester Orchestra, nascidos há 13 anos, mereciam uma audiência maior.

 



publicado por José António Abreu às 12:22
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 2 de Agosto de 2017
Música recente (118)

 

Arcade Fire, álbum Everything Now.

 

Ora bem. Humm... Há excelentes momentos em Everything Now. A sério. Momentos, no plural. Ainda assim... Em 2005, por alturas de Funeral, os Arcade Fire misturavam sons de forma simultaneamente exuberante e melancólica, mantendo, por entre referências ao passado, vontade de experimentar coisas novas. Já se notava pose, mas ficava submersa no caleidoscópio que a música - e a presença em palco - assegurava. Em 2017, as coisas estão um tudo-nadinha diferentes. A pose aumentou e a sonoridade fechou-se. Aqui e ali, Everything Now parece uma colaboração - bem feitinha e empenhada, sem dúvida - entre os Abba e os Bee Gees, destinada a concorrer ao Festival da Eurovisão (na versão pop-disco dos anos 70, não na versão indie-emo-nerd que tanta alegria deu aos portugueses em 2017). Se não acreditam, verifiquem o tema que dá título ao álbum (nem arranjei coragem para inserir aqui o vídeo). Ora os Abba e os Bee Gees, excelentes como eram a debitar melodias orelhudas, não estão no Top 10 das minhas bandas favoritas. Nem no Top 20. Nem no Top 100. Pelo que... Mas Everything Now tem coisas boas. Mesmo. Só não é - como Will e Régine pareciam pretender - uma crítica aos tempos actuais, de emoções formatadas e reacções instantâneas. Nem sequer uma crítica irónica. Na sua (involuntária) superficialidade, acaba a parecer celebrá-los.

 



publicado por José António Abreu às 12:22
link do post | comentar | favorito

Domingo, 30 de Julho de 2017
Imagens recolhidas pelas ruas: 271

_DSF3758_p_XP1_Porto2017_Blogue.jpg

 

Porto, 2017. 



publicado por José António Abreu às 22:38
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 28 de Julho de 2017
Música recente (117)

 

Japanese Breakfast, álbum Soft Sounds from Another Planet.

 

Em 2013, Michelle Zauner, vocalista da banda Little Big League, regressou a casa, no Oregon, para tratar da mãe, doente com cancro. O projecto Japanese Breakfast nasceu dos temas então compostos, mas Psychopomp, o primeiro álbum, foi apenas lançado em 2016, já após a morte da mãe. O álbum tinha uma sonoridade lo-fi e misturava ritmos e emoções, fugindo - assumidamente - a sentimentalismos excessivos. Soft Sounds from Another Planet é a evolução lógica: menos lo-fi, mais trabalho de estúdio; menos ligações a um acontecimento específico, mais projecto em fase de amadurecimento.


publicado por José António Abreu às 12:22
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 25 de Julho de 2017
Música recente (116)

 

Terry, álbum Remember Terry.

 

O segundo álbum do quarteto australiano apresenta mais uma mistura de pop, indie e psicadelismo, em modo low-fi. São canções que poderiam ser cantadas à volta de uma fogueira no meio de lugar nenhum - se à volta de uma fogueira no meio de lugar nenhum fosse fácil arranjar electricidade.

 

(Não, não percebo o vídeo. Juro que, pelo menos da minha parte, não é publicidade encapotada.)



publicado por José António Abreu às 12:22
link do post | comentar | favorito

Domingo, 23 de Julho de 2017
Paisagens bucólicas: 93

_DSF4094_p_XP1_Águeda2017_Blogue.jpg

 

Ponte Velha do Marnel, Lamas do Vouga, 2017 (hoje).


publicado por José António Abreu às 21:53
link do post | comentar | favorito (1)

Sexta-feira, 21 de Julho de 2017
Música recente (115)

 

Haim, álbum Something to Tell You.

 

Há inteligência e bom gosto na música das Haim, mas confesso um problema com a maioria dos temas: gosto imenso deles durante o primeiro minuto, um pouco menos no decorrer do segundo, tenho fortes dúvidas no terceiro e já não os suporto ao quarto. A tendência das manas para repetirem refrões ad nauseum, em ritmo e/ou oitava ligeiramente diferente, terá algo a ver com o assunto. Ou então o defeito é meu.



publicado por José António Abreu às 12:22
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 18 de Julho de 2017
Música recente (114)

 

Waxahatchee, álbum Out in the Storm.

 

A norte-americana Katie Crutchfield (Waxahatchee é o nome de um rio de 35 km no Alabama) puxa a indie para o lado do rock e assina o seu trabalho mais expansivo.



publicado por José António Abreu às 12:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Domingo, 16 de Julho de 2017
Imagens recolhidas pelas ruas: 270

Blogue_ruas99_Aveiro2016.jpg

 

Aveiro, 2016.



publicado por José António Abreu às 22:14
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 14 de Julho de 2017
Música recente (113)

 

Broken Social Scene, álbum Hug of Thunder.

 

Há meia dúzia de anos, na Sala 2 da Casa da Música, rodeado por cerca de uma dezena de companheiros, entre os quais uma Lisa Lobsinger loura, descalça, ligeiramente imaterial (o meu cérebro já não é o que era, mas há visões indeléveis), Kevin Drew, vocalista principal e centro de gravidade dos Broken Social Scene, descobriu que as calças o apertavam. Sem hesitar, despiu-as e fez grande parte do concerto em boxers (cinzentos). Como outras bandas canadianas que enchem o palco de gente e de som - The New Pornographers, Arcade Fire dos primeiros tempos -, os Broken Social Scene são uma demonstração de harmonia nascida das diferenças - ou mesmo do caos aparente: há instantes em que a unidade da música parece ir desintegrar-se, mas tal nunca sucede. No álbum que lançaram há exactamente uma semana - o primeiro após a digressão que passou pela Casa da Música -, colaboraram 15 elementos, entre os quais Leslie Feist (yay). Hug of Thunder terá menos instantes de caos controlado do que outros trabalhos, mas, na luta contra o desânimo que sempre constituiu a coluna dorsal da sonoridade dos BSS, trata-se de um marco fundamental. Aos lamentos e protestos (em Protest Song, admite-se que We're just the latest in the longest rank and file that's ever to exist in the history of the protest song), sobrepõe-se a noção de que é necessário redireccionar os interesses das pessoas e reforçar o conceito de comunidade. Sem deprimir ou moralizar, antes incentivando e dando esperança: os maus tempos hão-de passar.

 

(Adenda: o tema que dá título ao álbum - vídeo abaixo - é desde já uma das minhas canções do ano.)

 



publicado por José António Abreu às 12:22
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 13 de Julho de 2017
Diário semifictício de insignificâncias (29)

Encontro o meu velho Sony Ericsson no fundo de uma gaveta. Pego nele, revolvo-o nas mãos. É do final da época em que os fabricantes procuravam tornar os telemóveis do tamanho de cartões de crédito. Dos tempos em que os telemóveis ainda não eram computadores e, mesmo sendo já capazes de tirar fotografias, ninguém os confundia com máquinas fotográficas.

Procuro ligá-lo, sem sucesso. No mínimo, tem a bateria descarregada. Devia deitá-lo fora. Só ocupa espaço - embora pouco (muito pouco).

Lembro-me do prazer que tive ao comprá-lo. Um objecto tão pequeno e fino, impante na sua miniaturização, nas capacidades de ler ficheiros MP3 e de tirar fotos com 2 megapixeis de resolução. Uma espécie de chihuahua particulamente dotado e orgulhoso de o ser. Claro, o orgulho era meu - como o dos chihuahuas também é frequentemente mais dos donos. Três anos depois, acabou relegado para o fundo de uma gaveta.

Ansia-se por objectos. Brinquedos electrónicos no caso dos homens, roupa e sapatos no caso das mulheres. Extrai-se deles o prazer que nem sempre se consegue obter por outra via - pela leitura, pela música, pelo cinema, pela arte, pelo contacto com outros humanos. Consideram-se fundamentais durante uns tempos, depois atiram-se para o lixo. Os caixotes do lixo são depósitos de sonhos cuja validade expirou. Ainda que - como é habitual nos sonhos - possam vir a ser reciclados.

Interrompo as digressões mentais e digo-me novamente que devia deitá-lo fora. Contudo, volto a enfiá-lo na gaveta. Ocupa tão pouco espaço.



publicado por José António Abreu às 22:36
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 11 de Julho de 2017
Música recente (112)

 

Os Quatro e Meia, álbum Pontos nos Is.

 

Houve, lá para os lados da minha casa colectiva, quem os tivesse descoberto há perto de um ano; contudo, apenas no final do mês passado ficou disponível o primeiro álbum d'Os Quatro e Meia (o nome advém da circunstância, bastante digna de registo, de um elemento da formação original ser significativamente mais baixo do que os outros quatro). Este tema parece-me muito adequado ao Verão, mas receio que o vídeo cause problemas ao tal meu colega de blogue (perdoa-lhes, Diogo: eles descobriram os óculos de sol e as miúdas com peito avantajado.)


publicado por José António Abreu às 12:22
link do post | comentar | favorito

Domingo, 9 de Julho de 2017
Imagens recolhidas pelas ruas: 269

_DSF3865_p_XP1_Porto2017_Blogue.jpg

 

Porto, 2017.



publicado por José António Abreu às 18:23
link do post | comentar | favorito (1)

Sábado, 8 de Julho de 2017
Diário semifictício de insignificâncias (28)

Tenho medo de muitas coisas, mas em nada revelo mais cobardia do que no meu pessimismo. Em momentos cruciais, ainda penso que o melhor vai acontecer.



publicado por José António Abreu às 23:01
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sexta-feira, 7 de Julho de 2017
Música recente (111)

 

Gragoatá, álbum Gragoatá.

 

Um primeiro álbum, simples e inteligente, de um trio de cariocas onde se destaca mais uma voz feminina límpida (será da pronúncia brasileira?). 



publicado por José António Abreu às 12:22
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 5 de Julho de 2017
Diário semifictício de insignificâncias (27)

Escrevo «abraços e beijinhos» (o mail é para pessoas de ambos os sexos e «cumprimentos» seria demasiado impessoal), mas depois fico a matutar que não tem muita lógica. Beijinhos entre homens são menos comuns e mais íntimos do que abraços. Já um homem beijar uma mulher na face pode ser algo impessoal, mas abraçá-la exige um grau mínimo de intimidade.

Talvez fosse mais lógico escrever «Abraços e/ou beijinhos», deixando ao receptor da mensagem a liberdade da escolha, que poderia ser realizada em função do apreço que lhe merece o despachante. Infelizmente, permaneceriam ainda de fora aqueles elementos do grupo em relação aos quais o que apetece mesmo é enviar um insulto. Ou talvez não: «abraços e/ou beijinhos» funciona igualmente enquanto expressão de um voto (como «felicidades» ou «boa sorte») e o receptor nunca saberá onde se deseja que ele ou ela pouse os lábios.



publicado por José António Abreu às 21:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Terça-feira, 4 de Julho de 2017
Música recente (110)

 

Cigarettes After Sex, álbum Cigarettes After Sex.

 

A sonoridade adequar-se-á mais às noites de Inverno, e ouvir os dez temas de seguida pode revelar-se uma experiência repetitiva, mas existe muito que apreciar no primeiro álbum da banda de Greg Gonzalez, nascida em El Paso em 2008 e tornada conhecida através da Internet. Para os não fumadores (como eu), a languidez da música e imagens como kisses on the foreheads of the lovers wrapped in your arms são mais do que suficientes para apreender o espírito da coisa.



publicado por José António Abreu às 12:22
link do post | comentar | favorito

Domingo, 2 de Julho de 2017
Imagens recolhidas pelas ruas: 268

Blogue_ruas75_Porto2011.jpg

 

Porto, 2011. 



publicado por José António Abreu às 21:38
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sexta-feira, 30 de Junho de 2017
Diário semifictício de insignificâncias (26)

Confesso que fiquei a observar durante um par de minutos. Nem sequer é preciso entrar, basta permanecer junto à porta ou na zona de transição entre secções. Em tempos, o Gato Fedorento garantia que em Ermesinde era possível encontrar «gajas boas». Incapaz de confirmar ou de desmentir, sei, contudo, onde encontrar «gajas» em elevado grau de excitação: nos saldos da Zara.



publicado por José António Abreu às 19:14
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Música recente (109)

 

Marika Hackman, álbum I'm Not Your Man.

 

Ao segundo álbum, Hackman mostra-se mais aberta e confiante. As letras contêm ironia, por vezes feroz, e a sonoridade aproxima-se do grunge, fazendo-me pensar num cruzamento entre as L7 e os Radiohead por alturas de My Iron Lung.



publicado por José António Abreu às 12:22
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 29 de Junho de 2017
Afinal nada de importante se perdeu em Pedrógão...
Governo organiza focus group para avaliar os efeitos do incêndio na popularidade de António Costa.


publicado por José António Abreu às 11:53
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 27 de Junho de 2017
Música recente (108)

 

Algiers, álbum The Underside of Power.

 

As fronteiras da distopia, em época de extremismos e paranóia.



publicado por José António Abreu às 12:22
link do post | comentar | favorito

Um retrato da falência moral do país político (e jornalístico)

Ontem, porém, houve luz na escuridão. O provedor da Misericórdia de Pedrogão Grande induziu Passos Coelho num lapso, de que o líder do PSD decidiu pedir desculpa. Foi a alegria do costismo. Era a sorte outra vez. Mas talvez o sarcasmo do regime tenha desta vez ficado demasiado patente: é que tivemos desculpas do líder da oposição por um pequeno comentário, mas nem uma palavra de contrição do governo pela incompetência e descontrole que mataram 64 pessoas e deixaram mais de 200 feridas.

Rui Ramos, no Observador.


publicado por José António Abreu às 09:23
link do post | comentar | favorito

dentro do escafandro.
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

14
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


à tona

Música recente (123)

Música recente (122)

Paisagens bucólicas: 94

Música recente (121)

Diário semifictício de in...

Música recente (120)

Com o Douro por cenário: ...

Música recente (119)

Música recente (118)

Imagens recolhidas pelas ...

Música recente (117)

Música recente (116)

Paisagens bucólicas: 93

Música recente (115)

Música recente (114)

Imagens recolhidas pelas ...

Música recente (113)

Diário semifictício de in...

Música recente (112)

Imagens recolhidas pelas ...

Diário semifictício de in...

Música recente (111)

Diário semifictício de in...

Música recente (110)

Imagens recolhidas pelas ...

Diário semifictício de in...

Música recente (109)

Afinal nada de importante...

Música recente (108)

Um retrato da falência mo...

30 comentários
22 comentários
reservas de oxigénio
Clique na imagem, leia, assine e divulgue
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
tags

actualidade

antónio costa

blogues

cães e gatos

cinema

crise

das formas e cores

desporto

divagações

douro

economia

eleições

empresas

europa

ficção

fotografia

fotos

futebol

governo

grécia

homens

humor

imagens pelas ruas

literatura

livros

metafísica do ciberespaço

mulheres

música

música recente

notícias

paisagens bucólicas

política

porto

portugal

ps

sócrates

televisão

viagens

vida

vídeos

todas as tags

favoritos

(2) Personagens de Romanc...

O avençado mental

Uma cripta em Praga

Escada rolante, elevador,...

Bisontes

Furgoneta

Trovoadas

A minha paixão por uma se...

Amor e malas de senhora

O orgasmo lírico

condutas submersas
Fazer olhinhos
subscrever feeds